PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A amamentação e as preocupações maternas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A amamentação e as preocupações maternas

A amamentação e as preocupações maternas

11/11/2013
  716   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Os esforços para aumentar a duração desse ato devem ser focados em fatores protetores

A amamentação e as preocupações maternas

Nos últimos anos, amamentar é um ponto de preocupação das mães. Será que vou conseguir? Será que é difícil? Será que dói? Será que meu leite é forte o suficiente? Essas são as perguntas que mais ouço no consultório. A resposta para todas elas depende da mãe querer realmente fazer isso e não por pressão social. Argumentos que é melhor para o bebê ou é mais fácil e menos trabalhoso, raramente desmotiva quem não quer amamentar. Seja qual for o motivo, é uma opção da mãe e eu respeito, procurando melhores alternativas para quem não quer ou não pode fazer isso.

Num interessante artigo sobre este assunto, publicado na Pediatrics online, pontuou-se essa questão entre mães americanas. Os impactos da amamentação materna acontecem devido ao tempo em que elas fazem isso. Os interesses e as preocupações podem determinar a duração da amamentação.

Os autores conduziram 2.713 mil entrevistas com mães de primeira viagem e constataram que as preocupações delas sobre a amamentação nos primeiros 14 dias pós-parto estão ligadas, significativamente, à duração dela. As entrevistas foram conduzidas durante a gravidez, nas primeiras 24 horas e outras vezes em 3, 7, 14, 30 dias após o nascimento do bebê.

Os interesses na amamentação em qualquer um dos dias das entrevistas foram associados significativamente com o risco aumentado da parada da amamentação e o início do uso de fórmula. A maior preocupação estava na dificuldade com que a criança se alimenta no peito (52%), seguido pela dor ao amamentar (44%) e os interesses da quantidade do leite (40%).

Os autores concluem que os esforços futuros para aumentar a duração da amamentação devem focalizar em fatores protetores (tais como a confiança em uma amamentação bem-sucedida e em sustentação adequada) e em interesses que sejam resolvidos o mais cedo possível.

Como se vê, as dúvidas não são diferentes, mas, conforme o pediatra orienta a mãe com os impactos da amamentação na vida da criança, mais sucesso ele terá, desde que a mãe assim queira, volto a insistir.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Breastfeeding Concerns at 3 and 7 Days Postpartum and Feeding Status at 2 Months | Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade