PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Aprendendo a se controlar
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Aprendendo a se controlar

Aprendendo a se controlar

04/03/2014
  416   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

maneiras-de-controlar-a-raiva

Todos que passam pela adolescência sabem o quanto é difícil manter o controle em determinadas situações. Nesta idade, o bullying pode ser terrível. Aqui vão algumas dicas para tentar melhorar a perda de paciência.

 – A raiva é normal, mas a briga não é a maneira de lidar com isso;

– Trate as pessoas com respeito, mesmo quando você está com raiva;

– Encontre a coragem para se afastar de uma luta ou ajudar outros a encontrarem um caminho de conciliação;

– Obtenha ajuda de um adulto de confiança quando os outros estão brigando.

É importante saber como usar um argumento antes que ele chegue a agressão física. Você pode aprender maneiras de controlar sua raiva .

A raiva é normal. É natural sentir-se dessa maneira quando você ou alguém que você gosta foi sido mal tratado. Cabe a nós decidir como agir quando ficamos com raiva. Estar com raiva não tem que levar a uma briga. Mas, quando perdemos o nossa paciência, somos mais propensos a entrar em uma briga ou dizer algo que, mais tarde nos arrependamos.

Uma vez que você perde a paciência, demora cerca de 30 minutos para se acalmar e pensar com clareza. Se você acha que você está prestes a perder a paciência, se afaste para encontrar algo para relaxar a mente e voltar mais tarde. Nossos avós já diziam para contar até dez nestes momentos.

Pensar que todas as pessoas, mesmo aquelas que você não conhece, tem um lado decente torna possível tratá-los com respeito. Então, quando você sentir raiva ou chateado com alguém, sua primeira reação seria não lutar.

– Fale com o lado decente de uma pessoa

– Algumas pessoas ficam com medo quando os outros chegarem muito perto. Fique a um braço de distância da outra pessoa.

– Descubra por que esta pessoa está chateada.

Ter medo de cobras e ursos tem mantido os seres humanos vivos por milhares de anos. Estar perto de pessoas que estão com raiva ou que querem começar uma briga pode ser assustador. Se você sentir medo, mesmo se você não sabe o porquê, você precisa sair. 

Seu corpo está lhe dizendo que algo está errado quando:

– Seu coração acelera;

– Seu estômago fica estranho;

– Você começa a ficar quente e suado.

Se afastar não significa que você é fraco. Se você não pode se conectar com alguém pelo lado decente e essa pessoa ainda quer lutar, afaste-se. Quando ambas as pessoas estão chateadas, é difícil pensar com clareza. Não brigar é um sinal de autorrespeito e maturidade. É preciso mais coragem para sair do que ficar e lutar.

Você pode ajudar a manter a paz. Não veja nem incentivar a luta. Obtenha ajuda. Apoiar a luta com gritos, provocando, torcendo e empurrando só piora as coisas.

Ajude os seus amigos aprendem a resolver disputas e conflitos sem lutar. Compartilhe o que você sabe sobre a não entrar em brigas.

Converse com amigos e adultos buscando o entendimento sobre o que fazer antes que algo aconteça. Ao falar sobre isso agora, você vai saber o que dizer e fazer no futuro. Pense no que você faria se:

– Você é desafiado para uma luta e seus amigos querem que você brigue.

– Um amigo seu está sendo atormentado e pede sua ajuda.

– Você sabe que algumas crianças estão pensando em usar armas. Se há uma arma, procure ajuda imediatamente!

– Você ouve falar de planos para “provocar” alguém.

– Encontre um adulto de confiança caso haja dúvidas do que fazer.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte:  Connected Kids: Safe, Strong, Secure (Copyright © 2006 American Academy of Pediatrics)

Esta informação não é um substituto para o cuidado médico profissional. Siga sempre as instruções do seu profissional de saúde

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade