PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Armazenar o sangue do cordão umbilical: quando e por quê?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Armazenar o sangue do cordão umbilical: quando e por quê?

Armazenar o sangue do cordão umbilical: quando e por quê?

16/09/2013
  502   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Entenda como se dá o processo de armazenamento desse material que contribui no transplante de medula

Sangue do cordão umbilical

Em 1980, foi realizado o primeiro transplante com o uso das células obtidas do sangue de cordão umbilical e comprovou-se que ele é capaz de regenerar a produção sanguínea e, consequentemente, pode ser usado como fonte alternativa de células para o transplante de medula óssea.

Nesta época, as células de cordão umbilical começaram a ser armazenadas em uma série de bancos privados. O sangue dele era visto como um forte candidato para o uso na medicina regenerativa. Acreditava-se que vários tecidos viriam a ser regenerados com o uso do cordão umbilical.

Hoje, sabemos que apenas uma a cada 20.000 mil amostras de sangue de cordão armazenadas é utilizada e que ainda não existem evidências científicas de que haverá alguma utilidade para este material, além do uso para o transplante de medula.

A criança que apresentar leucemia na infância ou doenças genéticas e precisar do transplante, não usará o próprio cordão, pois a doença também estará presente no sangue deste.

Os pais que congelam o cordão em bancos privados são induzidos a acreditar que, com o armazenamento, será possível salvar a vida dos filhos no futuro. A questão é colocada no momento em que os pais estão muito vulneráveis e a eles falta informação completa. Por isso, pagam um preço alto. Armazenar e manter o sangue de cordão custa de R$2.000,00 a R$7.000,00 e a manutenção anual custa cerca de R$500,00.

Hoje, vários países da Europa se posicionam proibindo os bancos privados ou coibindo as atividades deles por entenderem que o interesse comercial é mais importante ao científico nesta questão. No Brasil, não há ainda uma regulamentação específica.

É importante deixar claro que há indicação de congelar o sangue de cordão de bebês nascidos em famílias em que já existe alguém com câncer ou doenças genéticas, uma pessoa que possa precisar de transplante. Os familiares de primeiro grau podem ajudar no tratamento doando o sangue do cordão para os parentes em tratamento de leucemia, linfoma, talassêmicos ou portadores de anemia falciforme e outras doenças genéticas. Nestes casos especiais, há uma chance maior do sangue de cordão ser útil e os pais devem procurar orientação médica para verificar se é indicado ou não preservar o material para uma doação direcionada.

Não existem evidências científicas que indiquem a necessidade de congelar o cordão em outras situações.

O congelamento do sangue de cordão em bancos públicos é feito com outro enfoque, pois a ideia é ajudar a quem precisa.

 Neste caso:

  • • A doação é gratuita;
    • A coleta é realizada em apenas alguns hospitais preparados para seguir todas as normas e padronizações preconizadas;
    • O cordão é disponibilizado para qualquer pessoa que necessite de transplante.

Dra. Carmen Vergueiro – Presidente da Associação da Medula Óssea – AMEO

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade