PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
As diferenças quanto ao refluxo em lactentes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
As diferenças quanto ao refluxo em lactentes

As diferenças quanto ao refluxo em lactentes

05/06/2013
  662   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A partir deste estudo, nota-se que este quadro nem sempre é sinônimo de doença

refluxo em lactentes

Regurgitação, refluxo e vômitos são coisas diferentes, como publicamos nesta postagem aqui no blog Saúde Infantil, no ano passado. Agora, a revista Pediatrics traz um artigo sobre o assunto.

A fim de gerir de maneira eficaz e tratar os sintomas do refluxo, é importante que os pediatras consigam distinguir os pacientes que possuem refluxo gastroesofágico fisiológico (GER) daqueles que têm a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE).

A GER é definida como a passagem normal do conteúdo gástrico para o esôfago, ao passo que os sintomas de GERD incluem complicações associadas ao RGE.

Em relatório clínico da Academia Americana de Pediatria (AAP), “Refluxo Gastroesofágico: orientação de gestão para o Pediatra”, os pediatras são encorajados a seguir as recomendações desenvolvidas pela Sociedade Norte-Americana para a Gastroenterologia Pediátrica, Hepatologia e Nutrição em diagnóstico e tratamento de RGE e DRGE.

Mudanças de estilo de vida que podem incluir a alimentação e/ou mudanças de posição são recomendadas como tratamento de primeira linha para ambas as condições, enquanto que os medicamentos são explicitamente indicados apenas aos pacientes com DRGE. A declaração também fornece algoritmos para gestão de vômitos na infância e as opções de tratamento para as crianças mais velhas ou adolescentes com azia.

A cirurgia pode ser arriscada e é geralmente reservada para crianças que estão com complicações e risco de vida. Embora o número de relatos de DRGE em pacientes de todas as idades esteja aumentando, ainda é muito menos comum ao GER que afeta recém-nascidos mais saudáveis.

A AAP considera que é importante todos os prestadores de cuidados de saúde pediátricos serem capazes de identificar corretamente e de tratar crianças com sintomas de refluxo para distinguirem GER de doenças mais preocupantes. Isso ajudaria a evitar custos e tratamentos desnecessários.

Se você tiver dúvidas, pois o assunto pode parecer complexo para leigos, consulte o pediatra.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte:  “Gastroesophageal Reflux: Management Guidance for the Pediatrician,” | Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade