PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Campanha de Higiene das mãos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Campanha de Higiene das mãos

Campanha de Higiene das mãos

05/05/2014
  1843   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

po_sabara_campanha_higiene_maos_post_facebook_04-24-14

Seja nosso parceiro!

O que é a higienização das mãos?

                É a aplicação e fricção de produto alcoólico (gel ou espuma) ou a lavagem com água e sabão, com a finalidade de reduzir a presença de germes (bactérias, fungos e vírus) na pele. Atualmente a fricção com produto alcoólico é considerada a técnica mais indicada na maioria das situações no ambiente hospitalar.

Por que higienizar as mãos é importante?

Os profissionais da saúde (médicos, equipe de enfermagem, fisioterapeutas e etc.) cuidam de muitas pessoas doentes diariamente e, com frequência, tocam nos pacientes e nas superfícies ao seu redor (cama, mesa, bomba de infusão e etc.). Se não higienizarem bem as mãos eles podem transmitir germes para outros pacientes quando fazem isso.

O que a higienização das mãos tem a ver com infecção hospitalar?

Grande parte das infecções que são adquiridas ou transmitidas dentro dos hospitais podem ser prevenidas por meio da higiene adequada das mãos, não só dos profissionais que cuidam dos pacientes, mas também dos familiares e visitantes.

Como participar da prevenção das infecções hospitalares?

A participação dos familiares e pacientes começa por reconhecer a importância da higiene das mãos como uma medida fundamental para reduzir a transmissão das infecções.

AS SEGUINTES DICAS VÃO AJUDAR A ENTENDER O MOMENTO E A FORMA CORRETA DE LEMBRAR OS CUIDADORES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA HIGIENE DAS MÃOS.

a)      QUEM DEVE SER LEMBRADO? Médicos, equipe de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas, voluntários, enfim, todas as pessoas que cuidam do seu filho. Seus parentes e visitantes também devem higienizar as mãos quando entram no quarto, especialmente antes de tocar na criança, e antes de ir embora.

b)      O QUE FAZER? Quando um cuidador chegar próximo a seu filho, antes de tocá-lo ou realizar algum procedimento (examinar, abrir curativo, puncionar veia, aplicar medicação e etc.) você pode perguntar ou pedir a ele que higienize as mãos com álcool-gel. Ou ainda, você pode agradecer por ele ter higienizado as mãos.

c)       QUANDO? Os 5 momentos importantes que você deve lembrar o cuidador sobre higiene das mãos:

1)      Antes de tocar no paciente;

2)      Antes de realizar um procedimento, por exemplo: puncionar uma veia ou trocar um curativo;

3)      Após realizar algum cuidado onde há risco de contato com fluido, por exemplo: esvaziar a bolsa de urina ou dreno;

4)      Após tocar no paciente;

5)      Após tocar nas áreas próximas ao paciente, como mesa de cabeceira, cama, bomba de infusão;

d)      ONDE? Em qualquer lugar onde o cuidado seja prestado: pronto-socorro, quarto, UTI ou consultório.

e)      COMO? Lembrar e agradecer são incentivos ao cuidador para a prática da higiene das mãos. O profissional tem conhecimento da importância desta prática e compreenderá sua intenção de ajudá-lo a prevenir infecções. Faça isso sempre e de forma simples:

  • “Obrigado por higienizar as mãos”.
  • “Você higienizou suas mãos?”
  • “Posso lembrá-lo sobre a higiene das mãos?”

Agradecemos sua participação.

Equipe de Prevenção e Controle de Infecção Hospitalar

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade