PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Compartilhar cama com crianças pequenas – Entenda os riscos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Compartilhar cama com crianças pequenas – Entenda os riscos

Compartilhar cama com crianças pequenas – Entenda os riscos

06/08/2014
  299   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Embora não seja muito comum no Brasil, a Síndrome de Morte Súbita Infantil (SMSI) e outras causas relacionadas com o sono de mortalidade infantil têm vários fatores de risco conhecidos, mas pouco se sabe se esses fatores mudam para diferentes faixas etárias.

Em um novo estudo publicado na Pediatrics de agosto 2014, ” O sono e o Ambiente de Riscos para crianças menores e maiores “, os pesquisadores estudaram mortes infantis relacionadas com o sono em 24 estados americanos entre 2004 a 2012.

Os casos de lactentes foram divididos entre mais jovens (0-3 meses) e mais velhos (4 meses a um ano). Em um total de 8.207 mortes analisadas, a maioria das crianças (69%) apresentavam compartilhamento de cama no momento da morte. Cerca de 60% eram do sexo masculino, e a maioria das mortes ocorreu em brancos não hispânicos. Crianças mais jovens eram mais comuns no compartilhamento de cama (74% versus quase 60%), dormindo em uma cama de adulto ou perto de uma pessoa, enquanto as crianças mais velhas eram mais comumente encontradas de bruços com objetos, tais como cobertores ou bichos de pelúcia na área de sono.

Os pesquisadores concluíram que os fatores de risco de mortes infantis relacionadas ao sono são diferentes para crianças jovens e mais velhas. Os pais devem acompanhar as recomendações da Academia Americana de Pediatria (AAP) para um ambiente de sono seguro e entender que diferentes fatores refletem risco em diferentes estágios de desenvolvimento.

No Brasil, estes casos não parecem ser tão comuns como em países mais frios, mas as recomendações de colocar de barriga para cima, de evitar travesseiros, protetores de berço, cobertores, brinquedos fofos e tudo que possa ajudar a criança a ter obstrução das vias respiratórias, devem continuar.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: Pediatricas ago 2014 Article: “Sleep Environment Risks for Younger and Older Infants”
Jeffrey D. Colvin, MD, JDa,b, Vicki Collie-Akers, PhD, MPHc, Christy Schunn, MSWd, and Rachel Y. Moon, MDe,f

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o tratamento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade