PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Consequências de não vacinar as crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Consequências de não vacinar as crianças

Consequências de não vacinar as crianças

04/12/2013
  2185   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo aponta alguns fatores negativos sobre a ausência de uma imunização correta

vacina

Não é raro uma mãe ou um pai me questionar sobre as quantidades de vacinas que as crianças tomam hoje em dia, afinal, “a medicina progrediu tanto que doenças não são problemas”.

Isso é um engano frequente e o progresso da medicina está nas vacinas, cada vez mais eficientes, eficazes e seguras, todas com menos efeitos colaterais. Apesar disso, sempre haverá os que pregam uma vida mais natural, sem produtos artificiais ou estranhos ao organismo, incluindo as vacinas.

Em 2010, 9.120 mil casos de coqueluche (ou tosse comprida) foram registrados na Califórnia, o maior desde 1947. Várias causas do surto foram documentadas, incluindo imunidade acelular minguante da coqueluche. Um novo estudo publicado na Pediatrics (outubro), examinou o papel de grupos de indivíduos que se recusaram a tomar vacina.

O estudo analisa isenções não-médicas para crianças que entraram no jardim de infância a partir de 2005 até 2010, e casos de coqueluche que foram diagnosticados em 2010, na Califórnia. Os pesquisadores identificaram 39 grupos estatisticamente significativos de altas taxas de isenções não-médicas e 2 grupos estatisticamente significativos de casos de coqueluche. Setores censitários dentro de um grupo de isenção foram 2,5 vezes mais propensos a estar em um grupo pertussis.

Com doenças altamente infecciosas, como sarampo e coqueluche, estima-se que mais de 95% da população deve ser imunizada para evitar surtos e reduzir o risco de doença para aqueles que são jovens demais para ser vacinado ou não para receber as vacinas.

Os autores do estudo concluem que as comunidades com grande número de pessoas não vacinadas ou sub-vacinadas pode levar a surtos de coqueluche, colocando as populações vulneráveis, como crianças pequenas, em maior risco.

Como se vê, a consequência de não vacinar ou vacinar de forma a não atingir o nível de proteção, aumenta o risco de toda a comunidade e não só da criança não vacinada.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Nonmedical Vaccine Exemptions and Pertussis in California, 2010 | Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade