PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Precisamos voltar a vacinar as crianças brasileiras
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Precisamos voltar a vacinar as crianças brasileiras

Precisamos voltar a vacinar as crianças brasileiras

07/04/2022
  397   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Há dez anos, pelo menos três vezes ao ano, faço postagens nesse Blog sobre a importância de vacinar as crianças para as diversas doenças do nosso calendário de imunização. No final de março, li na revista Fapesp o ótimo artigo do professor Ricardo Zorzetto sobre o “tombo da vacinação no Brasil” e o artigo do colunista Carlos Madeiro do UOL falando sobre o mesmo assunto.

As vacinas certamente estão entre as invenções mais importantes da humanidade e são uma das armas mais eficientes que a medicina pode contar para prevenir doenças e promover a saúde. O Brasil, com o seu Programa Nacional de Imunização (PNI) criado em 1973, que é um dos mais completos do mundo, já foi motivo de orgulho de nosso serviço de medicina coletiva. Há sete anos as taxas de imunização da população infantil vêm caindo, com piora significativa nos últimos anos, como pode ser visto nesse gráfico do artigo da revista da Fapesp:

 

 

Certamente, a pandemia tem alguma responsabilidade, mas há outros fatores. Segundo pesquisa realizada pela Fapesp em 2018, os sete principais motivos dessa queda seriam:

  1. Percepção de que já não existiriam mais algumas das doenças que podem ser evitadas pelos imunizantes, como sarampo e catapora;
  2. Desconhecimento do calendário vacinal, muito mais complexo, com várias visitas ao posto de saúde até os 15 meses de vida;
  3. Medo de potenciais reações adversas causadas pelos imunizantes (autismo);
  4. Receio de que o número elevado de vacinas sobrecarregue o organismo das crianças;
  5. Dificuldade dos pais para levar os filhos às unidades de saúde, que em geral funcionam em horário comercial e não funcionam aos finais de semanas;
  6. Mudança no sistema de documentação das aplicações por um mais complexo, que exige mais dados;
  7. “Fake news” sobre vacinas, com ação organizada de grupos contrários à imunização, pequenos no Brasil, mas ativos na Europa e nos EUA.

Com uma taxa de vacinação geral de 68%, quando o recomendado pela OMS é que fique entre 90 e 95% dependendo da vacina, o Brasil corre o risco de ver voltar doenças já erradicadas, como a pólio e outras com índices muitos baixos e que já voltaram a subir, como é o caso do sarampo. Esse é um fenômeno mundial e precisamos reagir antes que seja tarde.

Mas, nem tudo está perdido, parece haver luz no fim do túnel ou no governo: em 13 de dezembro 2021, o ministério lançou o Plano de Reconquista das Altas Coberturas Vacinais, em parceria com a Fiocruz. A ação estratégica tem como meta que o aumento na cobertura vacinal seja homogêneo em todo o país até 2025. Voltando ao documento de 2020, fazemos várias propostas para que isso seja alcançado:

Acesso
– Ampliar o horário de atendimento.
– Fazer uma busca ativa.

Vacinar em sistema drive-thru

Vacinar em estabelecimentos de ensino

Atuação dos profissionais de saúde
Falar sobre vacinas nas consultas.
– Poucos médicos conversam sobre imunização com seus pacientes – à exceção de pediatras, obstetras e geriatras (estes, quase exclusivamente sobre prevenção contra gripe).

Fixar calendários vacinais nas salas de espera, mesmo em consultórios de não pediatras
A vacinação de adultos e adolescentes ajuda a deter surtos de doenças que podem infectar crianças.

Estímulos
– Firmar parcerias com a instituições da sociedade civil.
– A Sociedade Brasileira de Imunizações defende a implantação de mecanismos que obriguem a apresentação da carteira de vacinação de crianças e adolescentes como pré-requisito para matrícula em escolas e creches.

Desabastecimento
Investir na formação de estoques.
– Criar estratégias para diminuir perdas de doses.

A falta pontual de vacinas desmotiva as pessoas a se deslocarem até as UBSs

Comunicação
– Diversificar os canais.
– Incluir médicos e enfermeiros.

Engajar-se para valer!

Em 2020, a Fundação José Luiz Egydio Setúbal (FJLES) definiu como ações estratégicas para a década 20/30 os Objetivos de Sustentabilidade da ONU que tivessem relação com a saúde da criança e do adolescente, e escolheu três áreas de atuação: Imunização, Nutrição e Saúde Mental.

Desde 2018, realizamos o Fórum de Políticas Públicas para a discussão desses temas. Em 2020, foi discutido a Imunização e o material pode ser visto no site da Fundação no link abaixo.

Após esse Fórum, a FJLES fez parcerias com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBin) e a Unicef em um programa piloto para melhoria de taxa de imunização em vários municípios brasileiros, fez várias campanhas de conscientização de vacinação para a covid-19 e para outras vacinas do calendário brasileiro de imunização, até ganhando reconhecimento do YouTube International. Este tema tem sido frequente em nosso blog, Simpósios, Congressos e Webinars para o público de profissionais da saúde e leigo.

Com isso, esperamos contribuir, pelo menos um pouco, para voltar a melhorar este indicador tão importante de Saúde da Infância e do Adolescente.

Fontes:

Saiba mais:

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.