PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças não conformes de gênero e transgêneros
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças não conformes de gênero e transgêneros

Crianças não conformes de gênero e transgêneros

27/02/2018
  1318   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Vivemos num mundo cada vez mais complexo. Não passava pela cabeça de meus professores de pediatria no final dos anos setenta e início dos oitenta se preocupar com crianças com dificuldade de orientação sexual. Hoje, isso é uma das grandes preocupações da pediatria atual, a ponto de numa reunião anual da Academia Americana de Pediatria dedicar uma série de palestras em sua Conferencies de Chicago em outubro de 2017. Nesta postagem fizemos uma adaptação do texto da Academia Americana de Pediatria para orientação de pais sobre o assunto.

Algumas crianças têm uma identidade de gênero diferente do sexo atribuído no nascimento, e muitos têm interesses e passatempos que podem se alinhar com o outro gênero. Algumas crianças, no entanto, não se identificam com nenhum gênero. Eles podem sentir que estão em algum lugar ou não têm gênero. É natural que os pais perguntem se é “apenas uma fase”. Mas, não há uma resposta fácil.

Para algumas crianças pequenas, expressar o desejo de ser ou identificar como outro gênero pode ser temporário; para outros, não é. Só o tempo irá dizer. Algumas crianças que são não-conformes de gênero na primeira infância crescem para tornar-se adultos transgêneros e outros não. Muitas crianças não conformes de gênero crescem para se identificar com uma orientação sexual gay, lésbica ou bissexual (ou seja, atraídos para o mesmo ou para ambos os sexos em vez de sentir que são um gênero diferente).

Não há como prever como uma criança acabará identificando-se mais tarde na vida. Essa incerteza é uma das coisas mais difíceis sobre a criação de pais de uma criança não conforme de gênero. É importante que os pais façam da casa um lugar onde seus filhos se sentem seguros e amados incondicionalmente.

Pesquisas sugerem que as crianças que são persistentes, consistentes e instigantes sobre sua identidade de gênero são as que são mais propensas a se tornarem adultos transgêneros. É importante apoiar e seguir a liderança da criança. Isso pode significar que você não terá uma resposta por muito tempo, o que pode ser muito difícil para os pais. Aqui estão alguns exemplos:

Se um adolescente se identifica como um gênero diferente desde a primeira infância, é improvável que ele ou ela mude sua ideia. Um menino de 12 anos de idade, que afirma consistentemente: “Eu sou uma menina”, desde a idade de três anos, provavelmente permanecerá Transgênero durante toda a vida.

Às vezes, uma criança pequena que se identifica fortemente com outro gênero muda. A idade mais comum para que isso ocorra é por volta de nove ou dez anos de idade. Não há pesquisas suficientes para saber se essa mudança significa que a criança aprendeu a esconder o seu verdadeiro Eu devido a pressões sociais, ou se foi de fato “apenas uma fase de infância”.

A puberdade é outro momento em que o gênero identificado por uma criança pode ser questionado. Às vezes, os adolescentes que nunca exibiram nada fora da norma em sua expressão ou identidade de gênero, podem começar a se sentir de forma diferente à medida que seus corpos mudam. Descobrir o seu filho adolescente é transgênero pode ser muito confuso para os pais que “não viram isso vindo”. Muitos não sabem se é apenas uma “fase adolescente” ou seu filho é realmente transgênero

Embora não entendamos por que algumas crianças se identificam com um gênero diferente de seu sexo de nascimento, a causa provavelmente é biológica e social. Não há evidências de que o parental é responsável por uma criança com uma identidade de gênero que não está de acordo com seu sexo biológico.

Em algum momento, uma criança que é persistente de acordo com o gênero pode optar por “transição” ou começar a viver como seu gênero auto identificado em vez do gênero atribuído no nascimento. O processo de transição é diferente para todos e muitas vezes é iniciado pela criança. Algumas crianças fazem uma transição no início da infância vestindo a roupa para o gênero identificado e mudando seu nome ou pronome.

O tratamento médico está disponível para bloquear os sinais de puberdade associados ao sexo biológico durante o início da adolescência. Algumas vezes são chamados de “bloqueadores da puberdade”; eles impedem que as características secundárias associadas à puberdade. Os efeitos desses medicamentos imitam os de um hormônio natural encontrado no corpo e são completamente reversíveis quando os medicamentos são interrompidos. Mais tarde, na adolescência, os adolescentes podem optar por usar medicação ou hormônios para a transição e passar pela puberdade do gênero consistente com sua identidade. Alguns adultos optam por fazer cirurgias e outros não.

Em qualquer caso, aqueles que desejam fazer uma transição médica precisam ter um relacionamento com um conselheiro ou terapeuta que tenha experiência em apoiar os jovens transgêneros. A criança também precisará ver um endocrinologista pediátrico ou um médico especializado em terapia hormonal para jovens, idealmente antes do início da puberdade.

A orientação sexual se refere à pessoa com quem se apaixona ou é atraída. A orientação sexual torna-se evidente depois da infância, enquanto a identidade de gênero se refere à maneira como se identifica na infância. Embora a orientação sexual e a identidade de gênero sejam faixas de desenvolvimento bastante distintas, as crianças que não são conformes a gênero muitas vezes crescem para se identificar como gay ou bissexuais, e muitos adultos gays ou bissexuais relembram o comportamento não conforme de gênero na infância.

Uma grande proporção de tentativas de suicídio na adolescência estão ligadas a questões de gênero e sexualidade, e muitos jovens gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros tentam suicídio. Como pai, o seu papel mais importante é oferecer compreensão, respeito e apoio ao seu filho. As pesquisas mostram que famílias de apoio reduzem muito o risco de suicídio de um adolescente.

Se seu filho se identifica persistentemente como outro gênero, em vez de apenas mostrar uma mistura de comportamentos, fale com seu pediatra. Seu filho pode precisar de ajuda de um profissional de saúde mental para resolver seus sentimentos em relação ao gênero ou a sexualidade, ou para ajudar a lidar com ser diferente.

As crianças que não são conformes ao gênero são mais propensas a sofrer de ansiedade e depressão devido a bullying, discriminação e não aceitação. É importante conversar com o pediatra ou o profissional de saúde mental do seu filho se estiver preocupado com o fato de seu filho estar sofrendo de problemas de saúde mental.

 

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Adaptado da Section on Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender, Health and Wellness (SOLGBTHW) (Copyright © 2015 American Academy of Pediatrics)

http://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/cartilha-de-pediatras-orienta-sobre-transtornos-de-genero/

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade