PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Grávidas e crianças pequenas devem comer mais peixe
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Grávidas e crianças pequenas devem comer mais peixe

Grávidas e crianças pequenas devem comer mais peixe

21/07/2014
  740   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

5398621fb93795d1229b5c34_3_18-1402514001549

Para se beneficiar do crescimento e desenvolvimento fetal, mulheres que estão amamentando, grávidas ou que possam engravidar devem consumir 300  gramas de peixe por semana (2-3 porções), de acordo com projeto de aconselhamento atualizado de duas agências federais americanas. As crianças também devem comer mais peixes, as agências observaram.

 

O projeto de orientação, da Food and Drug Administration (FDA) e da Agência de Proteção Ambiental (EPA), é o primeiro a sugerir uma quantidade mínima de peixes que devem ser consumidos semanalmente. Em 2004, as agências recomendavam comer “até 12 postas” de peixes.

 

O conselho também sugere evitar quatro tipos de peixes associados com altos níveis de mercúrio: Peixe espada, Tilefish do Golfo do México, Tubarão  e cavala. Além disso, o atum branco (voador) deve ser limitado a 6 postas por semana para as mulheres.

 

Peixe com teores mais baixos de mercúrio incluem salmão, camarão, atum em lata, tilápia, bagre e bacalhau, de acordo com estas agências. Variar o tipo de peixe comido é a melhor abordagem para um plano de alimentação equilibrada, de acordo com o projeto. Famílias que comem peixes capturados a partir de córregos locais, rios e lagos devem seguir os avisos de peixe das autoridades locais. Se isso não estiver disponível, limitar a ingestão de peixes locais.

 

Peixes e mariscos oferecem proteínas de alta qualidade, vitaminas, minerais e ômega-3 os ácidos gordos, e alguns contêm vitamina D. “O pacote completo de nutrientes um peixe possui pode ser necessário para beneficiar plenamente o desenvolvimento fetal e infantil”, de acordo com comunicado à imprensa do FDA.

 

A maioria dos estudos sobre os benefícios do consumo de peixe em mulheres grávidas e crianças pequenas têm mostrado melhorias no QI global da criança e escores de QI verbal, de acordo com Stephen Ostroff, MD, atuando cientista-chefe da FDA.

 

As análises do FDA descobriram que mulheres grávidas consomem pouca quantidade de frutos do mar. 21% disseram que não comeram frutos do mar no mês anterior; 50% comiam menos de 100 gramas por semana e 75% comiam menos de 150 gramas.

 

As mulheres grávidas que consomem montantes zero de peixes “estão perdendo benefícios muito importantes para a saúde e desenvolvimento das crianças.” disse Ostroff. “É muito importante haver um pouco de peixe na dieta, e para otimizar os benefícios do ponto ideal é de 250 a 500 gramas por semana.”

 

Num país com uma costa tão grandes e projetos de aquicultura deveríamos estimular o consumo de peixes e frutos do mar nos hábitos alimentares dos brasileiros.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: AAP Notícias (Copyright © 2014 Academia Americana de Pediatria)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade