PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Grávidas e crianças pequenas devem comer mais peixe
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Grávidas e crianças pequenas devem comer mais peixe

Grávidas e crianças pequenas devem comer mais peixe

21/07/2014
  4399   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Mulheres que estão amamentando, grávidas ou que planejam engravidar devem consumir 300 gramas de peixe por semana (2-3 porções), de acordo com projeto de aconselhamento atualizado de duas agências federais americanas. As crianças também devem comer mais peixes, as agências observaram.

O projeto de orientação da Food and Drug Administration (FDA) e da Agência de Proteção Ambiental (EPA) é o primeiro a sugerir uma quantidade mínima de peixe que deve ser consumida semanalmente. Em 2004, as agências recomendavam comer “até 12 postas” de peixes.

O conselho também sugere evitar quatro tipos de peixe associados com altos níveis de mercúrio: Peixe espada, Tilefish do Golfo do México, Tubarão e Cavala. Além disso, o atum branco (voador) deve ser limitado a 6 postas por semana para as mulheres.

Aqueles com teores mais baixos de mercúrio incluem salmão, camarão, atum em lata, tilápia, bagre e bacalhau, de acordo com estas agências. Variar o tipo de peixe comido é a melhor abordagem para um plano de alimentação equilibrada, de acordo com o projeto. Famílias que comem peixes capturados a partir de córregos locais, rios e lagos devem seguir os avisos das autoridades locais. Se isso não estiver disponível, limitar a ingestão de peixes locais.

Peixes e mariscos oferecem proteínas de alta qualidade, vitaminas, minerais e ômega-3, os ácidos gordos, e alguns contêm vitamina D. “O pacote completo de nutrientes que um peixe possui pode ser necessário para beneficiar plenamente o desenvolvimento fetal e infantil”,  de acordo com comunicado à imprensa do FDA.

A maioria dos estudos sobre os benefícios do consumo de peixe em mulheres grávidas e crianças pequenas têm mostrado melhorias no QI global da criança e escores de QI verbal, de acordo com Stephen Ostroff, MD, cientista-chefe da FDA.

As análises do FDA descobriram que mulheres grávidas consomem pouca quantidade de frutos do mar. 21% disseram que não comeram frutos do mar no mês anterior; 50% comiam menos de 100 gramas por semana e 75% comiam menos de 150 gramas.

As mulheres grávidas que não consomem peixes “estão perdendo benefícios muito importantes para a saúde e desenvolvimento das crianças”, disse Ostroff. “É muito importante haver um pouco de peixe na dieta e, para otimizar os benefícios, o ponto ideal é de 250 a 500 gramas por semana.”

Num país com uma costa tão grande e projetos de aquicultura deveríamos estimular o consumo de peixes e frutos do mar nos hábitos alimentares dos brasileiros.

Leia também: Gravidez, amamentação e dieta saudável

Fonte: AAP Notícias (Copyright © 2014 Academia Americana de Pediatria)

Atualizado em 17 de junho de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.