PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Depressão pós parto e a repercussão nas crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Depressão pós parto e a repercussão nas crianças

Depressão pós parto e a repercussão nas crianças

20/07/2011
  846   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp


Depressão pós parto (DPP) é uma doença relativamente comum que afeta de dez a quinze porcento das mães, nos primeiros meses após o parto, sendo a maior incidência entre a quarta e a oitava semana.

Sua intensidade pode variar de um nível muito leve até casos graves (mais raramente) e os sintomas mais comuns são: irritabilidade, choro freqüente, sentimentos de desamparo e desesperança, falta de energia e motivação, desinteresse sexual, transtornos alimentares e do sono, ansiedade, sentimentos de incapacidade de lidar com novas solicitações.

A depressão materna tem sido associada a problemas de comportamento durante os primeiros anos da criança, até cinco anos de idade. “A DPP pode se manifestar com intensidade variável, tornando-se um fator que dificulta o estabelecimento de vínculo afetivo favorável entre mãe e filho, podendo interferir na qualidade dos laços emocionais futuros. Há evidências de associação entre a DPP e prejuízo no desenvolvimento emocional, social e cognitivo da criança.”

Em artigo de julho de 2011 a revista Pediatrics traz um trabalho feito na Austrália com mais de 400 crianças, traz um alento para as famílias onde isto acontece, pois mostra que mesmo em mães com quadros recorrentes de DPP, crianças que ficaram sob cuidados formais de creches por pelo menos 3 horas por semana até os dois anos, tiveram menos problemas de ordem emocional e ou cognitivo, e observaram que o mesmo efeito protetor não aconteceu em crianças que tiveram só cuidados informais.

Os autores concluem: “que mesmo pequenas quantidades de cuidado formal (creches) na primeira infância para os filhos de mães deprimidas podem ter benefícios duradouros para a criança.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal
Fontes: 1) Pediatrics julho 2011
-“Maternal Depressive Symptoms and Child Care During Toddlerhood Relate to Child Behavior At Age 5 Years”
2)  PsicoUSF v.10 n.1 Itatiba jun. 2005
Depressão pós-parto: fatores de risco e repercussões no desenvolvimento infantil
Eluisa Bordin SchmidtI, *; Neri Maurício PiccolotoII, **; Marisa Campio MüllerIII, 1, ***
I Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões
II Faculdade de Taquara
III Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • MARTA MARIA TEIXEIRA disse:

    GOSTARIA DE SABER QUAIS SAO REALMENTE OS SINTOMAS DE UMA DEPRESSAO POS-PARTO?

  • MARTA MARIA TEIXEIRA disse:

    QUAIS SAO OS CUIDADOS COM MAES QUE TENHAM DEPRESSAO POS-PARTO

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Marta,

      Depressão pós-parto nao é uma coisa comum, mas também não é rara. Muitas vezes, após o parto as mães ficam com uma instabilidade de humor, choram com frequência ou riem sem motivos. Mas isto não é depressão pós parto, e é muito mais comum. A depressão puerperal é um quadro onde a mulher perde o ânimo e fica muito apática, podendo até perder a vontade de cuidar do bebê ou de viver. A melhor coisa a fazer é procurar m médico , podendo ser o obstreta ou um clínico, para confirmar o diagnóstico e encaminhar para o psiquiatra.

      Atenciosamente,

      Equipe Hospital Infantil Sabará

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade