PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Especial Vacina (Parte III)
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Especial Vacina (Parte III)

Especial Vacina (Parte III)

13/08/2014
  518   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Esta é a última parte dos artigos que relacionam as evidencias e risco de reações adversas na infância. Neste artigo apresentamos os riscos relacionados com as vacinas de sarampo, rubéola e caxumba.

Vacinas contendo sarampo e convulsões febris em crianças em idade 4 a 6 anos

Klein, N. et al., Pediatrics. 2011; 129

O acompanhamento de 715.484 crianças com idades compreendidas entre 48-83 meses que receberam uma dose de MMRV,(vacina de sarampo, cachumba, rubeola e Varicela) para determinar o risco de convulsão pós-vacinação nesses grupos. Os resultados mostraram que crianças que receberam a vacina MMRV tiveram mais febre e convulsão, em comparação com crianças que tinham recebido MMR + Varicela, ou MMR ou varicela separadamente, embora este dado não tenha sido estatisticamente significativo. O estudo não encontrou qualquer pico na apreensão ou febre em qualquer um dos grupos de estudo, no período pós-vacinação 7-10. Das 4 convulsões febris observadas nos 7-10 dias no período pós-vacinação para crianças que recebem MMRV, apenas uma convulsão febril pôde ser confirmada, resultando em autores alegando que a taxa de convulsão febril após MMRV ser 1 em 86.750 doses.

Pesquisadores não encontraram aumento do risco de convulsões febris em qualquer um dos grupos de estudo dentro de 6 semanas após a vacinação.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Em estudo prospectivo de 14 anos, não há nenhuma evidência de doença inflamatória intestinal ou autismo associados às vacinas para sarampo, caxumba e rubéola.

Peltola H. et ai Lancet. de 1998; 351:1327-8

Este estudo analisou três milhões de eventos adversos em relação temporal com a vacina MMR. Um formulário foi preenchido e enviado para os coletores de dados, seguida de outra forma, com mais informações algumas semanas mais tarde. Pesquisadores rastrearam indivíduos que desenvolveram sintomas ou sinais (com duração de 24 horas ou mais) gastrointestinais em qualquer altura após a vacinação com MMR (sarampo , caxumba rubeola). Os pesquisadores também verificaram os registros hospitalares, centros de saúde e entrevistou os enfermeiros de saúde pública locais.

Ao longo de uma década para detectar todos os eventos adversos graves associados à vacina MMR, os pesquisadores não conseguiram encontrar dados que apoiam a hipótese de que esta vacina poderia causar transtorno invasivo do desenvolvimento ou inflamatória doença intestinal.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Autismo x Sarampo, Caxumba x Rubéola: nenhuma evidência epidemiológica para uma associação causal.

Taylor B et al. Lancet . 1999; 353 (9169) :2026-9

Investigadores procuraram uma mudança de tendência na incidência ou a idade no momento do diagnóstico associado à introdução de sarampo, caxumba e rubéola (MMR) ao Reino Unido em 1988. O estudo identificou 498 casos de autismo (261 de autismo básico, 166 de autismo atípico, e 71 da síndrome de Asperger) em crianças nascidas naquele país desde 1979. Houve um aumento constante de casos por ano de nascimento sem  mudança súbita na linha de tendência, após a introdução da vacinação MMR. Não houve diferença de idade no momento do diagnóstico entre os casos vacinados antes ou depois de 18 meses de idade e aqueles nunca vacinados. Não houve associação temporal entre o início do autismo dentro de 1 ou 2 anos após a vacinação com MMR. Regressão do desenvolvimento não foi agrupada nos meses após a vacinação.

Os dados não suportam uma associação causal entre a vacina MMR e o autismo. Se ocorrer uma associação desse tipo, é tão raro que não puderam ser identificados nesta grande amostra regional.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Caxumba, Sarampo e Rubéola e a incidência de autismo Gravado por Clínicos Gerais: Uma Análise de Tendência

Kaye JA et al. British Medical Journal. 2001; 322:460-63

Estudo compara a prevalência de sarampo, caxumba e rubéola (MMR) na vacinação entre as crianças no Reino Unido para analisar o aumento da prevalência de diagnósticos de autismo em crianças.

Os dados fornecem evidências de que não existe correlação entre a prevalência de vacinação MMR e o rápido aumento dorisco de autismo ao longo do tempo.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

MMR e autismo: mais uma prova contra uma associação causal

Farrington CP, et al. Vacina . 2001; 14 de junho; 19 (27) :3632-5

Dados os resultados anteriores sobre vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR), foram realizadas novas pesquisas (Taylor et al, 2000) para testar uma segunda hipótese.

Os resultados novamente não fornecem evidências de associação causal entre a vacinação MMR e o autismo.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Tendências em Autismo e em MMR cobertura vacinal na Califórnia.

Dales L et al. Jornal da Associação Médica Americana. 2001; 285 (9) :1183-5

Os cientistas olharam para a correlação entre o aumento na taxa de diagnósticos de autismo e aumentos na taxa de sarampo, caxumba e rubéola (MMR) em crianças nascidas entre 1980 e 1994.

Estes dados não sugerem uma associação entre a vacinação MMR em crianças e um aumento na ocorrência de autismo.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Sarampo, caxumba, rubéola e outras vacinas contendo sarampo não aumentam o risco de Doença Inflamatória Intestinal: Um Estudo de controle de caso Datalink Projeto Vaccine Safety

Davis RL et al. Arquivos de Medicina Pediátrica e Adolescente. 2001; 155 (3) :354-9

Um estudo de controle de caso de 155 pessoas com doença inflamatória intestinal com até cinco avaliações cada. Nem vacinações passada, nem a idade de vacinação com outras MCV foi associada com risco aumentado para a doença de Crohn, colite ulcerativa ou IBD. Risco para a doença de Crohn, colite ulcerativa ou IBD não foi elevado no período imediatamente após a vacinação com qualquer vacina.

A vacinação com MMR ou outro MCV, ou o calendário de vacinação no início da vida, não aumentou o risco de Doença Inflamatória Intestinal.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Nenhuma evidência de uma nova variante do autismo sarampo, caxumba e rubéola Induzida.

Fombonne E et al Pediatria. De 2001; 108 (4): E58

Estudo comparou 96 crianças com transtorno invasivo do desenvolvimento (PDD) nascidos entre 1992 e 1995 e que haviam recebido  vacina contra sarampo, caxumba, a pacientes de PDD que não receberam vacina contra rubéola.

Não foram encontradas evidências de apoio uma síndrome distinta do autismo induzido por MMR ou de “enterocolite autista.” Estes resultados adicionar aos estudos epidemiológicos em larga que todos falharam para apoiar uma associação entre a vacina MMR eo autismo em nível populacional. Estes resultados não defendem mudanças em programas de vacinação atuais e recomendações.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Vacinação contra sarampo, caxumba e rubéola e problemas intestinais ou regressão do desenvolvimento em Crianças com Autismo: Estudo da População.

Taylor B et al. British Medical Journal. 2002; 324 (7334) :393-6

Estudo populacional de 278 crianças com autismo núcleo e 195 com autismo atípico, nascidos entre 1979 e 1998. A proporção de crianças com regressão do desenvolvimento (25% do total) ou sintomas intestinais (17%) não se alterou significativamente durante os 20 anos de 1979, um período que incluiu a introdução de vacinação contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR) em outubro de 1988.

Os dados não fornecem suporte para um MMR associada  com“nova variante” forma de autismo com problemas de regressão e do desenvolvimento, e também contra o envolvimento da vacina MMR na iniciação de autismo.

Confira o estudo na íntegra aqui!

 

Veja também:

Especial Vacina (Parte I)

Especial Vacina (Parte II)

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade