PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
“Eu quero ver a cidade”
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
“Eu quero ver a cidade”

“Eu quero ver a cidade”

02/06/2017
  958   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Já sei pra onde vou, eu vou sentir o calor da rua.

Francisco el Hombre

Quando reformamos a casa onde hoje é a Ubá optamos por um muro cheio de buracos e um portão vazado. A ideia era que as crianças pudessem estar de alguma forma conectadas ao que acontece na rua, no tempo em que estivessem por lá. Certo dia uma delas escalou o muro até certa altura, como algumas costumam fazer. Eu estava ao lado, prezando por sua segurança. Ela deu um passo a mais, ficando um tanto mais alta, e eu pedi que descesse para uma altura mais segura. Foi então que, com os olhos já mergulhados dentro de um dos buracos do muro ela me disse: “Eu quero ver a cidade”. Silenciei.

Lilia_Standerski_Eu_Quero_Ver_A_Cidade_02_06_2017_02

Na Ubá as crianças pedem nos vizinhos ingredientes que faltaram para uma receita e convidam eles para comer o bolo depois de pronto. Para a Penha, vizinha de frente, pedimos que asse o bolo quando o gás acaba bem na hora H. Nas próximas semanas sairemos a pé com os grupos até a Praça das Corujas, para brincar. Quando o carteiro passa elas o cumprimentam e gostam de abrir a caixa de correio para ver se tem correspondência, além de colocar desenhos ali também para entregarem às famílias quando chegam para buscar.

Em janeiro escrevi o texto “De presente, a presença”, também aqui no blog. Na ocasião, escrevi um pouco sobre trocarmos presentes-objeto por presentes-experiência. Tive um retorno muito bacana de uma amiga, que conversa com o tema deste texto: “Confesso que é uma adaptação para eles, sem dúvida, mas pra mim também. Não só pela pré-disposição em dar matérias e ter uma segurança imediata da concretude do que de nós fica com eles, mas porque exige muita presença mesmo! Pra pequena (a sobrinha), presenteamos “um dia na cidade”. Pra mim, na verdade foi “um dia na cidade e toda disposição do planeta” para explicar por quê isso, por quê aquilo a cada passinho que ela dava. No final do dia ela também escreveu no diário: “hoje andamos de ônibus, foi o melhor dia da minha vida”. Dei uma choradinha hehehe (…) Tem que ter disposição, mas sinto que é bem transformador da relação que estabeleci com eles”.

É urgente estarmos mais presentes nos espaços públicos. Não somente com as crianças, mas com nós mesmos, com os amigos, com a família. Fica o convite para experimentarem uma manhã na Paulista, um domingo no parque com direito a piquenique, um passeio na praça perto de casa,  uma volta pelas ruas do bairro para procurar prováveis árvores frutíferas, um passeio de bicicleta no Minhocão, um pedido de ingredientes nos vizinhos. O tempo é também experimentado de outra forma nessas vivências, sobram horas e a sensação é de um respiro de calma nessa correria da cidade grande (mas com potencial para ser experimentada pelas pequenices).

Relacionar-se com a cidade é também relacionar-se com o humano da gente, e dos outros.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade