PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Frente a frente com os rótulos das embalagens de alimentos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Frente a frente com os rótulos das embalagens de alimentos

Frente a frente com os rótulos das embalagens de alimentos

01/04/2014
  774   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

supermarketbasics-clean-605x340

O Instituto Pensi acaba de assinar uma parceria com o Instituto Saúde e Sustentabilidade, do professor Paulo Saldiva. Entre outras coisas, nossa parceria visa estabelecer novas metodologias para que as pessoas saibam ler os rótulos de alimentos e ver o que seria melhor para sua saúde. Este artigo da APP, me remeteu ao assunto:

O rótulo frontal de uma embalagem possui informação privilegiada no mundo da nutrição, por isso só faz sentido se os fabricantes utilizarem este espaço altamente visível para informações nutricionais importantes. Infelizmente, estas ações (como, todo-natural, menos açúcar, mais baixo de sódio, etc) não estão regulamentadas e podem ser enganosas e confusas.
Uma mensagem para você não esquecer: Não seja enganado por algumas reivindicações bem colocadas e cuidadosamente formuladas. Em vez disso, comprometa-se a compreender os componentes de um rótulo nutricional.

O que está no rótulo:

1- Nutrição: Os rótulos podem ser confusos e intimidantes no início, mas uma vez que você sabe o que procurar, ele vai ser muito mais fácil para fazer a varredura de um produto e saber se ele atende as necessidades nutricionais da sua família. Todos os rótulos contêm as mesmas informações básicas.
Porção;
Contagem de calorias;
Nutrientes para limitar.

2- Nutrientes para obter o suficiente. Uma nota de rodapé, que revela o quanto ou quão pouco de gordura, colesterol, sódio, carboidratos e fibras que uma pessoa deve comer com base em um de 2.000 calorias por dia dieta.

Os órgãos reguladores brasileiros recomendam essas dicas nas embalagens:

1- Certifique-se de que você está recebendo o suficiente de potássio, fibras, vitaminas A e C, cálcio e ferro.
2- Use o valor diário por cento (% VD) da coluna para ajudar a determinar se você está recebendo pouco ou muito de qualquer componente particular; 5% DV ou menos é relativamente baixo, acima de 20% DV ou mais é alto.
3- Verifique porções e calorias. Certifique-se de olhar para os dois o tamanho da dose e quantas porções contém o pacote. Lembre-se que o rótulo descreve claramente os nutrientes que você vai ingerir. Se você dobrar as porções que você come, lembre-se de dobrar as calorias, nutrientes e do valor diário por cento.
4- Calorias. Olhe para as calorias no rótulo e analise sua proveniência. Por exemplo, são principalmente as calorias de gordura ou que a proteína e / ou hidratos de carbono adicionar ao total? Compará-los com os outros nutrientes, como vitaminas e minerais, para decidir se a comida vale a pena comer.
5- Açúcar: Desde açúcares contribuem calorias com poucos, se houver, nutrientes, procurar alimentos e bebidas de baixo teor em açúcares adicionados. Leia a lista de ingredientes e certifique-se que os açúcares adicionados não são um dos primeiros ingredientes. Esteja ciente de que o açúcar pode ser frequentemente encontrado escondido em rótulos nutricionais listadas como sacarose, glicose, xarope de milho, xarope de milho, xarope de bordo, e frutose.
6- Gorduras. Procure alimentos com baixo teor de gorduras saturadas, gorduras trans e colesterol para ajudar a reduzir o risco de doença cardíaca. A maioria das gorduras que você come deve ser poliinsaturadas e monoinsaturadas. Mantenha a ingestão total de gordura entre 20% a 35% de calorias.
7- Sal: reduzir sódio (sal), aumentar a de potássio. Pesquisas mostram que comer menos de 2.300 miligramas de sódio (cerca de 1 colher de chá de sal) por dia podem reduzem o risco de pressão arterial elevada. Ao contrário do que se poderia pensar, a maioria de sódio vêm sob a forma de alimentos processados, não do saleiro. Além disso, procure alimentos ricos em potássio (tomates, bananas, batatas e suco de laranja, por exemplo), que ajudam a combater alguns dos efeitos do sódio na pressão arterial.

Autor : Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: Food fight, 2 ª Edição (Copyright © 2012 Academia Americana de Pediatria)
As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituta para o tratamento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade