PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças e famílias cidadãs
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças e famílias cidadãs

Crianças e famílias cidadãs

08/10/2013
  552   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Por meio dele, também é possível moldar pais e filhos a serem cidadãos mais conscientes

trabalho voluntário - brinquedoteca

O Hospital Infantil Sabará se tornou uma Fundação sem fins lucrativos que passou a contar com um grupo de pessoas dedicado ao trabalho voluntário na área de humanização hospitalar, na brinquedoteca do hospital. Essa atividade é realizada na antessala do centro cirúrgico, nos quartos e na UTI por meio de músicos, palhaços, contadores de histórias, todos eles capacitados. No momento em que realizam essa tarefa, eles deixam de ser pessoas comuns para se transformarem em cidadãos que ajudam o próximo.

Para realizar este trabalho, contamos com um curso de capacitação realizado no hospital ou com parcerias, tais como a obtida com a “Associação Viva e deixe viver” que capacita contadores de histórias. Também recebemos doações de livros e brinquedos, além de material que é usado como lápis de cera, revistas e jogos.

Como vemos até aqui, é um trabalho de desenvolvimento de cidadania e de amor ao próximo que faz parte da missão do nosso voluntariado. Mas, nem tudo é bonito ou alegre. Nos últimos meses, graças à atividade do corpo de voluntários, começamos a perceber que precisaríamos ensinar às crianças e às famílias a serem cidadãos também.

Tudo porque tivemos algumas ocorrências tristes de se ver. As crianças que não sabem lidar com limites, pegam dezenas de páginas para pintar durante a espera do atendimento e o pessoal da limpeza joga fora todas elas só com alguns rabiscos. Brinquedos são manipulados sem cuidados, sem pensar na preservação deles. Pais e avós que levam os brinquedos para os quartos e não pensam que outras crianças que estão na espera poderão usá-los. São centenas de brinquedos e livros que somem por serem levados para casa.

Esse retrato me fez lembrar das minhas visitas aos hospitais públicos, onde as brinquedotecas, na maior parte do tempo, ficam trancadas para que não sumam com as coisas.

Nós reclamamos muito dos nossos dirigentes e políticos, mas será que na nossa vida não nos comportamos como eles?

Após este desabafo, gostaria de agradecer a estes cidadãos maravilhosos que dedicam o que temos de mais precioso: nosso tempo. Tudo para levar amor, afeto, carinho e trazer de volta um sorriso à face de uma criança doente ou do familiar ansioso e angustiado pela situação de fragilidade. Parabéns aos voluntários Cidadãos do Hospital Sabará.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Adriana Barbosa disse:

    O que é preciso para se torna um voluntário do hospital?

    Parabéns pelo trabalho que vocês desenvolve.

    Att:Adriana Barbosa *–*

    • Equipe Sabará disse:

      OI Adriana!
      Agradecemos o carinho e ficamos muito felizes com o seu interesse em se tornar voluntária. Aqui no Hospital, nossos voluntários fazem um curso introdutório para melhorar os programas e serviços de humanização que oferecemos e para ajudar a equipe em fornecer os melhores padrões de saúde que se alinham com a nossa missão, visão e valores.
      As datas dos próximos cursos já estão disponíveis no nosso site, confira: http://goo.gl/8yuYQa
      Grande abraço!

  • Lino de Macedo disse:

    Caro Dr. José Luiz. Penso ter sido oportuno seu comentário sobre nosso hábito de pegar para si coisas além do que necessitamos e, algumas vezes, levar para casa coisas que não nos pertencem. Esta talvez seja a face negativa de um ato voluntário. Talvez as crianças não saibam, mas seus pais ou responsáveis certamente sabem que estão desperdiçando materiais ou levando para casa um objeto que pertence ao hospital e que só pode ser usado durante a permanência nele. A justificativa de que a criança gostou ou quer levar não vale. O não, como ato de vontade e educação para a cidadania, é tão importante quanto o sim, praticado por nossos voluntários, ao doarem seu tempo e energia para nossas crianças enquanto no hospital. Abraços, Lino

  • Evanise de QUeiroz Barros disse:

    ola boa noite gostaria de saber como posso participar do trabalho voluntario onde faço inscrição por favor alguém pode me informar obrigada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade