PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Obesidade infantil pode ter origens psicológicas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Obesidade infantil pode ter origens psicológicas

Obesidade infantil pode ter origens psicológicas

07/05/2012
  636   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo mostra que as meninas que passam por momentos de estresse têm mais chances de se tornarem obesas

O estudo “Cumulative Social Risk and Obesity in Early Childhood”, constatou que o sexo da criança pode ser um fator cumulativo aos estresses sociais, e esses, aumentam a probabilidade de obesidade em menores de 5 anos de idade.

A pesquisa avaliou 1.605 crianças pré-escolares e identificou estressores sociais, como:

1- Sintomas depressivos maternos;
2- Uso de substâncias estimulantes pela mãe;
3- Violência sexual;
4- Insegurança dentro de casa;
5- Prisão domiciliar feita pelo pai.

Os pesquisadores descobriram que as meninas que sofreram mais de um estressor social tinham um risco maior de serem obesas até os 5 anos. As garotas com mais de dois causadores de estresse tinham mais chances de ficarem acima do peso. Não há associações significativas observada entre os meninos. De acordo com os autores do estudo, muitos desses estressores sociais são frequentemente enfrentados por famílias frágeis socialmente. Se essas questões forem abordadas, podem ser feitos esforços maiores para a prevenção da obesidade.

Os autores concluíram que a conscientização de cuidadores, professores e outros agentes sociais sobre o risco cumulativo associado aos causadores de estresse, pode motivá-los a identificar essas crianças. Elas poderão ser beneficiadas por programas de intervenção precoce, que abordem o risco psicossocial.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Cumulative Social Risk and Obesity in Early Childhood“, in the May 2012 issue of Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • sheila jovina soares disse:

    Gostaria quem pudesse me ajudar meu filho esta obeso, com 12 anos não janta ele é muito ansioso.obrigada a todos do hosp sabará

    • Equipe Sabará disse:

      Oi Sheila, o melhor que você pode fazer por ele é levá-lo ao pediatra e se necessário encaminhá-lo para um acompanhamento psicológico ou com nutricionista. De qualquer maneira o pior para ele é pular alguma refeição. Obrigado.

    • ANA PAULA disse:

      Seu filho precisa fazer um tratamento que é novo aqui no brasil!
      Se ainda estiver com este problema me comunique que eu te explico e lhe passo as nformações.

  • erika disse:

    Sou mãe de uma menina de 4a e 9m,ela esta pesando 30Kg.Ja passei ela na nutricionista,mas sem resultado.Devo passa-la no endocrino.

    • Equipe Sabará disse:

      Érika, sua filha tem uma obesidade provavelmente, mas precisa fazer o dianóstico correto e fazer exames. Um pediatra ou um “endócrino infantil”, são os profissionais que podem te orientar pois muitas vezes o disturbio não é sómente nutricional.

  • Jaqueline Freitas Loredo disse:

    Olá,
    Minha filha tem 8 anos, está pesando42 kg,é muito ansiosa e está sofrendo com o peso. Já passei com ela no nutricionista, mas não vi resultado. Hoje, antes de sair para a escola ela me perguntou( chorando), se criança gordinha como ela vai crescer gordinha e ser gordinha pra sempre. Estou sem saber como agir, que médico devo procurar. Estou precisando de ajuda. Estou vendo minha filha sofrer psicologicamente e não sei o que fazer.
    Obrigada!

    • Equipe Sabará disse:

      Jaqueline,

      É um momento delicado. Converse com o pediatra que acompanha a pequena e relate a ele esses acontecimentos. Ele irá avaliar a necessidade de encaminhar para um psicólogo, além de checar se a saúde da criança está ok.
      Temos certeza de que tudo ficará bem.
      Grande abraço

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade