PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Otite: como prevenir a dor de ouvido das crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Otite: como prevenir a dor de ouvido das crianças

Otite: como prevenir a dor de ouvido das crianças

09/03/2011
  1495   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Cerca de 75% dos casos de otite aumentam no verão. A inflamação do ouvido normalmente causa dor e incomoda muito as crianças, podendo ser considerada uma das doenças do verão, a chamada otite externa. A utilização inadequada do cotonete, pode agravar o problema.

Pelo fato das crianças passarem a maior parte do tempo, nessa época com elevadas temperaturas, em locais úmidos como piscinas ou mar, a umidade do ouvido aumenta significativamente. Assim, este tipo de ambiente facilita a proliferação de microorganismos. “Crianças são mais fáceis de adquirir o transtorno, pois costumam permanecer por longos períodos dentro da água”, ressalta o Doutor Romano.

Recorrer ao cotonete na otite, segundo o especialista, é um erro muito comum entre as pessoas. Deve-se limpar o ouvido somente externamente com uma toalha de pano. O cerúmen é a proteção do ouvido externo e só deve ser retirado se estiver incomodando, por exemplo, causando diminuição da audição ou para facilitar o exame do ouvido, um procedimento sempre médico. O cotonete pode provocar alguma lesão na pele do ouvido, facilitando a ação de agentes nocivos no local.

Os sintomas mais comuns das otites são: a coceira, o inchaço e dor de ouvido, em casos mais graves nota-se também a febre e a secreção. O tratamento pode ser feito com antibióticos ou antiinflamatórios, normalmente em gotas.

Nessa época do ano aumentam os casos de otite nas crianças. Desta forma, utilizar protetores auriculares e realizar uma limpeza assim que a criança sair da água são boas formas de prevenção. Substâncias secativas também podem ser utilizadas, mas lembre-se sempre de evitar a automedicação. Procurar um pediatra para indicar um tratamento adequado é a melhor escolha.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Simone Menzani disse:

    Gostei muito desse artigo. Sou mãe de um bebê de 1ano e 3 meses. Como eu sofri muito com dores de ouvido na infância, inclusive tendo a sequela da perda de 15% da audição do ouvido direito, morro de medo do meu filho ter dores de ouvido também. Por isso, nunca limpo o ouvidinho dele com cotonete, somente com toalha limpa e seca. Mas fiquei interessada em duas soluções apontadas como prevenção neste artigo e gostaria de saber em maiores detalhes. Posso utilizar protetores auriculares no bebê que vai para o mar ou piscina? Não há o risco de isso provocar uma infecção ao invés de proteger o ouvido? Que substâncias secativas são essas?

    Obrigada.

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Simone,

      Primeiramente parabéns. Você está corretíssima na maneira de limpar os ouvidos de seu filho. Com relação às otites, a imensa maioria das pessoas pode frequentar praias e piscinas sem risco de terem otites externas frequentes. Portanto, o uso de protetores auriculares ou substâncias secativas (álccol absoluto, vinagre, etc) apenas está indicado para aqueles que realmente apresentem o problema, e não como prevenção geral, já que como você corretamente apontou, eles podem provocar algum dano ou até mesmo infecções se usados de forma indiscriminada.

      Em caso de dúvida, consulte sempre o pediatra.

      Abraços
      Equipes Hospital Infantil Sabará

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Simone,

      Primeiramente parabéns. Você está corretíssima na maneira de limpar os ouvidos de seu filho. Com relação às otites, a imensa maioria das pessoas pode frequentar praias e piscinas sem risco de terem otites externas frequentes. Portanto, o uso de protetores auriculares ou substâncias secativas (álccol absoluto, vinagre, etc) apenas está indicado para aqueles que realmente apresentem o problema, e não como prevenção geral, já que como você corretamente apontou, eles podem provocar algum dano ou até mesmo infecções se usados de forma indiscriminada.

      Em caso de dúvida, consulte sempre o pediatra.
      Abraços,
      Equipe Hospital Infantil Sabará

  • Simone Menzani disse:

    Estou muito agradecida e satisfeita com a resposta da equipe do hospital Sabará.

  • silvia disse:

    Vou viajar e a minha preocupaçao e no meu beber sentir dor de ouvido.O que eu posso fazer alem de dar mamadeira pra ele?

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Silvia. Durante os meses de clima mais quente é comum a exposição das crianças a ambientes úmidos. Um cuidado pertinente é o uso de uma toalha de pano para secar o ouvido dos pequenos, por exemplo, logo depois da piscina. Abraços! 🙂

  • Iara Evangelista disse:

    Olá, Equipe Sabará!
    gostaria de um auxílio de vcs, pois tenho filhas gêmeas e as duas estão com otite de repetição. Estou num momento quase crítico, pois nenhum antibiótico está eliminando a bactéria. Para terem noção…No prazo de 30 dias elas tiveram crise de otite 3 vezes. Assim que termina o antibiótico, após 3 dias a otite sempre volta e com muita secreção.
    Já fiz o exame de cultura e antibiograma da secreção e agora estamos optando para a análise da adenóide. Fizeram um exame para saber se existia alergia ao leite, e acusou um baixo nível, vale a pena fazer a dieta do leite? Enfim, não sei mais o que fazer. Por favor, qualquer opinião é válida para estudarmos esse caso.
    No aguardo de sua resposta.
    Obrigada,
    Iara Evangelista

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Iara! Não temos como diagnosticar sem conhecer o quadro clinico do seu filho. Recomendamos que visite um médico e tire todas as suas dúvidas com esse especialista. Abraços.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade