PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Por que brincar?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Por que brincar?

Por que brincar?

20/06/2011
  794   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Sabemos que brincar é uma atividade prazerosa, que enriquece o convívio familiar e, sobretudo, ajuda a criança a fazer descobertas e ampliar sua criatividade. Atualmente entendemos que por meio de jogos e brincadeiras, além de deixarmos as crianças mais felizes e ajustadas, podemos, também, favorecer sua prontidão para o aprendizado escolar e interessá-la por práticas esportivas e atividades físicas em geral. Sabemos ainda que, por meio de brincadeiras, ajudamos a criança a fortalecer sua autoestima, comportamentos saudáveis e adaptativos, o que amplia suas habilidades sociais e a capacidade de enfrentamento de eventuais desafios ou adversidades.

BRINCAR X APRENDER? OU BRINCAR PARA APRENDER!!!

Em um passado recente, o brincar chegou a ser considerado perda de tempo, uma vez que não produzia “resultados” e não preparava para o “desempenho”. As crianças eram olhadas como seres que precisavam ser “conduzidos para o futuro” e precisavam se tornar “profissionais eficientes e competitivos”!!! Então, surgiram muitas “teorias” que pretendiam transformar bebês em gênios, por meio de estimulação precoce, para serem mais inteligentes, bem-sucedidos etc.

Quando a neurociência passou a aprofundar-se no estudo do comportamento humano, começamos a descobrir que nem sempre a aquisição de informação leva à competência e ao sucesso. Muitos fatores interferem positiva ou negativamente no desempenho dos seres humanos. Também o conceito de inteligência foi revisto. Modernamente sabemos que há vários tipos de inteligências ou competências: emocional, musical, linguística, espacial, interpessoal, intrapessoal, lógico-matemática etc.

Assim, se quisermos “dar um empurrãozinho” no desenvolvimento global de nossos filhos, não teremos a fórmula da inteligência, mas usaremos os novos conhecimentos para facilitar e ampliar a expansão de potenciais e habilidades dos pequenos. Pelo brincar, e apenas pelo brincar, a criança pode explorar, descobrir, generalizar e assim continuar a aprender. Dizemos que brincar permite a aquisição da principal ferramenta para viabilizar o aprendizado consistente e o desenvolvimento global: aprender a aprender…

Criatividade, capacidade de solucionar problemas e bom humor são características importantes em qualquer momento e contexto, e podemos dizer que oferecer oportunidade de desenvolvimento emocional e cultural otimizará o uso do cérebro.

O PODER DO AFETO: CARINHO, MUITO CARINHO!!!

Brincadeiras e estímulos são como “alimentos para o cérebro”. Porém, não existem estímulos capazes de colocar, sozinhos, as informações na cabeça da criança… É preciso abrir o “canal” de entrada da informação com contato, interação, sensibilidade… Brincadeiras e trocas emocionais entre as crianças e os pais e pessoas responsáveis pelos cuidados ajudam a desenvolver muito mais o cérebro do que qualquer programa pedagógico!!!

Sabemos que afeto e prazer permitem que o cérebro em construção registre as informações e faça as sinapses, ou seja, assimilem e integrem os estímulos e os transforme em capacidades funcionais. Assim, o aprendizado vai sendo construído e fixado na memória.

Pensamento e raciocínio envolvem emoção. Os comportamentos não existem sem motivação, gratificação e reforço. Como já dissemos, o cérebro não possui nenhum módulo de aprendizado automático de leitura, escrita ou raciocínio lógico-matemático; esse espaço depende de aquisições prévias que se iniciam nos primeiros dias de vida.

Pais disponíveis, brinquedos coloridos, sons agradáveis convidam à ação e, assim, nosso bebê descobrirá que sua mãozinha é capaz de mexer o chocalho, seu pezinho é capaz de chutar e que seus movimentos são acompanhados com atenção e carinho. Reforçado por nosso afeto, repetirá as tentativas de alcançar, pegar, movimentar. Por incrível que pareça, despretensiosa e alegremente estamos preparando sua coordenação para leitura, escrita e seu tão desejado sucesso.

BRINCAR não se ensina e não se aprende: PRATICA-SE!!!

ENTÃO, VAMOS BRINCAR?!

DE 0 A 3 MESES

O RECÉM-NASCIDO

Assim como qualquer filhote, o recém-nascido precisa de abrigo. Um lugar aconchegante, limpinho, gostoso e preparado com amor. Precisa também dos pais, ou um adulto de referência e presença constante, que fale com ele em tom suave e o embale cantando músicas de ninar. As principais características dessa fase são:

Ele ainda não sustenta a cabeça;
Seus movimentos são ações reflexas;
Olha para um brinquedo suspenso na direção (direta) dos seus olhos;
Fixa por algum tempo um objeto e o acompanha com o olhar  até uma curta distância;
Direciona seu olhar para um foco de luz intensa;
Move os olhos, inspecionando o ambiente, as pessoas, os objetos coloridos e sonoros;
Olha a própria mão;
Repara nos sons produzidos pela voz humana, músicas suaves e brinquedos sonoros;
Quando percebe que uma ação não intencional produz um resultado interessante, ele tenta reproduzi-la.

DICAS:

Varie o campo visual da criança no berço, mudando a sua posição. Isto irá possibilitar à criança novas percepções.

Ofereça brinquedos luminosos a uma distância de 20 centímetros aproximadamente.

Caminhe com ele no colo e mostre-lhe diferentes objetos, pessoas e paisagens, sempre nomeando e estimulando seu interesse.

Balance-o, carregue-o em posições variadas e deixe-o no berço em posições confortáveis que permita a ele ir descobrindo o próprio corpo e o ambiente.

Toque- o e massageie-o; aproveite as trocas e o banho para brincar e fornecer boas experiências. Cante, faça sons engraçados e divirtam-se.

Texto elaborado por Germana Savoy, coordenadora do programa lúdico do Hospital Infantil Sabará.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Rosa Goldgrub disse:

    Muito pertinênte o texto: Por que brincar?
    Sou professora universitária e pesquisadora da cultura da infância,e estarei indicando o texto para as alunas-pesquisadoras com quem trabalho ,e que já tiveram o prazer de conhecer o pensamento da coordenadora do programa lúdico do Hospital Sabará Germana Savoy,quando participamos das palestras proferidas pela profissional na escola de pais.

    • silvana rosa disse:

      é gratificante saber que existem pessoas que levam a serio o que fazem e ainda contribui para que outras pessoas também possam conhecer o sentido da vida parabéns que Deus abençoe.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade