PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Prevenção é o melhor remédio também nos esportes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Prevenção é o melhor remédio também nos esportes

Prevenção é o melhor remédio também nos esportes

28/07/2012
  341   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Aproveite os Jogos Olímpicos e aprenda um pouco mais sobre como evitar lesões esportivas

As Olimpíadas chegaram, e nós do Blog Saúde Infantil, resolvemos publicar uma série de textos sobre esportes.

Nenhum esporte é 100% seguro. Mas há muito que os pais, jogadores e treinadores podem fazer para minimizar o risco de lesões em jovens atletas.

A frequência e o tipo de lesão irão variar de acordo com a natureza do esporte. Entre as atividades de contato, há risco de colisão, por exemplo, no basquete, e no futebol, que estão associados a uma maior probabilidade de lesões agudas como entorses, distensões, contusões, fraturas e luxações.

Os esportes de resistência podem ter menores taxas de lesão, porém a chance de prejuízos por sobrecarga é maior, tais como fraturas, tendinite e estresse ósseo.

A seguir estão algumas sugestões para minimizar lesões:

1. Certifique-se de que o jovem está competindo contra jogadores de tamanho e desenvolvimento comparáveis. Os jovens atletas podem ter a mesma idade, mas diferentes pesos, alturas e físicos. Isso pode colocar a criança menos desenvolvida em desvantagem competitiva e por em risco a segurança dela, especialmente quando os jogadores de força e tamanho variados estão competindo em contato ou esportes de colisão;

2. Incentivar jovens atletas para treinar o esporte. Condicionamento físico adequado pode ser o caminho para manter um jogador fora da lista de contundidos. Peça ao treinador do seu filho um regime de exercícios adequado;

3. Não usar excessivamente braços e pernas. Nos últimos anos, uma epidemia de dores em membros tem feito os pediatras a restringirem o tempo de treinamento de crianças para no máximo 6 horas por semana e com períodos de descanso durante os treinos;

4. Os corredores podem prevenir lesões por atividade excessiva, executando-a em terreno macio e plano, e alternando dias de corrida extenuante com treinos menos exigentes. Esses atletas devem aumentar gradualmente o treinamento até atingirem a meta deles. Tem sido sugerido que o aumento de mais de 20% por semana, seja evitado;

5. Alongamento e aquecimento antes da prática esportiva podem ajudar a melhorar o desempenho e diminuir lesões. Para ganhar flexibilidade, eles também podem ser úteis pós-atividade. Antes ou depois do treino, os músculos devem estar aquecidos;

6. Deve-se beber água a cada 20 minutos para evitar a desidratação. A substituição inadequada de líquidos pode diminuir força muscular, resistência e aumentar o risco de lesões relacionadas ao calor. A água normal é geralmente suficiente para repor as perdas de fluido, mas os atletas podem estar inclinados a beber mais, se o fluido é aromatizado e contém glicose e eletrólitos;

7. Use o equipamento certo de maneira correta. Adolescentes frequentemente usam equipamento que não têm tamanho adequado para eles. Isso é válido para calçados (tênis) e roupas que devem ser adequadas ao esporte praticado, que sejam leves e facilitem a evaporação do suor;

8. Ao praticar ou jogar em clima quente, devem ser tomadas medidas para evitar o calor que induzem doenças, como cãibras, exaustão e insolação. Práticas esportivas e jogos podem ser realizados no período da manhã ou final da tarde, quando o calor é menos agressivo;

9. Em cidades poluídas como São Paulo, a atividade física deve ser evitada nos dias que a umidade do ar está baixa (abaixo de 50%).

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Caring for Your Teenager (Copyright © 2003 American Academy of Pediatrics)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade