PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Prevenção de lesões por treino excessivo em jovens atletas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Prevenção de lesões por treino excessivo em jovens atletas

Prevenção de lesões por treino excessivo em jovens atletas

12/03/2024
  470   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Num mundo cada vez mais competitivo e onde o esporte pode ser um caminho para o sucesso, pais devem ter cuidado para não expor seus filhos ao excesso da atividade física. Estima-se que muitos milhões de crianças no mundo todo praticam futebol, atletismo, basquetebol, natação, futebol americano, tênis, ginástica e outras atividades saudáveis. Na maior parte, essas escolhas são ótimas para o desenvolvimento social e físico. Porém, quando as crianças treinam muito, elas podem se machucar, e o treino em excesso também pode prejudicá-las nos esportes.

O uso excessivo significa que o corpo de uma criança não consegue acompanhar as demandas que uma determinada atividade impõe a ela. Por exemplo: se um jovem jogador de vôlei pratica horas a fio todos os dias, pode não haver tempo suficiente para que ossos, músculos e outros tecidos se recuperem da tensão. O treinamento excessivo pode fazer com que os jovens atletas se sintam exaustos, física e mentalmente.

Estima-se que 50% de todas as lesões esportivas em crianças resultam de uso excessivo. É por isso que a Academia Americana de Pediatria (AAP) examina como e por que essas lesões acontecem. Com base nas evidências mais recentes, recomendamos medidas que possam proteger os jovens atletas contra lesões por uso excessivo e por treino em excesso que podem impedi-los de praticar os esportes que gostam.

O que é uma lesão por uso excessivo?

Jovens atletas tendem a fazer os mesmos movimentos repetidamente durante treinos, jogos e competições. Eles também podem se envolver em treinamentos focados que colocam ainda mais pressão em seus corpos. O resultado, geralmente, são distensões, entorses, fadiga, dor e, às vezes, lesões que mudam vidas.

O efeito do uso excessivo em crianças em crescimento

Todos os corpos precisam de tempo para se curar após um treino intenso. Mas os corpos jovens e em crescimento são ainda mais vulneráveis ​​ao estresse que os treinos intensos exercem sobre os ossos, músculos, tendões, ligamentos e outros tecidos. Treinamentos rigorosos podem levar os jovens atletas a ultrapassar limites razoáveis, abrindo a porta para lesões que podem exigir cirurgia (e até encerrar carreiras atléticas).

Como exatamente acontecem as lesões por uso excessivo no esporte?

Lesões por uso excessivo são diferentes das lesões esportivas agudas que envolvem queda repentina ou colisão. Eles se desenvolvem com o tempo quando a carga de treinamento de uma criança está desequilibrada (carga de treinamento significa a duração total, intensidade e tipo de atividade que o corpo de um jovem atleta deve suportar).

Jovens atletas que praticam esportes com muita corrida ou saltos, por exemplo, podem sentir dor no joelho devido ao estresse excessivo na área onde o tendão da rótula se conecta à tíbia. Isto é conhecido como doença de Osgood-Schlatter. Também há os casos de ginastas que fazem muitos movimentos que envolvem dobrar o pulso, levando a uma lesão no local onde o osso do pulso cresce, chamada de ” pulso da ginasta “.

Estágios de lesões por uso excessivo

Estas lesões nem sempre apresentam sinais óbvios, como inchaço ou hematomas, por isso os atletas e suas famílias podem não perceber que necessitam de cuidados médicos. Geralmente, as lesões por uso excessivo surgem gradualmente, seguindo estágios como:

  • Estágio 1: dor em uma área específica do corpo após jogos ou treinos.
  • Estágio 2: dor ao tocar ou praticar, mas que não prejudica o desempenho.
  • Estágio 3: dor mais intensa que afasta as crianças do esporte.
  • Estágio 4: dor crônica que acontece mesmo quando as crianças não estão se mexendo.

Algumas crianças correm maior risco de lesões por uso excessivo?

Jovens atletas que trabalham especialmente duro em esportes, dança e outras atividades físicas podem sofrer lesões por uso excessivo. As crianças podem facilmente chegar ao ponto em que o exercício saudável se torna prejudicial.

As crianças podem ser ainda mais vulneráveis ​​a lesões esportivas por uso excessivo se:

  • Elas se especializam em um esporte ou atividade que enfatiza repetidamente áreas específicas do corpo.
  • Elas não ingerem calorias e nutrientes suficientes para ajudar o corpo a se recuperar.
  • Elas não aprendem técnicas e movimentos saudáveis ​​durante o treinamento ou prática.
  • Elas não se aquecem gradualmente e não se alongam adequadamente após o treino.
  • Seu índice de massa corporal (IMC) é relativamente alto, colocando estresse extra nos músculos e articulações.
  • Elas não dormem o suficiente para recarregar seus corpos.
  • Elas tendem a ser duras consigo mesmas se não tiverem um bom desempenho.
  • Elas temem o que acontecerá se desacelerarem e se preocupam em serem expulsas da equipe.

Como os jovens atletas podem permanecer saudáveis ​​e livres de lesões?

A prevenção de lesões por uso excessivo depende da nossa vontade comum em ajudar crianças a equilibrar atividade com descanso e alimentação saudável. Como adultos, precisamos permitir (ou mesmo exigir) que os jovens atletas cuidem bem de si mesmos. Aqui estão algumas dicas específicas para a participação esportiva segura e saudável que seus filhos devem ter em mente – e toda a família.

  • Comece com um exame físico esportivo. Leve seu filho(a) ao médico para um exame físico de preparação (EPI) pelo menos seis semanas antes do início da temporada ou da aula. Isso ajuda o pediatra a ter certeza de que ele(a) está pronto(a) para o esporte ou atividade que escolheu.
  • Incentive as crianças a variar suas atividades. Haverá muito tempo para se especializar em um esporte mais tarde, mas as crianças mais novas podem evitar lesões tentando diferentes atividades que trabalhem diferentes grupos musculares e partes do corpo.
  • Conheça os requisitos de treinamento dos seus filhos. Treinadores e instrutores podem explicar o que é esperado quando seu filho(a) se inscreve. Esses adultos podem ser os melhores aliados para garantir que seu filho(a) observe os limites de treinamento adequados.

Uma recomendação é que os jovens atletas não adicionem mais de 10% a 20% às suas cargas de treinamento semanais de cada vez. Portanto, se a sua nova estrela do basquete pratica uma hora diariamente, o tempo de treinamento da semana seguinte não deve aumentar mais do que 12 minutos. Aumentos graduais à medida que a temporada avança podem reduzir as chances de lesões por uso excessivo.

  • Crie intervalos. As crianças não devem ser obrigadas a brincar ou treinar mais de cinco a seis dias por semana. Elas também devem ter, pelo menos, de dois a três meses de folga de qualquer esporte durante o ano. Essas pausas podem ser divididas em intervalos de um mês, quando podem se concentrar em outras atividades ou brincadeiras livres. Peça treinamento ou apoio da equipe quando estiver preocupado(a) com o desequilíbrio.
  • Apontar para uma equipe de cada vez. Incentive seu atleta a participar de apenas uma equipe durante a temporada. Se jogarem em mais de um time, não deverão ter jogos ou treinos no mesmo dia. Certifique-se também de que seu filho(a) tome precauções extras caso participe de torneios multijogos em curtos períodos.
  • Aprenda com a experiência. Se seu filho(a) já teve dores ou lesões no passado, certifique-se de que os treinadores ou instrutores levem isso em consideração. Converse com seu filho(a) sobre a ideia equivocada de que “brincar com a dor” é seguro. Algum nível de desconforto faz parte do atletismo, mas ignorar consistentemente os sinais do corpo pode causar lesões graves.
  • Concentre-se no sono saudável. As crianças precisam de bastante descanso todas as noites para se recuperarem das atividades atléticas, portanto, organize sua agenda familiar com rotinas calmantes e horários de dormir saudáveis. Se você não tem certeza de quanto sono seu filho(a) precisa, aqui está MyPlate.gov. Fique atento(a) a sinais de distúrbios alimentares, que muitas vezes podem afetar estudantes atletas, ginastas, dançarinos e outras crianças cujas atividades exigem um determinado peso ou aparência corporal.
  • Dê um exemplo saudável. Se você tende a treinar duro e buscar a perfeição em todas as coisas, seu filho(a) pode se sentir pressionado(a) a fazer o mesmo. Mas se eles virem você praticando moderação e perdão a si mesmo, especialmente quando estiver cansado(a) ou ferido(a), aprenderão a respeitar seus próprios limites.

Os adolescentes podem resistir a qualquer orientação que você ofereça, pois estão focados em construir independência e tomar suas próprias decisões. Aqui estão algumas sugestões abertas que seu filho(a) pode usar para criar uma rotina de autocuidado.

Fonte:

Conselho de Medicina Esportiva e Fitness da Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2024)

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/por-que-aprender-a-nadar-deve-ser-o-primeiro-esporte-para-criancas/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/cuidados-com-as-maos-e-articulacoes-ao-fazer-esportes/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/esporte-na-infancia/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/esportes-radicais-e-seus-riscos/

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.