PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Síndrome do Pânico
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Síndrome do Pânico

Síndrome do Pânico

16/04/2012
  1531   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A doença que tem o medo excessivo como um dos sintomas, também ocorre em crianças e jovens

Que mundo louco o que vivemos atualmente! Outro dia foi ao meu consultório uma criança de 14 anos com Síndrome do Pânico, mal conseguia sair do quarto. Infelizmente, situações como essas estão se tornando mais frequentes nos consultórios pediátricos.

A Síndrome do Pânico é uma condição caracterizada por episódios recorrentes de medo que paralisa e uma ansiedade muito grande, conhecidos como ataques de pânico.

O Transtorno do Pânico afeta de 3 a 6 milhões de jovens americanos (não temos dados referentes ao Brasil), geralmente entre os 15 e 19 anos.

Ataques de pânico podem ser precipitados por eventos específicos, mas também podem acontecer sem aviso prévio, mesmo durante o sono.

A crise dura cerca de 10 a 55 minutos e pode ser muito assustadora para as crianças. Elas ficam com medo de que estejam loucas ou pensam que estão tendo um ataque cardíaco.

Muitos jovens podem nunca ter outro ataque de pânico, no entanto, os que sofrem com a doença geralmente desenvolvem profundas ansiedades sobre quando e onde o próximo irá ocorrer.

Esses jovens evitam lugares e situações. O mundo para eles, muitas vezes, torna-se progressivamente menor. Por exemplo, se tiveram um ataque de pânico, enquanto dirigiam, podem desenvolver uma fobia quando estiverem dentro de um carro.

Se o pequeno tiver pelo menos quatro dos seguintes sintomas, ele poderá estar sofrendo de Transtorno de Pânico:

– Palpitações;
– Sudorese;
– Tremores e ansiedade;
– Falta de ar;
– Sensação de asfixia;
– Dor ou desconforto no peito;
– Náusea ou desconforto abdominal;
– Vertigens, tonturas;
– Sentimento distanciado de si mesmo (despersonalização);
– Sensação irreal (desrealização);
– Medo de perder o controle ou enlouquecer;
– Medo de morrer;
– Sensação de dormência ou formigamento;
– Calafrios ou ondas de calor;
– Se preocupar com ataques de pânico futuros.

Se sua criança ou algum conhecido tiver Síndrome do Pânico, procure entender isso como uma doença e não crise de manha, de frescura. A compreensão por parte da família e o apoio a esses pequenos são fundamentais para a melhora do quadro.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Caring for Your Teenager (Copyright © 2003 American Academy of Pediatrics)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Maria Dalva Marins disse:

    Por favor, quero uma orientação, pois, acho que meu neto de 8 anos está sofrendo de síndrome do pânico. Não quer ir para escola, passa mal, vomita, tem dor abdominal e sudorese. Nós forçamos e dizemos que ele tem que ser forte e ir, porém nós estamos indo e ficando na sala de aula com ele. gostaria de saber se está correto isto. Ele está fazendo psicoterapia e está de consulta marcada com um psiquiatra.
    Desde o dia que tivemos que contá-lo que o pai que ele não vê a três anos está preso ele não conseguiu mais ficar sozinho na escola.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade