11 2155-9358
Institucional Blog Pesquisas CEP FJLES Cursos
Data inicial
Estágio Hospitais Boletins Releases Parcerias
Ícone Data Final
Busca rápida
Busca avançada
Institucional Voluntariado Parcerias Releases Boletins
Data inicial
Núcleos Cursos Estágios Hospitais Blog
Ícone Data final
Busca rápida
Busca avançada
dr_setubal_SUCOS_E_AS_RECOMENDAÇÕES_DAS_SOCIEDADES_DE_PEDIATRIA_05_07_2017

Frutas são parte da alimentação desde os primórdios do ser humano na terra. Colhidos no pé ou do chão, são alimentos que fazem parte do processo do prazer- fornecendo o sabor adocicado, muito antes do açúcar. A frutose, açúcar natural das frutas, assim como outros carboidratos presentes na composição dos diferentes frutos, modificam o sabor de outros alimentos da história do homem, como parte de pães, biscoitos, bolos e doces.

Seria fácil dizer que por causa de uma fruta o ser humano perdeu o paraíso. Talvez a maçã não seja a mais doce das frutas, mas o simbolismo existe.

As frutas só passaram a ser consumidas de forma rotineira, com o plantio organizado em pomares. Isto permite que o fruto seja produzido, armazenado e distribuído para grandes grupos não produtores. No entanto, há poucas referencias sobre a forma com que consumíamos frutas inicialmente. A papa é uma forma comum de uso para todos os alimentos, inclusive em adultos, que somente nos últimos séculos utilizam talheres e o consumo de alimentos sólidos ou consistentes.  Modificar frutas para uso em condições de clima adverso, determinou o uso de compotas, geleias e cremes. Quase sempre conservados no açúcar, em potes fechados. A modificação para a forma líquida, com o uso de caldos ou sucos, com água ou pura fruta, é bastante relacionada ao consumo de produtos para hidratação em presença de doenças ou para crianças.

Com a urbanização e a difusão de maiores conhecimentos sobre a necessidade de uso de produtos frescos para manutenção da saúde, as frutas, especialmente as cítricas, ganham importância, a  partir das pesquisas da marinha inglesa, que mostravam que estas protegiam os marinheiros do escorbuto (descoberta posterior que era causada pela deficiência de vitamina C).

Sabe-se que os sucos naturais são fontes de vitaminas provenientes das frutas, principalmente de vitamina C, um potente antioxidante que regula o sistema imunológico (defesas) e ajuda na absorção do ferro presente nos alimentos. Entretanto, ao contrário da fruta inteira, o suco apresenta maior quantidade de água e carboidratos, que são açúcares naturais do suco como: frutose, glicose, sacarose, sorbitol. Fazer com que as crianças comam frutas em pedaços muitas vezes não é tarefa fácil; os sucos de fruta, saborosos e adocicados, entram no lugar da fruta com muita frequência e maior aceitação pelas crianças.

Nos últimos anos houve aumento da ingestão de suco pelas crianças e paralelamente também aumento de peso; muitos autores começam a relacionar o excesso de peso de crianças ao consumo de bebidas adoçadas, entre elas o suco de frutas artificial.  Este cenário  levou os especialistas a publicarem orientações e recomendações para o consumo de bebidas,  classificando os sucos 100% de frutas no mesmo grupo de outras bebidas açucaradas como refrigerante e sucos artificiais ou processados.

Recentemente, a Sociedade Americana de Pediatria publicou um anúncio oficial com a recomendação de não oferecer suco de frutas para crianças menores de 1 ano de idade, afirmando que os estudos não mostram benefícios nutricionais em oferecer sucos aos bebês. Antes de discutir as recomendações é importante entender que:

É consenso que os sucos adoçados devem ser evitados, independentemente da faixa etária. Quanto aos sucos 100% de frutas, a principal desvantagem em relação às frutas inteiras está na facilidade de consumo que favorece a oferta em volumes excessivos, a qual, por sua vez, acaba prejudicando a variedade da dieta, favorece o surgimento de problemas de saúde, como o excesso de peso, obesidade e cáries dentárias.

As crianças devem ser estimuladas a comer a fruta inteira, já que para os bebês especialmente, o suco não estimula a mastigação e pode até atrapalhar a aceitação de alimentos sólidos, pois pecam na experiência com cores, texturas e paladar. Além disso, dependendo do preparo o suco perde as fibras naturais da fruta e seus benefícios, como a regulação do trânsito intestinal, saciedade e a diminuição da absorção de açúcares e gorduras.

Segue abaixo uma coletânea das recomendações de diretrizes nacionais e internacionais quanto a oferta de suco de frutas:

Sociedade Brasileira de Pediatria – Brasil

• Até 6 meses: não recomenda sucos naturais.

• Após 6 meses: devem ser evitados, mas se forem oferecidos que sejam dados no copo, de preferência após as refeições principais em dose máxima de 100 ml/dia.

• Crianças de 1 a 6 anos: máximo 150 ml/dia

• Crianças e adolescentes de 7 a 20 anos: máximo 240 ml/dia

 

Academia Americana de Pediatria – EUA

• Até 6 meses: não recomenda suco

• Até 1 ano: evitar a ingestão de suco

• Crianças: 1 a 3 anos até 120 ml/dia

·   Crianças de 4 a 6 anos: até 175 ml/dia

·   Crianças e adolescentes de 7 a 18 anos: máximo 250 ml/dia

 

National Health Service (NHS) – Reino Unido

• Até 6 meses: não recomenda sucos naturais.

• Após 6 meses: sucos de frutas diluídos (1 parte de suco para 10 partes de água) podem ser oferecidos com as refeições, sucos 100% de fruta apenas após as refeições em pequenas quantidades.

• A partir dos 5 anos: máximo 150 ml/dia.

Health Canada – Canadá 

National Health and Medical Research Council – Austrália

• Até 1 ano: não recomendam sucos naturais.

• Depois de 1 ano: dar suco de forma limitada e não oferecer bebidas adoçadas.

 

Na prática :                                                                                                                             

– para fazer 100 a 120 ml de suco natural são necessárias pelo menos duas laranjas.  E é muito pouco provável que um bebê coma essas mesmas duas laranjas inteiras de uma só vez, não é mesmo?

Na fruta inteira há menos calorias e muito mais fibras! em porção menor!

Então, a recomendação geral é que os sucos sejam oferecidos após os seis meses de idade de forma limitada, dando sempre preferência às frutas inteiras. As quantidades adequadas e os benefícios do suco para casos específicos devem ser discutidos com o pediatra e nutricionista. Nos intervalos das refeições, o ideal é oferecer água à vontade para que a criança não sinta necessidade de ingerir líquidos na hora de comer.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Fruit Juice in Infants, Children, and Adolescents: Current Recommendations

Melvin B. Heyman, Steven A. Abrams, SECTION ON GASTROENTEROLOGY, HEPATOLOGY,AND NUTRITION, COMMITTEE ON NUTRITION. Pediatrics Jun 2017, 139 (6) e20170967; DOI: 10.1542/peds.2017-0967.

HEALTH CANADA. Infant Nutrition. Disponível em: <https://www.canada.ca/en/health-canada/services/infant-care/infant-nutrition.html> Acesso em: 05 de abril de 2017.

NATIONAL HEALTH AND MEDICAL RESEARCH COUNCIL. Infant Feeding Guidelines. Canberra: National Health and Medical Research Council, 2012.

NATIONAL HEALTH SERVICE. Drinks and cups for babies and toddlers. United Kingdom. Disponível em: <http://www.nhs.uk/conditions/pregnancy-and-baby/pages/drinks-and-cups-children.aspx#close> Acesso em: 05 de abril de 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola/Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia, 3ª. ed. Rio de Janeiro, 2012. 148 p.

Centro de Dificuldades  Alimentares do Instituto PENSI –  Sabará Hospital Infantil

Priscila Maximino

Nutricionista pesquisadora do Centro de Dificuldades Alimentares do Instituto PENSI – Sabará Hospital Infantil. Mestrado e especialização pela Unifesp e pós-graduação em pesquisa clínica. Formação internacional em nutrição em pediatria e dificuldades alimentares. Nutricionista da Nutrociência, docente da pós-graduação do Hospital Israelita Albert Einstein.

Link para Lattes: http://lattes.cnpq.br/7206621535868937

Leticia Ribeiro

Nutricionista do Centro de Dificuldades Alimentares do Instituto PENSI – Hospital Infantil Sabará. Graduada em Nutrição e Metabolismo pela FMRP-USP ;aprimoramento em Nutrição em Saúde Pública pela FSP-USP , e especialização em Nutrição Clínica em Pediatria pelo HCFMUSP.

Mauro Fisberg

Pediatra, Coordenador do Centro de Nutrologia e Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi- Hospital Infantil Sabará. Professor Associado Doutor do Setor de Medicina do Adolescente do departamento de Pediatria da Escola Paulista de Medicina- UNIFESP.  Coordenador da Força Tarefa Estilos de Vida Saudável ILSI Brasil. Diretor da Nutrociencia Assessoria em Nutrologia.

Avatar
Instituto Pensi
O Instituto Pensi é o braço de ensino, pesquisa e projetos sociais da Fundação José Luiz Egydio Setúbal enquanto o Hospital Infantil Sabará é seu braço de assistência médica.

Postagens Relacionadas