PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade

Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade

12/07/2017
  946   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um transtorno do desenvolvimento que afeta o comportamento, a atenção e a aprendizagem das crianças. É um dos problemas das crianças da modernidade e fruto de muitos estudos. Se não for reconhecido precocemente, essas crianças podem enfrentar críticas excessivas, fracasso e desapontamento, enquanto seus pais lutam com o que fazer para colocar limites e melhorar seu desempenho na escola.

Os jovens que se distraem facilmente e têm problemas para se concentrar, podem ser impulsivos e parecem agir sem pensar, tocando objetos que estão fora de limites ou correndo para a rua para perseguir uma bola sem consideração aparente por sua própria segurança ou sem imaginar os perigos. Eles podem não lidar bem com a frustração e podem ter mudanças de humor dramáticas. Na escola, podem ficar agitados e cheios de energia, achando difícil ficar quieto, mudando de lugar constantemente, como se não pudesse controlar esse movimento perpétuo. Muitas vezes têm dificuldade com sequencias e habilidades organizacionais. Outros que não podem se concentrar podem sentar-se calmamente, sonhar acordado e parecer “no mundo da Lua”. Por seu comportamento, eles podem ser rejeitados por outras crianças e professores não gostam destes alunos com frequência.

Ao longo dos anos, uma variedade de rótulos – disfunção cerebral mínima, transtorno hipercinético / impulsivo, hipercinética, hiperatividade e transtorno de déficit de atenção com ou sem hiperatividade – foram usados ​​para descrever crianças com alguns ou todos esses problemas comportamentais. Agora, a maioria dos especialistas está usando o termo transtorno de déficit de atenção e hiperatividade como um diagnóstico para crianças cujo comportamento tende a ser caracteristicamente impulsivo, desatento ou uma combinação de ambos. Uma vez que todas as crianças têm esses traços, o diagnóstico geralmente requer que os sintomas estejam presentes por pelo menos seis meses até os sete anos, sejam evidentes em várias situações e sejam mais intensos do que normalmente visto em outras crianças da mesma idade e gênero.

Mais de 6% das crianças em idade escolar têm TDAH. Os meninos superam as meninas. Os pesquisadores estão examinando múltiplas causas do transtorno, incluindo hereditariedade, química cerebral e fatores sociais. Alguns pesquisadores acreditam que as crianças com TDAH têm níveis anormalmente baixos e desequilíbrios de certos neurotransmissores, os produtos químicos que transmitem mensagens entre células cerebrais. Estudos recentes sugerem que várias partes do cérebro podem estar funcionando de forma diferente da maioria das crianças.

Muitas crianças com TDAH também têm dificuldades de leitura e outros específicos problemas de aprendizagem, que interferem mais com seu sucesso na escola. É sempre bom lembrar que a maioria das crianças que têm problemas de aprendizagem específicos não tem TDAH. Crianças com dificuldades com linguagem e memória têm problemas com o trabalho escolar, que se agravam quando as características do TDAH, como distração e impulsividade estão presentes. Uma criança com TDAH pode afetar sua família de várias maneiras. As rotinas familiares normais podem ser difíceis de manter porque o comportamento da criança foi tão desorganizado e imprevisível, muitas vezes por vários anos. Os pais podem não ser capazes de planejar de forma confortável saídas ou outros eventos familiares, sem saber o que o comportamento ou o nível de atividade de seus filhos provavelmente serão. Crianças com TDAH frequentemente se tornam ”

O desempenho escolar também sofre, e os professores se queixam aos pais, que também devem lutar com as dificuldades de seus filhos com os pares – conflitos, comportamentos inadequados e poucos amigos. A condição pode causar enorme estresse para as famílias, que muitas vezes buscam médicos e outros capazes de fornecer os cuidados que precisam.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Fonte Cuidar da sua criança de idade escolar: de 5 a 12 anos (Copyright © 2004 Academia Americana de Pediatria)

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade