PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Um diário para Mélanie
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Um diário para Mélanie

Um diário para Mélanie

15/01/2016
  1268   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

 

Mélanie foi uma menina que morou no Hospital Infantil Sabará por quase 16 anos e faleceu no início de janeiro. “Crianças moradoras “ em hospitais são um fato recorrente e triste. Todos têm pelo menos uma história comovente para contar. Infelizmente, no Sabará, por se tratar de um hospital de referência em pediatria, temos muitas destas histórias.

Mélanie era uma menina que possuía uma encefalopatia crônica devido às sequelas de uma prematuridade e problemas no nascimento. Quando internou no Hospital tinha poucos meses e a família nos procurou por causa de uma hemorragia gástrica.

Nestes 16 anos precisou continuar internada pelos cuidados que recebia para manutenção de sua vida, o que a impedia de ir para casa. Quando cheguei no Sabará em 2005, haviam cerca de seis pacientes com estas características, mas com esforço das famílias, das operadoras de saúde e dos médicos, conseguimos enviar para tratamento em casa alguns deles, outros faleceram no decorrer destes 10 anos. Agora com a ida da Mélanie não resta nenhum “morador “ com tanto tempo de internação.

No dia seguinte à sua morte, fiquei sabendo que o grupo de humanização do Hospital Infantil Sabará, havia resolvido fazer um diário para a Mélanie. A história havia iniciado há alguns anos, quando mudamos para o prédio da Av. Angélica e o novo quarto no qual a Mélanie foi internada tinha uma TV. As enfermeiras notaram que aparentemente ela gostava de ouvir alguns programas ou músicas. Para o descrédito de muitos profissionais que pensavam que uma criança com nível de consciência tão baixo, isto parecia mais um desejo das pessoas do que um fato real. Seja como for, a equipe da humanização passou a colocar a Mélanie entre as crianças que deveriam receber visitas dos contadores de história, dos músicos, etc….

O passo seguinte foi a idealização de um diário que ficava ao lado do leito e que todos que passavam por ela e faziam alguma atividade, relatavam o que fizeram e sua percepção das reações da Mélanie.

Este diário foi entregue para sua mãe (uma pessoa muito humilde e simples que raramente pode visitá-la) no dia que veio buscá-la para a cerimonia funerária. Parece que ficou muito emocionada e agradecida por todo o carinho e compaixão que aquelas pessoas desconhecidas tiveram pela sua filha.

Conto esta história pois como líder da Instituição, busco mostrar a importância da humanização no tratamento das crianças no Hospital Infantil Sabará. Para mim, quando vejo atitudes como esta que surgem espontaneamente fico ao mesmo tempo orgulhoso e feliz pois a humanização, para nós, deixou de ser uma palavra sem significado, um modismo, para se tornar um valor institucional. Parabéns para todo o grupo de humanização.

Para a Mélanie, meu desejo que ela finalmente descanse em paz, e gostaria de agradecê-la por pelo menos esta lição que nos deu e que pode dar um significado a uma vida tão sofrida.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade