PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como lidar com a orientação sexual do adolescente?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como lidar com a orientação sexual do adolescente?

Como lidar com a orientação sexual do adolescente?

27/08/2013
  3343   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estamos em uma época onde se discute projetos legislativos, tais como a cura gay, o aborto, a legalização de drogas, a maioridade penal, entre outros. Quando passeatas gays fazem parte do calendário de grandes cidades, existem personagens da novela das 8 que querem ter um filho por meio de uma barriga de aluguel. Por causa desse e de outros motivos, chego a ser abordado no consultório para auxiliar sobre como agir e o que fazer quanto à orientação sexual dos adolescentes.

A AAP (Academia Americana de Pediatria) publicou uma política sobre o assunto: “Cuidado ambulatorial para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e juventude questionadora”.

Realmente, este assunto agrada a poucos e desagrada a muitos. Porém, como pediatras e como um hospital dedicado à saúde na infância e na adolescência, não devemos nos afastar do assunto. As taxas de suicídio, de abuso de drogas, de depressão e de bullying estão cada vez mais altas e aumentam a cada ano. Estamos longe de ter uma juventude LGBT alegre e saudável capaz de formar adultos saudáveis e produtivos.

O papel dos pais, educadores e até dos pediatras é muito importante para detecção dos sinais de depressão, de potencial suicídio, de abuso de substâncias e de bullying.

A reação dos pais com relação a um jovem varia, especialmente, quando o assunto é voltado para orientação sexual. Saiba que o bullying e a vitimização na escola estão entre as causas que aumentam a depressão e as taxas de suicídio. Dessa forma, o apoio dos pais ao jovem é importante. Isso necessita, muitas vezes, de uma assistência psicológica eficaz para toda a família, coisa que no Brasil estamos muito longe de ter devido ao nosso sistema público e ao fato de poucos poderem arcar com o preço desse serviço.

Basta olhar o noticiário sobre crack ou sobre crimes violentos realizados por adolescentes, para vermos como estamos longe de ter uma assistência social que funcione.

Como comentado acima, o importante é que se discuta este assunto e que procuremos um caminho que se adeque às necessidades e aos anseios dos adolescentes com normas e políticas públicas de convívio social e de assistência adequada.

Leia também: Crianças transgênero existem sim

Fonte: Office-Based Care for Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender, and Questioning Youth | Pediatrics

Atualizado em 13 de maio de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.