PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Como você cuida da criança ao seu lado?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Como você cuida da criança ao seu lado?

Como você cuida da criança ao seu lado?

18/04/2024
  613   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Frente a oportunidade de visitar o Japão e ser, mais uma vez, tocada por uma cultura tão diferente e ao mesmo tempo tão fascinante, muitos elementos saltaram aos meus olhos.

Certa manhã, andava pelas ruas do centro de Osaka (cidade de 17,5 milhões de habitantes) e caminhávamos ao lado da principal estação ferroviária desse centro urbano altamente povoado. Vale ressaltar que o Japão tem uma das linhas ferroviárias mais sofisticadas do mundo: é possível ir a todos os lados do país através de trens e, nas grandes cidades, a malha férrea é capaz de te levar de um canto a outro sem grandes dificuldades. Esse era o cenário ao nosso redor, quando atravesso a rua e me deparo com uma bicicleta estacionada ao lado de outras tantas. O inusitado desta bicicleta em particular era o fato de possuir duas cadeirinhas: uma na frente do guidão do motorista e outra atrás do banco do ciclista. Em cada uma das cadeirinhas havia uma criança sentada – um bebê de, aproximadamente, 10 meses no assento da frente e uma criança de 3 anos no de trás. As duas crianças estavam agasalhadas, envoltas por uma capa que cortava o vento, aguardando o adulto responsável por elas retornar de algum lugar. Olhei admirada aquela cena por alguns instantes e pensei no quão curioso e incomum era aquele micro retrato dessa sociedade.

Recordei-me de um livro escrito por uma jornalista americana, chamado “Small Animals”. A autora narra sua experiência frente a perda da guarda de seu filho, depois de um episódio que o deixou no carro, estacionado em frente ao supermercado, por alguns minutos. Por algumas razões, que não me parecem relevantes a esse texto, ela se viu impedida de caminhar com a criança para dentro do estabelecimento. A criança então permaneceu dentro do carro, com o vidro entreaberto, aguardando a mãe que logo retornaria. Alguém que viu a cena daquela criança dentro do carro, a denunciou para o conselho tutelar. A consequência sofrida pela mãe e pela criança foi bastante impactante – ambos foram afastados pelo juizado de menores.

Na cena que vi no Japão, as crianças não estavam “abandonadas” pela figura do cuidador, pois na dimensão do coletivo – muito presente no Japão – cada cidadão que passava por aquelas crianças é, em alguma medida, corresponsável por elas.

Ao invés de condenarem as figuras parentais ao trabalho exclusivo do cuidado e do zelo pelas crianças, o que se observa é uma verdadeira aldeia urbana, em que todos são responsáveis belo bem-estar do outro. O coletivo de fato opera, funciona e cuida.

E aqui no Brasil, como poderíamos pensar essas tantas cenas?

Parece que a dimensão trágica está posta, pois o cuidado, quando pensado através da delegação de responsabilidade, se torna um lugar de culpabilização e fragilização das figuras dos cuidadores. Supomos que os pais serão capazes de dar conta da prole sozinhos e, ao falharem, serão sempre responsabilizados e desamparados pela estrutura social (des)organizada. O desamparo do coletivo se torna evidente. Há um descompasso no arranjo social. Vivemos na base do “vigiar e punir” ao invés do amparar e proteger.

Será que já não é hora de observarmos como funciona uma aldeia? Como podemos, de fato, sermos responsáveis pelas crianças e jovens da nossa sociedade?

Ainda está em tempo de fazermos uma nova sociedade para pais, filhos e comunidade.

 

Gabriela Malzyner

Gabriela Malzyner

É psicóloga, psicanalista e mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP. Coordenadora e docente do Núcleo de Infância e Adolescência do CEP e consultora do Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares do Instituto PENSI.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.