PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Consciência na saúde das crianças negras
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Consciência na saúde das crianças negras

Consciência na saúde das crianças negras

20/11/2021
  116   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Falar sobre o racismo em geral e estrutural está super em dia, ainda bem! Num país tão diverso e tão desigual onde o racismo e o patriarcado imperam de forma sutil é preciso que tenhamos um dia para tomarmos consciência e refletirmos sobre estes assuntos.

Como médico pediatra e instituidor de uma Fundação, minhas preocupações estão na dimensão da saúde da criança e do adolescente e nas ações que nossa instituição pode fazer para atuar na saúde das crianças negras.

Quando se fala sobre saúde de crianças negras com profissionais da medicina, é comum que pensem logo em anemia falciforme, por se tratar de uma doença que acomete a população afrodescendente. No entanto, a vulnerabilidade das crianças negras vai muito além. Como fazem parte da população mais pobre do Brasil, estão sujeitas a inúmeras doenças ligadas à pobreza.  Uma criança negra tem, por exemplo, 70% mais risco de ser pobre e 30% a mais de chance de estar fora da escola do que uma criança branca, segundo o UNICEF.

A pobreza retira crianças e jovens da escola e os empurra cada vez mais precocemente para o mercado de trabalho, onde acabam desenvolvendo funções insalubres. Dados do UNICEF indicam que 64,78% das crianças e adolescente que trabalham no Brasil são negros. Meninas negras representam entre 87% e 93% das crianças e dos adolescentes envolvidos em trabalho doméstico no país.

Vejam alguns outros números:

– Uma criança negra tem 25% mais chances de morrer antes de completar um ano do que uma criança branca;

– O risco de uma criança negra morrer antes dos 5 anos por causas infecciosas e parasitárias é 60% maior do que o de uma criança branca;

– O risco de morte por desnutrição é 90% maior entre crianças pretas e pardas do que entre brancas.

– As mulheres negras grávidas morrem mais de causas maternas (como a hipertensão própria da gravidez) do que as brancas;

– As crianças negras morrem mais por doenças infecciosas e por desnutrição.

No Brasil, as doenças e os agravos prevalentes na população negra são geneticamente determinados – tais como a anemia falciforme-, ou adquiridos em condições desfavoráveis – como desnutrição, DST/HIV/Aids, mortes violentas, abortos sépticos, sofrimento psíquico e outras.

Quando falamos de adolescentes, entramos no mundo da violência, das drogas e da gravidez na adolescência. Os números também não são nada animadores:

– Em 2016, a taxa de homicídios de negros foi duas vezes e meia superior à de não negros e a taxa de homicídios de mulheres negras foi 71% superior à de mulheres não negras. Em um período de uma década, entre 2006 e 2016, a taxa de homicídios de negros cresceu 23%. No mesmo período, a taxa entre os não negros caiu 6,8%, de acordo com o Atlas da Violência 2018;

– 76% das vítimas de letalidade policial são negras, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. A análise leva em conta 5.896 boletins de ocorrência de mortes decorrentes de intervenções policiais entre 2015 e 2016;

– A incidência de aplicação de medidas que restringem a liberdade também é uma questão grave. No estado de São Paulo, onde está quase a metade do total de adolescentes infratores brasileiros, 68% são negros;

– O quadro de vulnerabilidade se completa ao analisar o perfil de crianças e adolescentes em situação de rua: são do sexo masculino (72%), entre 12 e 15 anos (45%). Os negros são 73%.

Mas existem leis para isso. Os Objetivos Específicos da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 2007 – Reeditada 2017, preveem:

– Reduzir a mortalidade infantil na população negra;

– Reduzir a mortalidade precoce na população negra, em especial entre jovens e adultos;

– Reduzir a mortalidade materna entre as mulheres negras;

– Reduzir a mortalidade por doença falciforme, por meio da intervenção na sua história natural;

– Reduzir indicadores de mortalidade por hipertensão arterial, diabetes mellitus, HIV/aids, tuberculose, hanseníase, câncer de colo uterino e de mama, miomas, transtornos mentais, entre outras enfermidades;

– Promover o acesso a serviços de saúde para a população negra rural, em particular os remanescentes de quilombos;

– Promover o controle de situações de abuso, exploração e violência sexual, especialmente as que incluem o preconceito e a discriminação contra gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais e a violência doméstica contra a população negra;

– Incluir o quesito “cor” em todos os instrumentos de coleta de informações dos sistemas de informação do SUS;

– Incluir o tema “Saúde da População Negra” nos processos de formação e educação permanentes dos trabalhadores da Saúde;

– Fortalecer a participação e a representação da população negra nas instâncias de controle social do SUS.

Há exatamente um ano no nosso 5º Congresso Internacional Sabará de Saúde Infantil, discutimos a situação da criança e do adolescente negro na dimensão da saúde em seus vários aspectos, além do biológico, abrangendo também o psicológico e o social.

Contamos com a participação de importantes pensadores brasileiros e internacionais discutindo o assunto. Tivemos uma entrevista inspiradora feita pela Marcia da Woods, da FJLES (Fundação José Luiz Egydio Setúbal), com Darem Walker, presidente da Fundação Ford Internacional – uma instituição que luta pelos direitos civis, contra a desigualdade e o racismo e prega a inclusão de mulheres e de indígenas. Vale muito a pena assistir.

Na mesma sessão podemos ouvir a voz brasileira de Jailson Souza, falando dos meninos empregados pelo tráfico nas favelas do Rio de Janeiro, com uma reflexão sobre as drogas na infância e na adolescência. Finalizando, acompanhamos a discussão sobre meninas negras e os problemas na educação, passando por racismo e bullying com Suelaine Carneiro.

Para nossa Fundação, discutir a inclusão – inclusive a racial – a desigualdade e sua influência na saúde das crianças e dos jovens será sempre uma das bandeiras que vamos levar nos Objetivos De Sustentabilidade da Agenda 2030 da ONU que colocamos em nosso Planejamento Estratégico para esta década.

Saiba mais:

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade