PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças latinas e o risco de autismo
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças latinas e o risco de autismo

Crianças latinas e o risco de autismo

24/12/2013
  3197   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Nos EUA existe uma política de dividir as coisas pela etnia das pessoas. Isso é muito observado nos trabalhos científicos que publicam resultados separados entre os brancos (origem europeia), afro-americanos (africanos), asiáticos, indígenas (americanos) e latinos, que seriam os povos miscigenados da América Latina e não os latinos americanos, que também poderiam ser classificados da mesma forma (indígenas, brancos, africanos etc.).

Um estudo publicado na revista Pediatrics apresentou 267 pediatras da Califórnia que atuam em cuidados primários sobre a identificação de transtorno do espectro do autismo em crianças latinas. Elas são diagnosticadas com menos frequência em comparação às outras de culturas diferentes. A pesquisa investigou o papel que os pediatras podem desempenhar neste atraso.

Foi constatado que apenas 1 a cada 10 pediatras realizavam os exames recomendados de desenvolvimento em espanhol. Além disso, a maioria deles relatou que a identificação de riscos do espectro do autismo em famílias de língua espanhola era difícil, onde 3 a cada 4 médicos citados tinham barreiras quanto à identificação da doença em latinos, e que há falta de acesso aos especialistas dessa área.

Os autores concluem que a promoção de triagem de linguagem apropriada, distribuição de materiais sobre espectro do autismo culturalmente apropriados para famílias, a melhora da disponibilidade de especialistas, suporte na triagem e encaminhamento de crianças latinas poderiam ajudar a melhorar o diagnóstico de forma que ele acontecesse mais cedo.

Coloquei este artigo, pois do mesmo modo que isso acontece nos EUA, pode ocorrer no Brasil. Testes e exames, muitas vezes adaptados de outros países, podem não ser representativos em regiões com cultura e linguagens diferentes. Quando isso ocorre em diagnósticos de doenças ou transtornos como TDAH, autismo etc., pode haver influência para sempre na vida do indivíduo. Por isso, precisamos, como pediatras, psicólogos e outros profissionais da saúde, tomarmos muito cuidado.

Leia também: Tudo o que você precisa saber sobre os sinais do autismo

Fonte: Pediatrician Identification of Latino Children at Risk for Autism Spectrum Disorder |Pediatrics

Atualizado em 24 de maio de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.