PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Dia Nacional do Teste do Pezinho celebra importância do exame neonatal 
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Dia Nacional do Teste do Pezinho celebra importância do exame neonatal 

Dia Nacional do Teste do Pezinho celebra importância do exame neonatal 

06/06/2021
  159   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Este domingo (6 de junho) é o Dia Nacional do Teste do Pezinho, exame crucial realizado logo após o nascimento. A partir da coleta de gotas de sangue dos calcanhares dos recém-nascidos, é possível diagnosticar e reverter diversas deficiências congênitas que podem prejudicar o desenvolvimento físico e intelectual – e até causar o óbito – do bebê.

A data foi instituída no Brasil por ocasião da criação do Programa Nacional da Triagem Neonatal (PNTN), em 2001, que opera no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Contudo, o teste do pezinho é obrigatório em todo o território nacional desde 1992.

Chamado originalmente de teste de Guthrie, em homenagem ao médico norte-americano Robert Guthrie, o exame deve ser realizado nas primeiras 48 horas de vida do bebê. Graças a ele, é possível identificar, logo após o nascimento, doenças como a fenilcetonúria e o hipotireoidismo congênito (que afetam o metabolismo), além de enfermidades ligadas ao sangue, como a anemia falciforme, e muitas outras.

No final de maio, foi sancionado o Projeto de Lei (PL) 5.043/2020, que amplia o número de doenças rastreadas pelo teste feito no SUS. Com a mudança, o exame passará a englobar 14 grupos de doenças, que podem identificar muito mais diagnósticos negativos.

Projeto de Triagem Neonatal

O Instituto PENSI, em parceria com o Dr. Antonio Condino Neto – Imunologista e Pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas da USP (ICB-USP) e assessor do PENSI, realizou o Projeto de Triagem Neonatal. A pesquisa teve o objetivo justamente de ampliar o número de doenças a serem detectadas pelo teste do pezinho, incluindo síndromes genéticas que podem estar associadas a doenças de imunidade.

Durante quatro anos, foram realizadas coletas em cerca de 26 mil recém-nascidos, de 9 Estados, em 18 maternidades do Brasil, incluindo os centros que atuam com imunodeficiências primárias do Grupo Brasileiro de Imunodeficiências (BRAGID). Essas instituições tiveram um papel fundamental para o sucesso do projeto.

As imunodeficiências primárias – também conhecidas como IDPs – são doenças genéticas raras, que deixam o corpo mais suscetível a infecções causadas por vírus, bactérias e fungos. Em diagnósticos realizados nos três primeiros meses de vida, o índice de cura para essas síndromes é de 90%, percentual que cai para 60% ou 70% nos primeiros seis meses.

O estudo de Triagem Neonatal – que teve incentivo do Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS/PCD) – conseguiu diagnosticar precocemente 35 crianças. Com a ampliação do número de doenças rastreadas pelo teste do pezinho no SUS, com certeza mais bebês portadores de síndromes genéticas poderão receber o tratamento adequado a tempo.

 

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade