PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Febre maculosa em crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Febre maculosa em crianças

Febre maculosa em crianças

19/06/2023
  2346   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O Estado de São Paulo já confirmou (até o dia 15 de junho) três mortes e investiga um quarto óbito por febre maculosa. A doença infecciosa, transmitida pela picada de carrapato-estrela, também conhecido por micuim, é prevenível por meio de medidas comportamentais que podem afetar nossos hábitos.

Segundo o Ministério da Saúde, como não existe prevenção por vacina ou medicação, o mais importante é a “prevenção ao parasitismo por carrapatos”. Isso significa que a saída é investir em certos hábitos, como evitar ambientes infestados pelo aracnídeo e usar roupas adequadas e repelente.

A febre maculosa é transmitida pelo carrapato quando este está infectado pela bactéria Rickettsia Rickettsii, que é a causadora da doença. Geralmente, esse carrapato infesta grandes animais como bovinos, equinos e capivaras. Para transmitir a doença, ele precisa ficar fixado à pele da pessoa por, pelo menos, quatro horas. Vale ressaltar que não existe transmissão de pessoa para pessoa.

A doença é caracterizada por febre, presença de manchas vermelhas na pele (as máculas), dor de cabeça, dor no corpo, desanimo e falta de apetite. Se houver demora na busca de tratamento, o risco de morte é altíssimo.

Como é endêmica na região Sudeste, a melhor prevenção, segundo o Ministério da Saúde, é evitar áreas de alto risco de infestação de carrapato estrela, principalmente durante os períodos de atividade de “estágios imaturos” dos aracnídeos (o micuim), que ocorre entre junho e novembro.

Os repelentes com DEET têm uma “ação melhor” contra o carrapato-estrela. Eles possuem “concentração mais alta” e, por isso, são os mais indicados. É preciso avaliar o uso desse repelente para crianças e idosos em função da toxicidade. A concentração de DEET autorizada pelas agências regulatórias no Brasil, de até 15%, não tem a eficácia desejada, já que significa que o indivíduo tem que aplicar a cada duas horas, e isso dificulta a aderência.

Vários repelentes de insetos com DEET são aprovados como seguros e eficazes. A concentração de DEET em um produto indica por quanto tempo o produto será eficaz. Você pode escolher a concentração mais baixa para fornecer proteção para o tempo gasto fora. Por exemplo: 10% DEET fornece proteção por cerca de 2 horas e 30% DEET protege por cerca de 5 horas. Uma concentração mais alta funciona por mais tempo, mas qualquer coisa acima de 50% DEET não oferece proteção mais longa. Os produtos DEET podem causar erupções cutâneas, especialmente quando são usados em altas concentrações, mas essas reações são raras.

Até que bebês e crianças tenham, pelo menos, dois anos de idade, sua pele pode ser diferente da pele de uma criança mais velha ou de um adulto. Aplique DEET com moderação quando necessário, e avalie os riscos de exposição a doenças potencialmente graves transmitidas por insetos e o possível risco de absorção de produtos químicos pelo corpo. Os pais de recém-nascidos e prematuros devem ser especialmente cautelosos ao decidir aplicar DEET ou outros produtos químicos na pele de seus filhos.

Outra opção é o uso da Icaridina. Crianças a partir de seis meses de vida já podem usar, mas de forma cuidadosa. Em relação à frequência de aplicação na pele, o correto é seguir a orientação do fabricante. Em geral, repita a aplicação a cada seis horas, mas há formulações preparadas para agir por 12 horas.

O tratamento adequado com antibióticos tem bom resultado. Portanto, isso não deve levar pânico às pessoas. Se você mora ou frequenta uma região onde está ocorrendo casos, fique atento(a) e procure pelo carrapato na pele de seu filho(a) e em você, retirando adequadamente.

 

Fontes:

https://www.estadao.com.br/saude/repelentes-funcionam-contra-o-carrapato-da-febre-maculosa-saiba-como-prevenir-doenca-nprm/

https://bvsms.saude.gov.br/febre-maculosa-brasileira/

https://www.healthychildren.org/English/safety-prevention/at-play/Pages/Insect-Repellents.aspx?_ga=2.246824001.499291094.1686846801-507582818.1684527604&_gl=1*j6tg0l*_ga*NTA3NTgyODE4LjE2ODQ1Mjc2MDQ.*_ga_FD9D3XZVQQ*MTY4Njg0NjgwMC42LjEuMTY4Njg0NzEyNC4wLjAuMA

 

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/como-se-proteger-dos-insetos-que-transmitem-doenca/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/a-exposicao-das-criancas-a-inseticidas/

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.