PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Luto infantil: quando buscar ajuda
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Luto infantil: quando buscar ajuda

Luto infantil: quando buscar ajuda

12/05/2021
  547   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Com a morte chocante do ator Paulo Gustavo neste início de maio, deixando dois filhos de menos de dois anos, me ocorreu escrever sobre luto infantil. Este é um tema muito caro à Fundação José Luiz Egydio Setúbal, tanto assim que temos um livro que trata sobre o tema e também uma websérie que está disponível no nosso canal de you tube

Estima-se que 1 em cada 20 crianças sofrerá a morte de um dos pais até os 16 anos e a grande maioria das crianças experimentará a morte de um parente próximo ou amigo em algum momento de sua infância. Se seu filho perdeu um ente querido, você pode se perguntar quais são os sintomas de luto que pode esperar – e o que pode ser motivo para mais preocupação. As respostas variam dependendo da idade do seu filho e do que você considera seu comportamento típico.

Algumas crianças querem falar sobre a pessoa que morreu; outros não querem compartilhar seus sentimentos de forma alguma. Como as reações ao luto variam, é importante nunca presumir o que uma criança pode ou não estar experimentando. Deixe claro que você está ao seu lado se e quando quiserem conversar. E quando o fizerem, certifique-se de ouvi-los.

Alliance for Grieving Children, ONG americana, incentiva os pais a pensarem sobre o temperamento individual de seus filhos. Quando um comportamento ou traço de personalidade é diferente do que era antes da perda, isso geralmente é um sinal de que a criança está lutando contra o luto e pode precisar de algum apoio extra. Por exemplo, uma criança que geralmente é extrovertida pode se tornar retraída e quer ficar sozinho o tempo todo. Um adolescente que é conhecido por ser forte, independente e motivado pode agora parecer incapaz de tomar decisões ou concluir projetos. Estes são alguns dos sinais de que uma criança enlutada pode se beneficiar de apoio adicional:

  • Dificuldades contínuas de sono ou inquietação
  • Autoestima baixa ou depressão.
  • Baixo rendimento escolar ou falta de interesse em atividades relacionadas à escola
  • Quebra de relacionamentos com família e amigos
  • Comportamentos de risco, como uso de drogas e álcool, brigas ou experiências sexuais

Nota importante sobre gêmeos e adolescentes

Após a morte de um ente querido, é importante não negligenciar as necessidades específicas dos adolescentes e pré-adolescentes. A rica vida interior dos pré-adolescentes é muitas vezes rejeitada pelos adultos, que os veem como crianças que não sabem o que é melhor. Mas quando prestamos muita atenção às suas perguntas, emoções e como eles estão processando o luto, podemos ser mais responsivos às suas necessidades e, ao mesmo tempo, aprender com seus perspectiva.

Veja algumas maneiras de ajudar crianças que estão lutando contra o luto

Lembrando de curar. As crianças às vezes temem esquecer a pessoa que morreu. Encontrar maneiras de reconhecer e lembrar o que era valioso no relacionamento da criança com a pessoa que morreu faz parte do processo de cura.

Retornando a uma rotina regular. As crianças muitas vezes têm dificuldade em se concentrar em seus trabalhos escolares depois de perder um ente querido. Mas voltar à escola e ter uma rotina regular é importante para a saúde de seus filhos e pode ajudá-los a progredir em seu processo de luto, desde que recebam apoio e acomodações suficientes. Converse com os professores de seus filhos e outras pessoas importantes na escola sobre como o apoio extra, como aulas de reforço e mudanças temporárias na carga horária de aula, pode ajudar.

Converse com seu pediatra. Após a morte, as crianças muitas vezes se preocupam com sua própria saúde e a de outras pessoas que amam. O estresse da perda também pode causar sintomas como dores de cabeça e problemas de estômago.

Antecipe os gatilhos do luto. O luto pode ser agravado por eventos importantes, como feriados especiais como Natal e experiências cotidianas, como ouvir a música favorita de seu ente querido. Ajude seus filhos a compreender que essas experiências são naturais. Explique que embora o luto possa durar uma vida inteira, eles continuarão a desenvolver novas habilidades para lidar com a dor de sua perda.

Muitos pais lutam para encontrar as palavras certas para ajudar os filhos a processar seu luto. Eles também podem estar processando suas próprias emoções. Mas saiba que você não está sozinho. Se você acha que seu filho está tendo problemas para seguir em frente no processo de luto, ou se você simplesmente tem dúvidas, existem recursos da comunidade que podem ajudar. Fale com o pediatra do seu filho e procure orientadores, sacerdotes, assistentes sociais e terapeutas para ajudar o seu filho. Deixe claro que buscar a ajuda de outras pessoas é um ato de força. Sabemos que estes recursos na maioria das vezes não estão disponíveis facilmente no Brasil, mas por outro lado empresas, igrejas e ONGs podem oferecer este tipo de apoio.

Saiba mais:

https://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,conheca-10-livros-infantis-sobre-morte-e-luto,70003707512

Pais gays e adoção homoafetiva | Famílias que existem

https://www.youtube.com/watch?v=1s_LLGJnsB0&t=42s

Cuidados Paliativos em crianças | Reflexões sobre o Luto

https://www.youtube.com/watch?v=q_koJL-KWLs&t=22s

Como falar sobre morte com as crianças | Reflexões sobre o Luto

https://www.youtube.com/watch?v=yHaQliA7HlM&t=87s

Como lidar com a morte de um filho? | Reflexões sobre o Luto

https://www.youtube.com/watch?v=CC49yOaSLAM&t=169s

https://institutopensi.org.br/um-gato-chamado-schroedinger-e-o-menino-david/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/lidar-com-o-luto-criancas/

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade