PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O lado perigoso do mundo
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O lado perigoso do mundo

O lado perigoso do mundo

26/09/2012
  4156   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Vivemos em um mundo muito perigoso. No Brasil, especialmente em São Paulo, basta ver o noticiário da TV e se deparar com as seguintes informações:

• Um tiroteio em uma escola;

• Um atentado suicida no Afeganistão onde mataram civis;

• Um policial que levou um tiro de outro companheiro de trabalho, que matou um bandido;

• Um vídeo de meninas adolescentes que lutam em uma escola secundária;

• Um homem que escapou de um hospital psiquiátrico e levou a comunidade a manter todas as crianças em segurança;

• Uma quadrilha de pedófilos que molestava crianças pela internet;

• Crianças que fumam crack na Cracolândia;

• Desabamento nas praias do Rio de Janeiro.

Enfim, notícias não faltam e, muitas vezes, estamos com nossos filhos e não queremos ligar a TV para não chamar mais a atenção para os fatos.

Infelizmente, tudo o que foi citado acima é verdade e este cenário perigoso está presente no dia a dia. Nossos filhos precisam saber que coisas ruins acontecem e que as pessoas fazem coisas ruins. Podemos proteger as crianças, mas só por pouco tempo. Quando a realidade do mundo delas começa a afundar, elas precisam das perspectivas e habilidades para estarem prontas e enfrentá-la, sem que fiquem assustadas.

Leia também: Como conversar com as crianças sobre más notícias?

Mas, para isso, devemos conversar com elas e há três pontos principais para o início de um diálogo:

1. A maioria das pessoas é boa

Sim, existem pessoas lá fora que fazem o mal e coisas erradas. Mas elas são uma porcentagem minúscula em comparação com as que estão presentes no mundo. Essa é uma mensagem importante para transmitir às crianças. As pessoas são boas, mas algumas têm problemas particulares ou presenciaram coisas ruins e, assim, são malévolas. Com relação a elas, precisamos ter cuidado. Dessa forma, mostre, quando puder, exemplos de pessoas que fazem o bem à sociedade e ao próximo.

2. Há muitas pessoas que podem ajudar

Há pais, tios, amigos e professores. Há policiais e bombeiros. Há os vizinhos do outro lado da rua. Essas são as pessoas que, de forma convincente, podemos mostrar às crianças para mantê-las otimistas em saber onde procurar ajuda num momento perigoso ou situação de urgência. Isso ecoa e reforça o item 1, de que no mundo há pessoas boas e que podem mantê-las seguras o tempo todo.

3. As crianças podem fazer coisas para ajudarem a si mesmas

Existem coisas simples que você pode fazer com seus filhos, tais como:

• Ensine às crianças a ter certeza de que você ou o cuidador sempre saberão da localização delas (na escola, shopping center, casa do coleguinha. O celular pode ser usado regularmente quando forem mais velhas);

• Explique aos pequenos o que fazer se eles se perderem dos seus responsáveis (informe-os sobre o número de celular dos pais, telefone de casa, o endereço da rua onde moram, etc). Se a criança for muito nova, é bom que ela tenha um cartão de contato, por exemplo;

• Certifique-se de que a criança esteja ciente de que sempre deverá pedir ajuda para outros adultos, não para crianças;

• Com o aumento do abuso e assédio sexual é importante também orientar as crianças nesse sentido. Ensine os nomes das “partes íntimas” e fale sobre privacidade e intimidade (é evidente que a atitude depende da idade da criança). Reforce que, se um adulto gerar um momento desconfortável, deve sair o mais rápido possível de perto dele e dizer o que aconteceu para alguém de confiança (você precisará explicar quem são as pessoas que ela pode confiar).

Alguns pais necessitam, algumas vezes, de medidas mais incisivas como médicos para conversar com a criança. Isso é uma demonstração para que elas vejam que existem pessoas em quem confiar.

É óbvio que você não pode dizer tudo isso de uma vez, pois as crianças não vão se lembrar dos assuntos abordados, além de ser uma conversa muito extensa. Procure ser natural e aproveite as oportunidades para iniciar um diálogo quando aparecer um assunto perigoso em histórias, filmes ou programas de TV. 

Fonte: Claire McCarthy, 17 de abril de 2012 (Dra. Claire McCarthy é um médica da atenção primária e a Editora de Comunicação Médica do Hospital Infantil de Boston).

Atualizado em 1 de abril de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.