PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O papel do Acompanhante Terapêutico
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O papel do Acompanhante Terapêutico

O papel do Acompanhante Terapêutico

15/06/2023
  735   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Muito se fala sobre este profissional. Mas o que ele faz exatamente? Onde atua? Qual sua importância?

 

O Acompanhante Terapêutico (AT) é um profissional capacitado, geralmente psicólogo, pedagogo ou estagiário nestas áreas. Ele atua no ambiente natural do indivíduo com Transtorno do Espectro Autista (TEA), Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e/ou outros transtornos e síndromes, ou seja, em escolas, em domicílio ou até em ambientes sociais, como supermercados, cabeleireiros, academias, clubes, entre outros.

Quando falamos em terapia baseada em Análise do Comportamento Aplicada (ABA), necessitamos de uma grande carga horária de intervenção com aquele paciente, para que o progresso e os objetivos sejam atingidos de uma forma mais completa. Muitas vezes, as horas dispostas para terapia em ambiente clínico não são suficientes.

Diante disso, o papel do AT é atuar no dia a dia do paciente, aplicando os programas que foram delineados de acordo com as suas necessidades, mediando a socialização em todos os ambientes e pensando na independência e autonomia na vida de seu paciente, ensinando-o a como se comportar em determinadas situações.

Na escola, o AT trabalha em conjunto com os professores, coordenadores e demais profissionais, com base nos objetivos definidos pela equipe multidisciplinar que atende aquele paciente. Além de focar nos objetivos traçados, ele orientará todos os profissionais acerca da adaptação curricular e das atividades, em como estimular a socialização – um ponto muito importante e como trabalhar a independência e autonomia nas atividades do dia a dia, de acordo com a necessidade de suporte que o paciente necessite. Sua principal função é garantir que o indivíduo aproveite todas as atividades e recursos propostos da melhor forma possível.

Como o AT está o tempo todo com o paciente e serve como uma espécie de “sombra”, ele o conhece bem, assim como os objetivos a serem alcançados e as atividades de maior interesse e foco, em consequência, o profissional consegue utilizar estas informações para estimular e reforçar a realização das atividades escolares.

Por fim, na residência do paciente, as habilidades e os objetivos serão trabalhados de forma intensa e, muitas vezes, de maneira mais estruturada, trabalhando habilidades básicas de comunicação, linguagem, atividades escolares, estímulo de pedidos, identificação de itens e objetos, ações e sentimentos e demais atividades de vida diária (AVDs). Serão desenvolvidas habilidades, desde as mais simples (como o uso do banheiro e utilização de talheres) até as mais elaboradas (como ir ao supermercado, utilizar transporte público e cozinhar), sempre de acordo com a necessidade e o objetivo traçado para aquele paciente.

Ticiane Franciozi

Ticiane Franciozi

Psicóloga do Instituto PENSI (projeto TEA Assistencial) e Acompanhante Terapêutica. Também é graduanda e Pedagogia.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.