PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O risco do colesterol elevado na infância e adolescência
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O risco do colesterol elevado na infância e adolescência

O risco do colesterol elevado na infância e adolescência

08/08/2023
  836   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O colesterol é um tipo de gordura encontrada em nosso organismo, que é importante para diversas funções corporais, como a produção de hormônios e a formação de membranas celulares. No entanto, quando o colesterol está em excesso no sangue, ele pode trazer riscos para a saúde, especialmente em crianças e adolescentes.

O colesterol é transportado no sangue por meio de lipoproteínas, sendo as principais o LDL (colesterol ruim) e o HDL (colesterol bom). O LDL pode se acumular nas paredes das artérias, formando placas que podem levar a doenças cardiovasculares, como aterosclerose e infarto. Já o HDL ajuda a remover o excesso de colesterol das artérias, prevenindo essas doenças.

O conceito de colesterol não HDL inclui todos os tipos de lipoproteínas que transportam colesterol, exceto o HDL. Isso inclui o LDL, VLDL (lipoproteína de muito baixa densidade) e IDL (lipoproteína de densidade intermediária). O colesterol não HDL é um indicador mais preciso do risco cardiovascular do que o LDL isoladamente.

O colesterol elevado em crianças pode levar a riscos no futuro, como doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2. A presença de níveis elevados na infância pode resultar em acúmulo de placas nas artérias ao longo do tempo. Isso pode levar a um estreitamento das artérias e diminuição do fluxo sanguíneo para órgãos vitais, como coração e cérebro.

Para prevenir e impedir os riscos do aumento do colesterol em crianças, é importante adotar um estilo de vida saudável desde cedo. Isso inclui uma alimentação equilibrada e rica em frutas, verduras, grãos integrais e alimentos com baixo teor de gordura saturada e colesterol. Alimentos ricos em fibras – como aveia, pão integral, arroz integral e macarrão integral – e frutas com bagaço e/ou casca – como laranja, maçã, limão, pera, uva, abacate, morango, melancia, mamão e caju – são permitidos em uma dieta para colesterol elevado.

Recomenda-se ainda limitar alimentos de elevada densidade energética, como doces e refrigerantes, e gordura saturada, como carnes, embutidos e laticínios com muita gordura.

Também é importante incluir alimentos com gorduras consideradas boas, como abacate e peixe. A chia pode ser uma boa opção, pois é rica em ômega-3, proteínas, fibras, substâncias antioxidantes e minerais. Além disso, é fundamental incentivar a prática regular de atividade física e evitar o sedentarismo.

Caso seja identificado um aumento do colesterol em crianças, é importante buscar orientação médica para avaliação do risco cardiovascular e adoção de medidas terapêuticas adequadas. Em alguns casos, pode ser necessário o uso de medicamentos para controlar o colesterol. No entanto, a mudança no estilo de vida continua sendo a base do tratamento.

Cinco orientações para pais de crianças evitarem o risco de colesterol elevado:

  • Incentivar uma alimentação equilibrada, rica em frutas, verduras e grãos integrais, e limitar o consumo de alimentos com excesso de sal, açúcares e ricos em gordura saturada e colesterol;
  • Estimular a prática regular de atividade física, como brincadeiras ao ar livre, esportes e caminhadas em família;
  • Evitar o tabagismo passivo, pois a exposição à fumaça do cigarro pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares;
  • Manter um peso saudável, pois o excesso de peso pode aumentar o risco de colesterol elevado e outras doenças;
  • Realizar exames médicos regulares para monitorar os níveis de colesterol e outros fatores de risco, especialmente se houver histórico familiar de doenças cardiovasculares.

Vale lembrar que o pediatra poderá pedir exames de sangue para o diagnóstico, e em alguns casos, indicar medicação para o controle dos níveis de gordura. Uma orientação nutricional adequada pode ajudar toda a família no controle do colesterol.

Dr. Mauro Fisberg

Dr. Mauro Fisberg

Pediatra e Nutrólogo. Coordena o Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares (CENDA) do Instituto Pensi. Membro do corpo de orientadores em Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria da UNIFESP.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.