PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Voltando a falar sobre o parto domiciliar e suas consequências
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Voltando a falar sobre o parto domiciliar e suas consequências

Voltando a falar sobre o parto domiciliar e suas consequências

02/08/2022
  286   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Alguns dias atrás, estive em um fórum da Academia Brasileira de Pediatria e vi uma palestra sobre parto domiciliar. Esse é mais um modismo que precisamos combater pelo risco que traz para as mães e para os bebês.

No Brasil, 98% dos partos são realizados em hospitais e os 2% restantes acontecem, principalmente, na região Norte do país, onde vive uma população indígena muito grande ou o acesso à rede hospitalar é mais difícil. Essas taxas são semelhantes as da Europa e de países desenvolvidos, com raras exceções como a Holanda, onde a taxa é de 16%, mas há cerca de dez anos era 30% e vem caindo anualmente. No Reino Unido, também existe uma tradição e incentivo ao parto domiciliar, mas as taxas estão em torno dos mesmos 2% do Brasil e da Comunidade Europeia, mesmo sendo tolerado e os sistemas de saúde preparados para isso.

Aqui no Brasil, as pessoas que mesmo com acesso a hospitais de ponta que optam por parto domiciliar, o fazem à procura de uma experiência mais humanizada e “natural”, sem ter a ciência dos riscos existentes tanto para as mães quanto para os recém-nascidos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que um parto normal para uma gravidez sem risco deve ser realizado onde a mulher se sentir mais segura. Essa é a recomendação Europeia, que segundo a Europeristat, diz que a maioria das mulheres se sente mais segura nos hospitais. Quando o parto for realizado em casa, deve contar com a assistência de pessoal médico qualificado e estar a uma distância máxima de 20 minutos de um centro hospitalar capaz de receber urgências maternas-infantis.

Pesquisas realizadas nos Estados Unidos relacionam a mortalidade e os problemas e sequelas com recém-nascidos decorrentes do período perinatal mais com o local do nascimento do que com o profissional que realiza o parto (médico, doula ou obstetriz).

Problemas como sangramentos uterinos de difícil controle, intercorrências que necessitam de uma cesárea, anoxia ou sofrimento do feto, parto prolongado, dificuldade na reanimação do recém-nascido e outras intercorrências com necessidade de intervenção médica são algumas situações que acontecem com frequência em todas maternidades do mundo e, por isso, a mortalidade materna é alta no Brasil. A mortalidade perinatal é muito alta também, mesmo para partos que ocorrem no ambiente hospitalar.

Tanto a Sociedade Brasileira de Pediatria como a Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia se posicionam absolutamente contra os partos domiciliares e fazem campanha para que os hospitais e maternidades procurem humanizar suas salas de partos, proporcionando às suas pacientes uma jornada humanizada durante a internação para o nascimento do seu bebê. Isso não se faz com enfeites na parede, mas com atitudes que permeiam toda a equipe de saúde e de atendimento da maternidade, iniciando nas próprias chefias médicas.

Para os hospitais do SUS, bastaria seguir as recomendações do HumanizaSUS, um programa muito bem pensado e que trataria com respeito e humanidade todas as parturientes.

Para diminuir nossas vergonhosas taxas de mortalidade materna e de mortalidade neonatal, poderíamos cobrar de nossos governantes a realização das políticas públicas existentes para um pré-natal bem feito, com consultas bem realizadas, em número adequado e com os exames necessários. Isso facilitaria o trabalho de parto e as condições de nascimento dos bebês e daria uma chance muito maior de sobrevivência aos seus primeiros 1000 dias de vida, para que, no futuro, se torne um cidadão produtivo para a construção de um país muito melhor.

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/a-polemica-do-parto-em-casa/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/cuidados-com-o-parto-domiciliar/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/parto-em-casa-e-mesmo-seguro/

 

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • josé matins filho disse:

    Muito bom o artigo José Luiz… acho que essa é uma função primordial da Academia Brasileira de Pediatria e nos nossos Fóruns, destinados a todos aqueles que puderem assistir, devemos sempre ter em mente, que essas colocações objetivas, claras, e corajosas, sem medo de serem classificadas de intervencionistas, devem fazer parte, sempre, na minha opinião, das nossas mensagens a toa à nossa população.
    Acho que devemos insistir nessas informações de caráter comportamental e social com ênfase.. Acho que gostaria de ter um espaço para falar também da mesma maneira sobre Parto natural, combate á alienação parental, licença maternidade de 6 meses,
    ambiente físico natural e amplo para as creches, terceirização infantil e agora, neste momento, do grave problema do abuso de telas interativas na infância..
    Grande abraço
    josé martins filho.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.