PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A covid-19 e o estado nutricional
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A covid-19 e o estado nutricional

A covid-19 e o estado nutricional

09/03/2022
  509   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A pandemia da covid-19 foi estabelecida em março de 2020 e, após quase dois anos desta catástrofe mundial, muitas conclusões e demasiadas dúvidas e questões foram levantadas, com extenso número de artigos publicados em todo o mundo.

O problema inicial era avaliar se as mesmas condições clínicas de tipo de doença e mortalidade em adultos eram as mesmas para as crianças. As doenças crônicas não infecciosas como a obesidade, hipertensão, dislipidemia ou comprometimento imunitário foram os primeiros alvos a serem analisados. Desde o início, era óbvio que as crianças não eram afetadas na mesma direção que as pessoas idosas ou adultas. As condições inflamatórias também estavam presentes, mas as crianças não eram tão gravemente expostas e nem tinham as mesmas condições clínicas.

No entanto, dados recentes de muitos países mostram que as mães grávidas e por vezes os seus filhos poderiam ser severamente infectados e, em alguns casos, apresentavam mortalidade pesada.

A segunda pergunta que foi feita foi se os nutrientes poderiam modificar, prevenir ou fazer parte do tratamento da infecção da covid-19. Muitos candidatos foram estudados, especialmente aqueles relacionados às condições antioxidantes como vitaminas e minerais. O zinco foi cuidadosamente avaliado, uma vez que as perdas de cheiro e paladar eram quase universais em doentes com covid-19 e esses aspectos sensoriais estão relacionados com o estado mineral. Mas, apesar de alguns ensaios, não foram encontradas provas para esta condição. Isso foi determinado para a vitamina D, probióticos e outros possíveis modificadores dos sistemas de defesa do organismo.

A conclusão geral foi que o estado nutricional poderia ajudar a fazer parte do sistema de defesa para a evolução da infecção, mas nenhuma alimentação suplementar foi considerada como fazendo parte da equação.

Por outro lado, o estado nutricional das crianças foi claramente afetado por alguns fatores relacionados: crises socioeconômicas, com as questões da perda generalizada de postos de trabalho, encerramento de empresas, bloqueios prolongados sem apoio econômico e desemprego. Os locais com medidas de encerramento mais rígidas foram mais afetados, mantendo crianças fora da escola e, em muitos países, as refeições escolares foram interrompidas. O isolamento social não foi fácil nas regiões mais pobres e o acesso à alimentação foi muito mais difícil para os grupos econômicos médios e baixos. Como resultado, a fome oculta, excesso de peso ou desnutrição aguda foram registrados agravando situações já complicadas anteriormente.

As famílias em casa, isoladas ou com a obrigatoriedade de maior consumo doméstico, obtiveram melhores resultados com a partilha de refeições, refeições preparadas em casa ou com o estabelecimento de mais controle sobre a alimentação. Mas, ao mesmo tempo, estes possíveis fatores positivos foram contrabalançados e determinaram alguns comportamentos negativos: conflito, cansaço, falta de tempo adequado para a educação, recreação física ou atividades e sono.

Com a volta das crianças à escola, temos visto muitos casos de contaminação por novas variantes como a Ômicron, que tem levado a um maior número de hospitalizações e casos mais graves que nas ondas anteriores da covid-19.

Uma lição que tivemos de aprender é que não podemos esperar o aparecimento de crises para melhorar o estado nutricional das crianças. O aumento de crianças com baixo peso e em muitos casos, com excesso de peso, mostram que o equilíbrio de saúde pode ser mais frágil se o terreno onde a infecção se implantar for inadequado anteriormente. Não encontramos uma bala mágica ou um nutriente que proteja contra as infecções, mas se a nutrição estiver adequada, nosso sistema imune estará mais preparado para a defesa contra infecções, novas ou velhas conhecidas.

 

Referências:

LEME, ANA CAROLINA B.; HOU, SOPHIA; FISBERG, REGINA MARA; FISBERG, MAURO; HAINES, JESS. Adherence to Food-Based Dietary Guidelines: A Systemic Review of High-Income and Low- and Middle-Income Countries. Nutrients, v. 13, p. 1038, 2021.

LEME, ANA CAROLINA B.; HAINES, JESS; TANG, LISA; FISBERG, M.; FERRARI, G. L. M.; SILVA, V. A.; FISBERG, R. M. Association between weight control behaviors and diet quality among Brazilian adolescents and young adults: Health Survey of São Paulo with Focus on Nutrition, 2015. Eating and Weight Disorders (Online), v. 26, p. 1-14, 2021.

RAMOS, C. C.; NOGUEIRA, L. R.; PAULA, N. G.; MAXIMINO, P.; RICCI, R.; FISBERG, M. Doenças Orgânicas, Alterações de Motricidade Orofaciais e de Fala em Crianças com Dificuldades Alimentares. SAÚDE E DESENVOLVIMENTO HUMANO, v. 10, p. 1-10, 2022.

FISBERG, MAURO; DUARTE BATISTA, LAIS; NOGUEIRA-DE-ALMEIDA, CARLOS ALBERTO; SARTI, FLÁVIA MORI; ALBUQUERQUE, MARIA PAULA DE; FISBERG, REGINA MARA. Integrative Strategies for Preventing Nutritional Problems in the Development of Children in Brazil. FRONTIERS IN NUTRITION, v. 8, p. 1-7, 2021.

RAMOS, CLÁUDIA DE CÁSSIA; MAXIMINO, Priscila; MACHADO, RACHEL HELENA VIEIRA; NOGUEIRA, LUANA ROMÃO; RICCI, RAQUEL; LEME, ANA CAROLINA BARCO; FISBERG, MAURO. Children with Feeding Difficulties Present Changes in the Development of Feeding Skills: A Study with a Control Group. Revista de Nutrologia/International Journal of Nutrology, v. 14, p. e49-e54, 2021.

MAXIMINO, Priscila; LEME, ANA CAROLINA B.; MALZYNER, GABRIELA; RICCI, RAQUEL; GIOIA, NATHÁLIA; FUSSI, CAMILA; FISBERG, MAURO. Time to reconsider feeding difficulties in healthy children: a narrative synthesis of definitions and associated factors. NUTRIRE – REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO, v. 46, p. 20, 2021.

BRAGA, MARIANA CORREIA STEVENSON; NOGUEIRA, LUANA ROMÃO; OKUIZUMI, ARISSA MATSUYAMA; ROCHA, NILVANE OLIVEIRA; ALMEIDA, ANDREA ROMERO DE; MAXIMINO, Priscila; FISBERG, MAURO. Seletividade alimentar e o papel da escola: crianças que frequentam regularmente a escola apresentam maior repertório alimentar?. Medicina (USP.FMRP), v. 54, p. 1-9, 2021.

OKUIZUMI, ARISSA MATSUYAMA; MORIMOTO, JULIANA MASAMI; NOGUEIRA, LUANA ROMÃO; MAXIMINO, Priscila; FISBERG, MAURO. Fatores associados aos tipos de dificuldades alimentares em crianças entre 0 e 10 anos de idade: um estudo retrospectivo em um centro de referência brasileiro. SCIENTIA MEDICA (PORTO ALEGRE. ONLINE), v. 30, p. e35530, 2020.

FISBERG, Mauro; MAXIMINO, Priscila. A criança que come mal: Atendimento Multidisciplinar – A experiência do CENDA do Instituto PENSI. 1ª edição. São Paulo: Manole, 2021.

 

Saiba mais:

An Update: Impact of COVID-19 on Child Nutrition

https://www.youtube.com/watch?v=nrthlX0UDGQ

Dr. Mauro Fisberg

Dr. Mauro Fisberg

Pediatra e Nutrólogo. Coordena o Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares (CENDA) do Instituto Pensi. Membro do corpo de orientadores em Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria da UNIFESP.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.