PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Brasil, um país violento para as crianças viverem
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Brasil, um país violento para as crianças viverem

Brasil, um país violento para as crianças viverem

02/07/2024
  790   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Anualmente, o Atlas da Violência, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), lança um relatório atualizando os dados de violência no Brasil. O trabalho é feito em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Como nas edições anteriores, busca-se retratar a violência no Brasil, principalmente, a partir dos dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde.

Nos últimos dez anos, o relatório mostra uma redução de 25% na taxa de homicídios registrados no país. A taxa era de 29 assassinatos a cada 100 mil habitantes em 2012, e passou para 22 a cada 100 mil habitantes em 2022, ano com os dados mais recentes analisados pelo Atlas.

Uma taxa muito alta, que mostra como o Brasil é um país violento. Em termos de comparação, é a taxa mais alta entre nove países da América do Sul, segundo dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, por exemplo.

O estudo mostra que, em 2022, o país teve exatamente a mesma taxa de homicídios por 100 mil habitantes do que em 2019. Segundo o Atlas, quase metade (49%) dos homicídios registrados em 2022 teve como vítimas pessoas de 15 a 29 anos, ou seja, temos uma média de 62 mortes violentas de jovens por dia no país.

Baseado no índice de mortes violentas cujas causas não foram definidas, a princípio porque não era possível determinar se ocorreram por acidente, homicídio ou suicídio, pode haver uma quantidade ainda maior de mortes que não entraram na estatística oficial. A estimativa do Atlas da Violência é que o Brasil teve cerca de 6 mil homicídios ocultos em 2022.

Essa estimativa é resultante das ocorrências classificadas como Mortes Violentas por Causa Indeterminada (MVCI). É a partir dessa categoria que o Atlas calcula os homicídios ocultos. Os dados reunidos na publicação são coletados no SIM e no Sinan – dados de violência de notificação compulsória – do Ministério da Saúde.

Outra análise que merece atenção é das crianças vítimas de violência sexual. Meninas de até 14 anos sofrem proporcionalmente mais violência sexual do que mulheres adultas, aponta o Atlas da Violência 2024.

Segundo a análise, em 2022, 30% da violência sofrida por crianças do sexo feminino, na faixa de 0 a 9 anos, teve caráter sexual. Na faixa etária de 10 a 14 anos, o número é ainda maior, de praticamente 50%. Entre 15 e 19 anos, foi de 22%. Depois disso, ele cai para 10% de 20 a 24 anos.

Nesse contexto, os dados divulgados mostram um grande aumento no número de registros de violência sexual em 2021 e 2022 em relação a 2020, justamente no período pós-pandemia. A faixa etária dos 5 aos 14 anos foi a que apresentou a maior elevação, passando de 11.587 registros em 2020 para 20.039 em 2022, um crescimento de 73%. De 0 a 4 anos, subiu 50,6% (de 3.441 para 5.182), e de 15 a 19 anos, 41,6% (3.256 para 4.872).

Esses dados são extremamente importantes quando nosso Congresso discute pautas como o aborto de mulheres vítimas de estupros e da educação em casa (home schooling). O aumento significativo da violência doméstica, incluindo a sexual contra as meninas durante a pandemia, está claramente associado ao maior tempo em casa. A violência sexual contra crianças é sempre associada a alguma pessoa da convivência familiar, sendo em mais de 80% um familiar direto.

Nós como sociedade precisamos olhar para esses números e tomarmos providências. Ou será que achamos toda essa violência normal? Todos esses jovens assassinados, vítimas de mortes violentas, é algo normal? Não nos aflige nem nos afeta? Todas essas meninas sendo estupradas, é natural? É aceitável?

A Fundação José Luiz Egydio Setúbal não acha. Acredita que precisamos atuar fortemente como sociedade civil para alterar esse cenário. Temos várias atuações nessas áreas (entre em nosso portal para conhecê-las). Seja você também uma voz contra essas violências com jovens e crianças.

 

Fontes:

https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/publicacoes

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2024/06/meninas-com-ate-14-anos-sao-proporcionalmente-as-maiores-vitimas-de-violencia-sexual-mostra-atlas.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2024/06/taxa-de-homicidios-ficou-estagnada-sob-bolsonaro-mostra-atlas-da-violencia.shtml

Saiba mais:

https://fundacaojles.org.br/

https://institutopensi.org.br/triste-comemoracao-do-dia-internacional-da-mulher/

https://institutopensi.org.br/precisamos-falar-sobre-estupro-de-criancas/

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/nossa-juventude-perdida-homicidios-de-jovens-e-estupro-de-meninas-triste-realidade-do-brasil/

https://institutopensi.org.br/sendo-crianca-negra-no-brasil/

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.