PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Adolescentes, não podemos nos esquecer deles
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Adolescentes, não podemos nos esquecer deles

Adolescentes, não podemos nos esquecer deles

13/09/2022
  60   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em um país que já perdeu a janela de oportunidade do bônus demográfico e que está se tornando uma nação com muitos idosos, e que há muita gente falando em primeira infância, precisamos tomar cuidado para não nos esquecermos dos nossos adolescentes.

Investir em uma transição segura, saudável e produtiva da infância para a vida adulta é fundamental. Hoje, há 1,3 bilhão de adolescentes no mundo, representando 16% de toda a população. No Brasil, estima-se que existam cerca de 20 milhões.

Definidos pelas Nações Unidas como aqueles entre as idades de 10 e 19 anos, os adolescentes vivenciam um período de transição entre a infância e a idade adulta e, com isso, crescimento e desenvolvimento significativos. Como crianças até a idade de 18 anos, a maioria está protegida pela Convenção sobre os Direitos da Criança. No entanto, suas vulnerabilidades e necessidades são distintamente diferentes daquelas das crianças e, portanto, muitas vezes permanecem sem solução.

Embora o país tenha feito grandes progressos em relação à sua população mais jovem, esses avanços não atingiram a todos os brasileiros da mesma forma.

Nas últimas décadas, o Brasil reduziu significativamente a taxa de desnutrição crônica entre os menores de cinco anos, atingindo, antes do prazo, a meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Entretanto, a desnutrição crônica ainda é um problema em grupos mais vulneráveis, como indígenas, quilombolas e ribeirinhos. Ao mesmo tempo, aumentamos progressivamente o consumo de alimentos ultraprocessados e a prevalência de sobrepeso e obesidade no Brasil. Uma em cada três crianças de cinco a nove anos possui excesso de peso: 17% dos adolescentes estão com sobrepeso e 8,5% são obesos. Desde 2015, as coberturas vacinais – que vinham se mantendo em patamares de excelência – também entraram em uma tendência de queda.

Além do desafio de acesso escolar, há quem esteja na escola sem aprender. O sistema de educação brasileiro não tem sido capaz de garantir oportunidades de aprendizagem a todos. Muitos meninos e meninas são deixados para trás. Ao serem reprovados diversas vezes, saem da escola. Em 2018, 6,4 milhões de estudantes das escolas estaduais e municipais tinham dois ou mais anos de atraso escolar, índices que certamente pioraram com a pandemia e, principalmente, entre os adolescentes.

Para o Unicef, a face mais trágica das violações de direitos que afetam meninos e meninas no Brasil são os homicídios de adolescentes: a cada hora, alguém entre 10 e 19 anos de idade é assassinado no país [estimativa baseada em dados do Datasus (2018)] — quase todos meninos, negros e moradores de comunidades.

O Brasil tem uma das legislações mais avançadas do mundo no que diz respeito à proteção da infância e da adolescência. No entanto, é necessário adotar políticas públicas capazes de combater e superar as desigualdades geográficas, sociais e étnicas do país e celebrar a riqueza de sua diversidade.

A Fundação José Luiz Egydio Setúbal tem como prioridades para a década 20/30 trabalhar três frentes ligadas às ODS da ONU: 1) Imunizações, 2) Insegurança Alimentar e 3) Saúde Mental. Essas prioridades são para a Saúde Infantil, definida por nós como a saúde da criança e do adolescente.

O Brasil não precisa de mais políticas públicas e talvez nem de mais dinheiro destinado a esse público. Precisamos que elas sejam cumpridas de acordo com o artigo 227 da constituição, com o Estatuto da Criança e do Adolescente e com todas as outras políticas públicas traçadas a partir disso.

Cabe a nós, como sociedade, cobrar de nossos governantes que eles cumpram o que dizem nas campanhas e que façam bom uso do dinheiro público. Não é simples, mas é o que se espera de um país e de governantes que realmente se preocupam com a população.

 

Fonte:

https://data.unicef.org/topic/adolescents/overview/

https://www.unicef.org/brazil

 

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/veja-por-que-seu-pre-adolescente-precisa-da-vacina-contra-o-hpv/

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.