PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Veja porque seu pré-adolescente precisa da vacina contra o HPV
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Veja porque seu pré-adolescente precisa da vacina contra o HPV

Veja porque seu pré-adolescente precisa da vacina contra o HPV

11/08/2022
  137   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Se você é pai de um pré-adolescente com idade entre 9 e 14 anos, é hora de garantir que ele esteja protegido. A vacina contra o papilomavírus humano (HPV) previne o câncer causado por vários tipos de HPV, bem como os cânceres de boca, garganta e pênis. Também previne verrugas genitais. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que haja de 9 a 10 milhões de infectados pelo vírus no Brasil. A cada ano surgem cerca de 700 mil novos casos da infecção.

Por que a vacina contra o HPV é recomendada aos 9-14 anos?

De acordo com a OMS, a vacina contra o HPV é a principal forma de prevenir a infecção. A vacina é muito segura e eficaz, e as crianças precisam tomá-la quando for recomendada. No Brasil, está sendo usado o tradicional esquema de três doses do imunizante, sem levar em consideração a idade da pessoa, com a distribuição sendo gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O esquema preconizado pelo Plano Nacional de Imunização é:

– Meninas de 9 a 14 anos;
– Meninos de 11 a 14 anos;
– Homens e mulheres imunossuprimidos, de 9 a 45 anos, que vivem com HIV/aids, transplantados de órgãos sólidos ou medula óssea e pacientes oncológicos.

A vacina quadrivalente pode prevenir os cânceres relacionados aos HPV 16 e 18; de colo do útero; vulva e vagina; câncer peniano e cânceres de orofaringe e anal em homens e mulheres, além das verrugas genitais nos dois sexos relacionadas ao HPV 6 e 11.

O imunizante é mais eficaz se administrado mais cedo. Isso ocorre em parte porque os pré-adolescentes produzem mais anticorpos após a vacinação contra o HPV do que os adolescentes mais velhos (a vacina funciona melhor com seu sistema imunológico). Dar a vacina mais cedo também significa que eles podem ser protegidos bem antes de serem expostos ao vírus, o que ocorre com o início da atividade sexual.

Esta é uma vacina que pode realmente prevenir o câncer.

As infecções por HPV não desaparecem sozinhas?

A maioria das infecções desaparece sozinha em dois anos. Mas, às vezes, duram mais. Estas são as infecções que podem causar câncer mais tarde na vida.

O HPV é facilmente transmitido, inclusive quando uma pessoa infectada não apresenta sinais ou sintomas. A maioria das pessoas que se infecta o adquire dentro de dois ou três anos após a sua primeira atividade sexual. Alguém que tem apenas um parceiro pode pegar HPV. Além disso, a relação sexual não é necessária para a transmissão.

Uma mensagem sobre o câncer do colo do útero

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que, para cada ano do triênio 2020/2022, sejam diagnosticados 16.590 novos casos de câncer de colo do útero no Brasil, com um risco estimado de 15,43 casos a cada 100 mil mulheres. O câncer de colo do útero foi uma das causas mais frequentes de morte por câncer em mulheres.

Muitos pacientes estão atrasados ​​no rastreamento do HPV – e na sua vacinação – devido à pandemia da covid-19. Para evitar esse tipo de câncer, é crucial que crianças e adolescentes recebam as vacinas contra o HPV, junto com todas as imunizações recomendadas.

Uma vez que completem 21 anos, as mulheres devem ser rastreadas para o câncer do colo do útero. As pessoas com maior risco de câncer do colo do útero são aquelas que não foram vacinadas, que estão atrasadas para a triagem e aquelas que tiveram um resultado anormal, mas não receberam cuidados de acompanhamento. Para prevenir o câncer do colo do útero, as pacientes são rastreadas usando testes de HPV e Papanicolau.

Três em cada quatro adultos terão, pelo menos, uma infecção por HPV antes dos 30 anos. A cada ano, mais de 46 mil pessoas, entre homens e mulheres, sofrem de câncer causado pelo HPV e mais de 7 mil morrem, incluindo câncer de pênis, vagina, vulva, anal, cabeça e pescoço.

Apenas 55% das meninas e 36,4% dos meninos brasileiros de 9 a 14 anos tomaram as duas doses da vacina contra o HPV, em 2020, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Não precisa ser assim. Ao garantir que as crianças recebam a vacina antes de serem expostas ao vírus, podemos prevenir o câncer e outras doenças graves causadas pelo HPV.

 

Fonte:

Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2022)

Saiba mais:

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.