PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Colesterol em criança e adolescente também é motivo de preocupação
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Colesterol em criança e adolescente também é motivo de preocupação

Colesterol em criança e adolescente também é motivo de preocupação

03/04/2024
  337   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em geral, os adultos pensam que colesterol alto é algo para se preocupar somente na maturidade, mas isso é um engano. A Academia Americana de Pediatria recomenda que todas as crianças, entre 9 e 11 anos, devem ter os níveis de colesterol no sangue apurados, devido à crescente epidemia de obesidade até nos muito jovens. Além disso, crianças cujos pais ou avós tiveram ataques cardíacos, artérias bloqueadas ou acidente vascular cerebral antes dos 55 anos (nos homens) e 65 (nas mulheres) devem ser observadas com mais cuidado desde os 2 anos de idade. Por aqui, a Sociedade Brasileira de Pediatria segue a mesma recomendação.

Uma revisão de estudos desenvolvida por pesquisadores da Escola de Enfermagem da UFMG constatou que, segundo parâmetros da Sociedade Brasileira de Cardiologia, mais de um quarto das crianças e adolescentes brasileiros têm colesterol alto. Quanto ao LDL, também conhecido como “colesterol ruim”, a proporção é de 1 em cada 5 com alterações.

Uma criança pode ter o colesterol elevado por uma variedade de razões. As mais comuns são obesidade e diabetes cada vez mais frequentes. Essa substância circula no nosso sangue a partir dos alimentos que ingerimos, principalmente os gordurosos. Mas, é importante saber que o nosso corpo produz colesterol, principalmente no fígado e no intestino. Se um exame de controle mostrar níveis elevados de colesterol, o pediatra deverá investigar as causas possíveis.

Pesquisas recentes indicam que há boas evidências de que crianças com problemas de colesterol se tornam adultos com riscos de desenvolver doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2. A presença de níveis elevados na infância pode resultar em acúmulo de placas nas artérias ao longo do tempo. Isso pode levar a um estreitamento das veias e diminuição do fluxo sanguíneo para órgãos vitais, como coração e cérebro. Por isso, é importante que pais controlem os hábitos dos seus filhos desde muito cedo.

Para prevenir e impedir os riscos do aumento do colesterol em crianças, é importante que toda a família adote um estilo de vida saudável, com comida boa e atividade física. Essas duas coisas são pouco comuns hoje em dia, com crianças cada vez mais sedentárias e com uma alimentação baseada em ultraprocessados. Salgadinhos, bolachas recheadas, comidas prontas, congeladas e bebidas açucaradas. Tão práticas para a vida corrida que levamos, mas tão perigosas na mesma proporção.

Os alimentos ricos em fibras são fortemente recomendados para quem tem colesterol alto. Enquanto deve-se limitar a ingestão de comida com elevada densidade energética: os doces e refrigerantes, as frituras cheias de gordura saturada, até mesmo as carnes, os embutidos e os laticínios com muita gordura. Outro hábito importante é incluir alimentos com gorduras consideradas boas, como abacate e peixes ricos em ômega 3.

E, se você tem dúvidas sobre o que escolher no supermercado, agora é norma da Anvisa que embalagens tragam o símbolo de uma lupa com a inscrição “Alto em”, que avisa se há excesso de gordura saturada, sódio ou açúcar adicionado – nutrientes que fazem mal à saúde. E, se mesmo assim fica confuso, uma dica de ouro é evitar produtos com ingredientes de nomes complicados, que você não sabe o que são, como xarope de glicose, maltodextrina, isolados de proteína e gordura hidrogenada. Certamente, você evitará de levar um ultraprocessado para casa

A boa alimentação é aquela rica em frutas, verduras, grãos integrais e alimentos com baixo teor de gordura saturada. Se seu filho(a) tem preguiça de descascar frutas, experimente oferecer um prato com maçã ou banana picadas, enquanto ele(a) assiste a um desenho. Esse gesto leva o mesmo tempo de você colocar um pacote de pipoca no micro-ondas.

Claro que estou falando para aqueles que têm condições financeiras de ESCOLHER o que comem, têm geladeira em casa para conservar alimentos frescos ou cujos filhos podem contar com um acompanhamento pediátrico e nutricional. Atualmente, cerca de 70 milhões de brasileiros enfrentam algum grau de fome e não devemos nos conformar com isso. A alimentação é um direito constitucional, o acesso à comida de qualidade está presente em políticas públicas há décadas, e cabe a nós enquanto sociedade pressionarmos para que todos os brasileiros voltem a ter diariamente comida saudável e de qualidade no prato.

Publicado originalmente em:
https://oglobo.globo.com/blogs/receita-de-medico/post/2024/03/colesterol-em-crianca-e-adolescente-e-motivo-de-preocupacao.ghtml

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.