PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
ATENÇÃO AO USO FREQUENTE DE CORTICOIDE: um “xarope” que não é inofensivo para seus filhos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
ATENÇÃO AO USO FREQUENTE DE CORTICOIDE: um “xarope” que não é inofensivo para seus filhos

ATENÇÃO AO USO FREQUENTE DE CORTICOIDE: um “xarope” que não é inofensivo para seus filhos

28/03/2024
  256   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Cada vez mais, nós, pediatras, escutamos relatos de pais que fazem uso de corticoides orais com frequência em seus filhos, tanto para sintomas respiratórios como cutâneos. Porém, o que muitos não sabem é que esse medicamento, assim como tantos outros, não é isento de efeitos adversos.

Os glicocorticoides, também chamados de corticoides ou corticosteroides, são fármacos poderosos, derivados do hormônio cortisol, produzido pela glândula suprarrenal. A prednisona e os corticoides em geral são drogas que conseguem modular processos inflamatórios e imunológicos do nosso organismo. Por isso, eles são extremamente úteis em uma infinidade de doenças.

A maioria dos efeitos colaterais ocorre nos pacientes que fazem uso prolongado e com doses elevadas de corticoides por via oral ou intravenosa. Porém, isso não significa que as outras formas de administração de corticoides sejam isentas de efeitos adversos. Mesmo os corticoides tópicos (em pomada ou creme, por exemplo) podem provocar efeitos colaterais, caso o seu uso ocorra por tempo prolongado.

Ao mesmo tempo que são fármacos extremamente úteis em muitas doenças graves, os corticoides – quando usados de forma recorrente – podem provocar danos semelhantes aos observados com seu uso crônico, como alterações metabólicas, ósseas, oftalmológicas, cutâneas, no sistema nervoso central, entre outras.

Alguns exemplos de efeitos adversos são:

PELE

Podemos observar equimose e púrpura, que são pequenas hemorragias que ocorrem embaixo da pele, normalmente em áreas expostas ao sol, como mãos e antebraços. Também podemos observar uma pele mais fina e frágil. Além de estrias de cor arroxeada localizadas na região abdominal, pode ocorrer calvície, crescimento de pelos em mulheres e acne. Um maior risco de infeções fúngicas na pele também ocorre com o tratamento prolongado.

OLHOS

Pode levar a alterações oftalmológicas, como catarata e glaucoma.

METABÓLICOS

Observa-se uma maior tendência ao ganho de peso e acúmulo de gordura na região do tronco e abdômen. Quanto maior a dose do corticoide, maior é o ganho de peso. Além disso, a corticoterapia crônica também leva a alterações do metabolismo da glicose, podendo, inclusive, provocar diabetes mellitus. Apesar do diabetes ser reversível na maioria dos casos após a suspensão da droga, alguns pacientes podem permanecer diabéticos para o resto da vida. Alterações nos níveis de colesterol também são observadas: elevações no LDL (colesterol ruim) e triglicerídeos, assim como redução nos níveis de HDL (colesterol bom).

CARDIOVASCULARES

Aumento da ocorrência de hipertensão, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e AVC.

MUSCULOESQUELÉTICOS

A mais comum é a osteoporose. Neste caso, mesmo doses baixas, se usadas de forma crônica, podem acelerar a perda de massa óssea.

SISTEMA NERVOSO CENTRAL

Inicialmente, pode causar uma sensação de bem-estar e euforia. Porém, a longo prazo está associado a uma maior incidência de quadros psiquiátricos, tais como psicose e depressão, além de insônia e alterações da memória.

Um sinal típico da toxicidade pelos corticoides é o desenvolvimento da aparência cushingoide, caracterizada por uma face arredondada (chamada popularmente de face em lua cheia), pelo acúmulo de gordura na região posterior do pescoço e das costas (chamado de corcova ou giba de búfalo) e pela distribuição irregular da gordura corporal, com predomínio na região abdominal e tronco, como dito anteriormente.

Por isso, esse “xarope” que é vendido sem necessidade de prescrição médica nas farmácias pode trazer muitas complicações aos seus filhos se usado de forma indiscriminada. Como pediatra, reforço: não utilize corticoide oral sem prescrição médica, pois esse medicamento tem sim efeitos adversos.

Artigo com colaboração de Dr. Gustavo Falbo Wandalsen e Dra. Marilise Guedes Candido Lando.

Dra. Ligia Ranalli

Dra. Ligia Ranalli

Graduada em Medicina pelo Centro Universitário Lusíada com Residência Médica em Pediatria pelo Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo É médica alergista e imunologista do Sabará Hospital Infantil e médica especialista pela Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI).

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.