PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Alimentação saudável não tira férias: os cuidados com o consumo de açúcar para crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Alimentação saudável não tira férias: os cuidados com o consumo de açúcar para crianças

Alimentação saudável não tira férias: os cuidados com o consumo de açúcar para crianças

01/02/2024
  439   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em períodos de férias, principalmente as de verão – com festas de fim de ano, crianças em casa, passeios, viagens mais longas – é comum observar a alimentação das famílias se modificar. Com menos rotina, menos planejamento e mais refeições fora de casa, a disponibilidade ao consumo de guloseimas e alimentos ricos em gordura saturada, sódio e açúcar, tende a ser maior e isso exige cuidado.

Sejamos justos: uma alimentação saudável não é composta só de macronutrientes, como carboidrato, proteína, gordura, fibras e micronutrientes (vitaminas, minerais e compostos bioativos). A alimentação saudável também é feita de sabores, prazeres, preferências e momentos felizes e agradáveis, porém, quando se fala de nutrição infantil, essencialmente aos menores de 2 anos, a alimentação saudável não deve tirar férias.

O Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos (2019), do Ministério da Saúde, e o Manual de Alimentação (2019), da Sociedade Brasileira de Pediatria, apresentam informações extensas sobre a alimentação mais adequada para os bebês. Estas orientações reforçam a recomendação de não oferecer qualquer tipo de açúcar – mascavo, demerara, cristal, refinado, orgânico ou açúcar de coco, seja adicionado em preparações simples (como um suco) ou em mais elaboradas (como uma receita de bolo), seja presente como ingrediente em produtos comprados já industrializados (como pães, biscoitos e bolos prontos, sucos adoçados, refrigerantes, chás, iogurtes saborizados e leite fermentado). As crianças maiores de 2 anos também não devem ter esses alimentos e produtos em livre escolha na rotina.

A presença de açúcar na alimentação nos anos iniciais de vida está associada, por exemplo, ao excesso de peso, a má saúde bucal e a estimulação à preferência por produtos de sabor muito doce em uma fase em que o paladar está em plena formação. Além disso, as recomendações do Guia e do Manual reforçam a importância do consumo de alimentos ricos em nutrientes e fibras como frutas, verduras, legumes, ovo, carnes em geral, arroz, feijão e iogurte natural.

Então, quer dizer que criança não pode comer nada doce? Depende.

Até os dois anos de vida, a criança não deve ter acesso a nenhum açúcar adicionado, nem em preparações/produtos prontos com açúcar como ingrediente. Porém, o “doce” é um sabor que pode – e deve – estar presente na alimentação de todos, assim como os demais sabores – salgado, azedo, amargo e umami. Sabor doce pode, sim.

O que acontece é que, na maioria das vezes, quando se pensa em “doce”, vem à mente um brigadeiro e não uma manga, não é mesmo?

Alimentos que são, naturalmente doces, como as frutas, estão presentes na alimentação dos bebês desde o início da fase de alimentação complementar.

A seguir, compartilho dicas de alimentos naturalmente doces e/ou adoçados que podem ser oferecidos, segundo a idade:

Para os menores de 2 anos:

  • Frutas maduras: banana, manga, caqui, pera, melão, melancia, uva roxa e figo.
  • Frutas secas: tâmara, uva passa e banana passa.
  • Morango + Tâmara.
  • Suco natural ou água de coco, com moderação (não ultrapassar 120 ml por dia) e sem necessidade de ser rotina.
  • ‘Panquequinha’ de banana com canela (ingredientes: 1 banana nanica amassada + 1 ovo + 1 colher de sopa de farelo de aveia + pitada de canela).

Para os maiores de 2 anos:

  • Sorvete cremoso caseiro: fruta de preferência congelada (ex.: manga), processada com leite em pó e mel (opcional).
  • Palito de fruta (morango, uva ou manga) com chocolate meio amargo.
  • Iogurtes saborizados com a menor lista de ingredientes possível.
    • Prefira → Leite desnatado, preparado de polpa de morango (morango, suco concentrado de maçã e limão, fibra de milho e pectina de fruta) e fermentos lácteos.
    • Evite → Leite reconstituído parcialmente desnatado e/ou leite pasteurizado integral, preparado de morango (água, xarope de açúcar, amido modificado, açúcar, polpa de morango, cálcio, aromatizantes, acidulante ácido cítrico, espessante goma guar, corante natural carmim e conservador sorbato de potássio), soro de leite reconstituído, xarope de açúcar e fermento lácteo.
  • Doces de fruta, caseiros, com alta porcentagem de fruta.
  • Chocolate ao leite ou meio amargo, com moderação (porção: 20g) e de boa qualidade.
  • Suco natural, de preferência sem adição de açúcar; até 175ml por dia; sem necessidade de ser rotina.
  • Bolos e pães caseiros, de preferência integrais e com quantidade reduzida de açúcar.

E lembre-se: bebês e crianças não passam vontade daquilo que não conhecem e a famosa frase “é só um pedacinho, não vai fazer mal” é o início para uma alimentação não saudável.

Raquel Ricci

Raquel Ricci

Nutricionista e pesquisadora do Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares (CENDA) do Instituto PENSI. Possui especialização em Saúde da Criança e do Adolescente pela Universidade Federal de São Paulo e formação em Pesquisa Clínica (Invitare).

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.