PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
As boas notícias em relação às vacinas no Brasil
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
As boas notícias em relação às vacinas no Brasil

As boas notícias em relação às vacinas no Brasil

28/11/2023
  577   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Há algum tempo o problema de imunização vem preocupando as autoridades e as pessoas que atuam com a saúde de crianças e jovens. Foi-se o momento em que o Brasil tinha uma das maiores coberturas vacinais do mundo. Reconhecido internacionalmente, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), criado em 1973, fornece, de forma gratuita e para toda a população brasileira, as vacinas contra as principais doenças infectocontagiosas para as quais existem imunizantes.

No entanto, as coberturas vacinais de todas as vacinas ofertadas pelo programa vêm caindo desde 2015 e hoje estão abaixo da meta estabelecida de cerca de 95% do público-alvo, fazendo com que o país corra o risco de ver de volta doenças evitáveis já erradicadas ou pouco prevalentes.

Na última semana de outubro, nossa Fundação realizou o 5° Fórum de Políticas Públicas de Saúde Infantil, abordando esse tema. Além de mostrar os desafios para retomar as antigas taxas de imunização, foram discutidas iniciativas que deram certo como a de busca ativa vacinal do Unicef e ações da Fiocruz ou de municípios como o de São Paulo (SP) e Baturité (CE).

O mais importante, talvez, tenham sido as pesquisas inéditas mostradas durante o evento: uma sobre a influência das notícias falsas (fake news) nas mídias sociais, que mostra uma pequena ação sobretudo na vacina de covid em crianças, e  outra pesquisa realizada pela equipe liderada pela professora Lorena Barberia, da Universidade de São Paulo, e aplicada pela Quaest em uma amostra nacional, representativa para a população brasileira e para as cinco regiões do Brasil – 2.129 entrevistas realizadas face-a-face, com entrevistas domiciliares em todo o território brasileiro, entre 29 de julho e 3 de agosto de 2023.

Nesse levantamento, temos boas notícias, pois os dados confirmam que adultos com filhos continuam considerando a imunização como uma parte integral dos cuidados da saúde das crianças e dos adolescentes no Brasil. 98% dos responsáveis com filhos de idade igual ou inferior a 14 anos afirmam que vacinaram seus filhos com todas as vacinas indicadas por profissionais de saúde.

Em média, 83% dos brasileiros entrevistados que possuem filhos afirmam que vacinaram seus dependentes. A adesão à vacinação entre todos os entrevistados que possuem filhos foi superior a 75% em todas as regiões do país.

Das pessoas que têm filhos, 98% em todo o território brasileiro, considera a vacina um meio importante na prevenção dos riscos associados à meningite, doença considerada grave pela população em geral. Níveis similares de aceitação da vacina contra a meningite foram identificados em todas as regiões brasileiras. Esse resultado sugere que a população brasileira leva em consideração a gravidade da doença ao se decidir sobre vacinar seus filhos.

Outro dado importante constatado na pesquisa é que há amplo apoio dos responsáveis brasileiros em vacinar seus filhos em escolas. As respostas apontam que, nos casos de influenza, HPV e covid-19, mais de 80% dos entrevistados com filhos em todas as regiões do país concordam que os filhos possam receber vacinas nas escolas. Essa pode ser uma das soluções para diminuir a falta de sequência das vacinas nos primeiros anos e completar todo o ciclo básico de vacinação.

Os esforços para vacinar crianças em todo o mundo contra doenças mortais, como sarampo e difteria, começaram a se recuperar em 2022, após um retrocesso histórico causado pela pandemia de covid-19. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Unicef, e o mesmo está ocorrendo no Brasil.

Creio que o importante para os nossos governantes foi saber que as mídias sociais não têm a mesma importância que têm outros países aqui no Brasil, que, de maneira geral, há grande percepção da importância das vacinas e pouca resistência em fazer a imunização orientada por profissionais de saúde além de aceitar que a vacinação seja feita nas escolas.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.