PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A criança e a consciência de si mesmo
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A criança e a consciência de si mesmo

A criança e a consciência de si mesmo

09/07/2013
  4026   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Quando a criança começa a se reconhecer e o que isso representa para ela?

A criança e a consciência de si mesmo

Os bebês pequenos não têm a noção de seus corpos como sendo seus. Não sabem onde começam e onde terminam. Mesmo quando, aos dois meses, os vemos observar as mãos, fascinados por elas, eles não sabem que são suas, que fazem parte de seu corpo. Perdem o interesse logo que elas saem do campo de visão. Muitas vezes, acham que os brinquedos são uma continuação deles mesmos e estranham quando não conseguem pegá-lo, por exemplo.

A consciência de si mesmo, como um ser separado do resto do mundo, surge entre os 9 e os 15 meses de idade, mas somente no período entre 15 e 18 meses é que a noção de como são fisicamente é fundamentada. Surge o “eu” e o “meu” e, futuramente, os sentimentos de vergonha, de culpa, de ciúmes e de afeição.

Em um experimento clássico (Lewis e Brooks, 1978), 96 crianças entre 9 e 24 meses foram colocados diante do espelho e depois, disfarçadamente, uma manchinha vermelha foi aplicada nos narizes delas. Nenhum dos bebês menores de 12 meses reagiu à nova imagem, demonstrando não saberem que seu nariz não é vermelho. Entretanto, a maioria dos que tinham entre 15 e 24 meses tocaram seu rosto com expressão curiosa, demonstrando que eram capazes de se reconhecer.

Os bebês entre 15 e 24 meses que demonstraram autorreconhecimento no experimento da manchinha vermelha ficavam envergonhadas, sorriam e cobriam os rostos com as mãos ao serem elogiadas por algum adulto. Já as demais, que não se reconheceram no espelho com o nariz pintado de vermelho, não ficaram embaraçadas.

Como o sentimento de vergonha e de culpa só aparecem com o desenvolvimento da autoconsciência, é somente nessa fase que as crianças começam a saber o que podem e o que não podem fazer, o que é certo e o que é errado.

Então é bom ter sempre em mente: a compreensão do mundo pela criança ganha uma nova perspectiva quando ela consegue identificar seu corpo como sendo somente seu.

Fonte: Berger, Kathleen Stassen – “O desenvolvimento da pessoa – Da infância à terceira idade” – Ed. Ltc – 5ª edição – 2003

assinatura_leticia

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade