PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Ajudando as crianças a lidar com o estresse
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Ajudando as crianças a lidar com o estresse

Ajudando as crianças a lidar com o estresse

16/10/2014
  450   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

16

Como podemos ajudar nossos filhos a lidar com as tensões da vida cotidiana? Durante a infância, as pressões podem vir de uma série de fontes: de dentro da própria criança, bem como dos pais, professores, colegas e da sociedade em geral, na qual a criança vive.

A pressão pode assumir muitas formas que desafiam as crianças e para as quais devem responder, ou muitas vezes, se adaptar. Se estes são eventos de consequências duradouras, como o divórcio de seus pais, ou apenas um aborrecimento menor, como perder a sua lição de casa, essas demandas ou tensões são uma parte da vida diária das crianças.

Ensinar as crianças que alguns eventos são ruins mas que elas são capazes de se adaptar a eles com relativa facilidade irá ajuda-las. Elas aprenderão que outros eventos como ameaças às suas rotinas diárias, da sua família ou sensação geral de bem-estar, são bem mais problemáticos, mas se sentirão capazes de enfrenta-los.

O estresse habitual é importante para a criança se preparar para vida, mas estresses muito prolongados e de muita intensidade podem provocar danos emocionais e de saúde que persistirão por toda vida, é o chamado estresse tóxico. Este estresse tóxico é observado em crianças que vivem em ambientes de muita violência, de pobreza extrema, que sofrem algum tipo de abuso ou doença crônica que leva a um sofrimento constante.

Grandes eventos, especialmente aqueles que mudam para sempre a família de uma criança, como a morte de um pai, pode ter efeitos duradouros sobre a saúde psicológica das crianças e bem-estar. Tensões diárias menores também podem ter consequências. Eles podem contribuir para a perda de sono ou apetite. As crianças podem tornar-se irritadas ou irritáveis ou suas notas escolares podem sofrer. Seu comportamento e sua vontade de cooperar pode mudar.

Temperamentos das crianças variam e, portanto, eles são muito diferentes em sua capacidade de lidar com o estresse e aborrecimentos diários. Alguns são, por natureza, descontraídos e ajustam facilmente a eventos e situações novas. Outros são tirados do seu equilíbrio por mudanças em suas vidas. Todas as crianças melhoram em sua capacidade de lidar com o estresse, se anteriormente conseguiram gerenciar desafios e se eles sentem que têm a capacidade e o apoio emocional da família e dos amigos. As crianças que têm um claro senso de competência pessoal, e que se sentem amados e apoiados, geralmente saem bem neste desafio.

Certamente, a idade e o desenvolvimento de uma criança vão ajudar a determinar quão estressante uma determinada situação pode ser. Alterar professores em meados do ano pode ser um grande evento para uma criança na primeira série e apenas um aborrecimento para uma sexta série.

Como a criança percebe e responde ao estresse depende em parte de seu desenvolvimento, na experiência de vida, e, em parte, temperamento individual de uma criança. Por isto é importante que os pais e cuidadores não resolvam tudo e incentivem as crianças a procurarem seus caminhos para solucionar os problemas.

Ironicamente, muitos pais acreditam que seus filhos em idade escolar não estão cientes das tensões ao seu redor e são de alguma forma imune a elas. Afinal de contas, seus filhos não só tem todas as suas necessidades básicas atendidas, mas talvez eles também têm uma sala cheia de brinquedos, amigos para compartilhá-los com, muita brincadeira, e uma agenda cheia de atividades extracurriculares.

No entanto, as crianças são muito sensíveis às mudanças ao seu redor, especialmente para os sentimentos e as reações de seus pais, mesmo que esses sentimentos não são comunicados diretamente em palavras. Se um pai perde o emprego, as crianças terão de se ajustar a crise financeira de sua família; eles têm de lidar não só com as familiares alterações orçamentarias evidentes, mas também com as mudanças nos estados emocionais de seus pais. As crianças podem ter de lidar com um valentão no playground, uma mudança para um novo bairro, doença grave de um dos pais ou a decepção de um fraco desempenho esportivo. Eles podem sentir uma importunação para se vestir da maneira “certa”, ou para alcançar as notas altas que pode colocá-los no caminho certo para a faculdade “direito”.

Alguns psicólogos acreditam que a média os jovens de hoje, na verdade, são confrontados com mais estresse do que as crianças das gerações anteriores foram e têm menos apoios sociais disponíveis. A mudança na estrutura familiar dos grandes de apoio, famílias ampliadas (incluindo ambos os pais, tias, tios e avós) das gerações anteriores, ao apresentam alta incidência de famílias divorciadas, as famílias monoparentais e as famílias adotivas alterou drasticamente a experiência da infância. Milhões de jovens devem se ajustar a essas mudanças.

Mesmo em famílias estáveis, os dois pais trabalham, o que muitas vezes obriga as crianças a passar mais tempo em programas pós-escola ou em casa sozinho ou com empregados ou cuidadores. Para algumas crianças essa perda de tempo junto a seus pais é bastante estressante. Assim, também, é a responsabilidade de cuidar de si e da família em casa e às vezes por supervisionar um irmão mais novo depois da escola.

Muitas crianças e adolescentes são submetidas a múltiplas atividades que enchem o “tempo livre” das crianças com uma agenda que pode ser exaustiva e sem tempo para brincadeiras.

As crianças e adolescentes de hoje também estão sendo criados em uma época onde são expostos à violência e à pressão dos pares sobre a atividade sexual e uso de drogas e são avisados ​​para ser cauteloso sobre o sequestro, abuso sexual e outros crimes. Esta sensação de que eles estão vivendo em um mundo inseguro é uma fonte constante de estresse para algumas crianças. Em suma, os jovens de hoje são regularmente confrontados com desafios para suas habilidades de enfrentamento e muitas vezes são esperados para crescer rápido demais.

Nem todo estresse é ruim. Quantidades moderadas de pressão impostas por um professor ou um técnico, por exemplo, pode motivar uma criança para manter suas notas altas na escola ou a participar mais plenamente em atividades atléticas. Gerenciar com sucesso as situações ou eventos estressantes aumenta a capacidade de uma criança para lidar com dificuldades no futuro.

Quando o estresse é contínuo ou particularmente intensa, isso tem um preço, tanto a psique e o corpo. Eventos estressantes repentinas vai acelerar a respiração de seu filho e os batimentos cardíacos, se contraem seus vasos sanguíneos, aumenta a pressão arterial e tensão muscular e talvez causar dor de estômago e dores de cabeça. Como o estresse persiste, ela pode ser mais suscetível à doença e fadiga experiência, pesadelos, ranger de dentes, insônia, birras, depressão e fracasso escolar.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte Cuidar de sua escola-Criança: Idade 5 a 12 (Copyright © 2004 Academia Americana de Pediatria)

As informações contidas neste blog não devem ser usadas como um substituto para o tratamento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade