PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
As dúvidas sobre o aleitamento materno
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
As dúvidas sobre o aleitamento materno

As dúvidas sobre o aleitamento materno

09/08/2019
  39   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Pega correta, posição adequada… Por quanto tempo o bebê deve mamar? Existe um intervalo certo?

São mil dúvidas que devem ser respondidas pelo pediatra até mesmo antes do nascimento do bebê. Por isto, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) está desenvolvendo campanha para a consulta pré-natal com o Pediatra. Estranho? Não, por que o pediatra pode preparar a gestante para uma série de situações que aparecem logo no início da vida e que as vezes deixam de ser solucionadas, por uma consulta tardia ao consultório após o parto.

Em relação ao aleitamento, muitas perguntas estão nas cabeças dos pais, e muitas fantasias e questionamentos aparecem. Para todas estas dúvidas, não existe uma resposta padronizada, pois varia muito de criança para criança. Na prática, o bebê mama quando tem fome e isto pode ser sinalizado de diferentes formas, como movimentos de sucção e procura do peito. O choro seria um sinal mais tardio da fome. O que procuramos fazer é que o bebê mame se possível ainda na sala de parto, ou pelo menos seja colocado em contato com peito materno. A quantidade de colostro é variável e pode ser pequena ao nascimento e vai aumentando gradativamente nas primeiras horas. A cor do leite também varia muito, não devendo ser comparado em cor e mesmo em densidade, ao leite de outras espécies.

Quanto ao tempo entre cada mamada, o regime de livre demanda, isto é, o bebê mama quando precisar e quiser, é o ideal. Nas primeiras semanas de vida, usualmente as crianças conseguem manter um intervalo de duas a quatro horas entre cada mamada. À medida que o tempo passa, o bebê estabelece seu ritmo, com tendência ao espaçamento. No entanto, cada um tem o seu horário.

A duração da mamada não tem relação com quantidade de leite consumido, já que a eficiência da sucção é variável. O ideal é que dure até que o bebê solte espontaneamente o peito. Importante lembrar que a formação de fissuras está diretamente associada à pega e posição inadequadas. É extremamente importante que o pediatra peça para ver a amamentação na consulta inicial ou quando houver dúvida, para orientar a pegada, a posição, avaliar a força da sucção.

Durante a mamada, a composição do leite é diferenciada. Inicialmente contém mais proteínas e açúcares e ao final o leite é rico em gorduras e vitaminas lipossolúveis, sendo mais calórico. Assim, é importante que seu filho mame o primeiro peito completamente, até que o solte espontaneamente, e só então, o segundo peito é ofertado. Às vezes poderá aceitar, às vezes já estará saciado. A mamada seguinte, portanto, deve começar pela mama mais cheia, ou seja, a que o bebê mamou menos tempo.

A recomendação da maioria das sociedades pediátricas é que o aleitamento materno seja exclusivo até o sexto mês de vida, e mantido pelo tempo que for adequado para o bebê e a mãe. Geralmente a orientação é de que o aleitamento siga até o segundo ano, e algumas crianças podem mamar mais tempo.

De qualquer forma, a socióloga Margaret Mead escrevia que o tempo do aleitamento é como a duração de um relacionamento. Ele deve ser mantido enquanto adequado aos dois componentes da relação. Quando um não quer, precisamos verificar os motivos e tentar orientar para o sucesso do relacionamento.

 

Autor: Profº. Dr. Mauro Fisberg – pediatra e nutrólogo, coordenador do Centro de Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi, professor do departamento de pediatria da Escola Paulista de Medicina, membro do departamento de Nutrologia da SBP e diretor da Nutrociencia.

 

Piero

Piero

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade