PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Associação entre Infância TDAH e obesidade
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Associação entre Infância TDAH e obesidade

Associação entre Infância TDAH e obesidade

20/05/2014
  521   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

tdha

Um dos distúrbios psiquiátricos pediátricos mais comuns na atualidade é o déficit de atenção (TDAH), e o tratamento mais comum para o TDAH é medicação estimulante. Nas últimas décadas, as preocupações foram levantadas sobre uma possível ligação entre o TDAH e o rápido aumento nas taxas de obesidade entre as crianças.

No estudo ” Attention Deficit Disorder, Stimulant Use, and Childhood Body Mass Index Trajectory” os pesquisadores estudaram dados de registos de saúde eletrônicos a partir do Sistema de Saúde Geisinger em 163.820 crianças com idade entre 3 e 18 anos de idade na Pensilvânia.

Os modelos foram usados ​​para determinar as trajetórias de IMC (Índice de Massa Corporal) em relação ao diagnóstico de TDAH, a idade quando pela primeira vez o uso de estimulantes, e duração de uso de estimulantes.

Os pesquisadores descobriram que as crianças com TDAH não tratadas ou tratadas sem estimulantes ADHD tinham rápido crescimento do IMC do que aqueles sem TDAH. Por outro lado, as crianças que tinham TDAH tratadas com estimulantes demonstraram um crescimento mais lento do IMC no início da infância, mas eles se recuperaram mais tarde na adolescência para IMC’s  maiores – maior do que as crianças sem história de TDAH ou uso de estimulantes. Os estimulantes anteriores foram iniciados e quanto mais tempo eles foram usados, mais fortes eram esses efeitos.

 

Os autores do estudo concluíram que seus resultados enfatizam a ideia de que as crianças com TDAH têm maior risco de desenvolver a obesidade. No entanto, eles concluíram que o uso de estimulantes e com a recuperação impressionante no crescimento IMC mais tarde na infância e adolescência – e não ao próprio TDAH – foi o maior responsável por estas observações. Os médicos devem estar cientes do risco de obesidade no diagnóstico TDAH e uso particular de estimulantes. Mais pesquisas são necessárias para desenvolver apropriadas intervenções de prevenção da obesidade para crianças com TDAH.

Como se vê por este estudo, o uso de medicação estimulante no TDAH deve ser feito com critérios médicos baseados em protocolos e não porque os pais ou professores achem que a criança tem hiperatividade. A discussão que ocorre no Brasil e no Mundo sobre esta polêmica deverá levar a um consenso.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Revista Pediatrics april 2014 “Attention Deficit Disorder, Stimulant Use, and Childhood Body Mass Index Trajectory”

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade