PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Atividade física como modo de vida
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Atividade física como modo de vida

Atividade física como modo de vida

19/04/2016
  12   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Os pais devem incentivar hábitos saudáveis nos filhos, incluindo atividade física na vida deles.  O exercício deve se tornar parte da rotina, como comer e dormir.

É importante informar que esportes como ciclismo (sempre com capacete), natação, basquete, corrida, caminhada, dança ou futebol, se praticados regularmente, não só divertem, mas promovem saúde. Os esportes que exigem apenas atividade esporádica são benéficos em uma série de maneiras, mas não promovem aptidão. A atividade física pode ser saudável das seguintes maneiras:

1- Aumentar a Capacidade Cardiovascular. Mais pessoas morrem de doenças do coração do que qualquer outra doença; a atividade física regular pode ajudar a proteger contra problemas cardíacos. O exercício pode melhorar a aptidão do seu filho, fazer ele se sentir melhor e fortalecer seu sistema cardiovascular.

2- Atividade aeróbica. Pode fazer a bomba do coração funcionar de forma mais eficiente, reduzindo assim a incidência de pressão arterial elevada. Ela também pode aumentar os níveis sanguíneos de HDL (lipoproteína de alta densidade), o colesterol bom que remove excesso de gordura na corrente sanguínea. Mesmo que a maioria das doenças cardiovasculares sejam consideradas da vida adulta, depósitos de gordura já foram detectados nas artérias de crianças a partir dos três anos de idade e pressão arterial elevada existe em cerca de cinco por cento dos jovens.

3- Exercitar-se três vezes por semana. A criança precisa se exercitar continuamente de vinte a trinta minutos, a uma frequência cardíaca acima de seu nível de repouso. Como orientação, o esforço envolvido na caminhada rápida contínua é suficiente para manter a forma.

4- Cada sessão de exercício deve ser precedida de um aquecimento e seguida por um período de arrefecimento, ajudando assim a garantir um treino seguro. Isto pode ser conseguido por alongamento durante alguns minutos antes e após o exercício.

5- Melhorar a musculação (força e resistência muscular). Com os músculos do seu filho mais fortes, ele será capaz de se exercitar por longos períodos de tempo, bem como proteger-se de lesões musculares e proporcionar melhor apoio para as articulações. Abdominais modificados (joelhos dobrados, pés no chão) podem construir músculos abdominais, aumentar a capacidade pulmonar, e proteger contra lesões nas costas.

6- Aumentar a flexibilidade. Para a aptidão física completa, as crianças precisam ser capazes de torcer e dobrar seus corpos em toda a gama de movimentos normais, sem excesso, ou poderão causar ferimentos. Quando as crianças são flexíveis, elas são mais ágeis.

7- Embora a maioria das pessoas percam flexibilidade à medida que envelhecem, este processo pode ser retardado por meio de alongamento para manter a elasticidade ao longo da vida, começando na infância. Exercícios de alongamento são a melhor maneira de manter ou melhorar a flexibilidade, e eles podem ser incorporados nas rotinas de aquecimento e desaquecimento do seu filho.

8- Na maioria dos exercícios de alongamento, a criança deve se esticar para uma posição onde ela começa a sentir um aperto, mas não a dor. Em seguida, manter a posição de vinte a trinta segundos antes de relaxar. Ela não deve saltar quando se estende, pois isso pode causar lesões nos músculos ou tendões.

9- Manter o peso adequado. Doze por cento das crianças nos anos pré-puberdade estão acima do peso, mas poucas são fisicamente ativas. O exercício pode efetivamente queimar calorias e gordura e reduzir o apetite. Pergunte ao pediatra se seu filho tem um percentual saudável de gordura corporal para sua idade e seu sexo.

10- Reduzir o estresse. Estresse não gerenciado pode causar rigidez muscular, o que pode contribuir para dores de cabeça, dores de estômago, e outros tipos de desconforto. Seu filho precisa aprender não só a reconhecer o estresse em seu corpo, mas também difundi-lo de forma eficaz. O exercício é uma das melhores maneiras de controlar o estresse. Uma criança fisicamente ativa é menos propensa a experimentar sintomas relacionados ao estresse.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte:  Caring for Your School-Age Child: Ages 5 to 12 (Copyright © 2004 American Academy of Pediatrics)

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e a orientação de seu pediatra. Podem haver variações no tratamento que o profissional pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740)Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP.Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade