PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Autoagressão entre jovens deve preocupar
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Autoagressão entre jovens deve preocupar

Autoagressão entre jovens deve preocupar

18/04/2018
  987   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Em dezembro de 2017, participei presidindo uma mesa cuja a palestra proferida pela professora Luci Pfeifer abordou o tema “Da autoagressão e ao suicídio”. Esse é um tema instigante e sobre o qual escrevo com alguma frequência no Blog Saúde Infantil. Como curiosidade, fui atrás de mais números do Brasil e fiquei muito impressionado com o que encontrei. O aumento de suicídio entre os jovens brasileiros foi de 30% nos últimos 25 anos.  Em 2009, 196 jovens, entre 10 e 14 anos, e 566 jovens, entre 15 e 19 anos, cometeram suicídio em nosso país.

Novas pesquisas publicadas na revista Pediatrics de abril de 2018 descobriram que os jovens tratados por automutilação deliberada, mas não suicida, como os cortes superficiais, tinham 25 vezes mais chances do que os pares demograficamente parecidos a cometer suicídio no ano seguinte.

O estudo, “Suicídio Após Automutilação Deliberados em Adolescentes e Jovens Adultos” acompanhou pouco mais de 32mil pacientes entre 12 e 24 anos de idade que estavam inscritos no Medicaid entre 2001 e 2007. O risco de suicídio dentro de um ano, variou consideravelmente conforme a idade, raça entre outros fatores.

Foi mais de quatro vezes maior para os homens do que para as mulheres. Além disso, o risco era acentuadamente mais alto para os índios americanos e nativos do Alasca do que para os pacientes brancos não hispânicos e para os pacientes que usavam métodos mais violentos de automutilação, especialmente armas de fogo.

O estudo também revelou diferenças entre adolescentes e adultos jovens que foram tratados para a automutilação inicial. Embora os diagnósticos de depressão e ansiedade fossem comuns em ambos os grupos etários, por exemplo, os adolescentes com automutilação tinham muito mais probabilidade de terem sido diagnosticados recentemente com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e outros comportamentos disruptivos, enquanto adultos jovens tinham mais uso de substâncias e diagnósticos de transtornos de personalidade.

Os autores do estudo disseram que suas descobertas ressaltam a importância do acompanhamento dos jovens tratados por autoagressão para ajudar a garantir sua segurança.

No Hospital Sabará tivemos 5 crianças internadas e mais uma transferida por falta de vagas por tentativa de suicídio, no ano de 2017. Por automutilação ou com CID de lesão autoprovocada tivemos uma internação e se contarmos anorexia tivemos mais 4 casos sendo um muito grave. No Pronto-Socorro este ano foram atendidas 100 crianças com diagnóstico de automutilação.

Há dois anos criamos o Nacri, que é um núcleo de detecção para crianças de riscos emocionais que ficam internadas conosco. Estudos feitos por psiquiatras brasileiros e do exterior consideram que uma sociedade cada vez mais individualista e menos solidária faz com que os jovens se sintam sem uma rede de apoio. Existem tópicos que dizem que é necessário ser feliz e ter sucesso, ideias muito difundidas pelas redes sociais.

Saiba mais:

https://institutopensi.org.br/?s=suicidio

https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/o-suicidio-entre-jovens-brasileiros/

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics – March 2018

Suicide After Deliberate Self-Harm in Adolescents and Young Adults

Mark Olfson, Melanie Wall, Shuai Wang, Stephen Crystal, Jeffrey A. Bridge, Shang-Min Liu, Carlos Blanco

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade